Quarta-feira, 12 de Setembro de 2018

Será Lisboa a cidade mais atafulhada de carros estacionados no mundo?

Será Lisboa a cidade mais atafulhada de carros estacionados no mundo?

Este post estava pendente há anos (!) e é também um pedido da vossa ajuda. Estava pendente porque não queria ser injusto mas tendo acabado de visitar quatro novos países, menos "desenvolvidos", fico cada vez mais convencido que não haverá no mundo uma grande cidade que dedique tanto do seu espaço público ao estacionamento automóvel como Lisboa, seja estacionamento legal ou ilegal. Aliás, conhecendo cinquenta países, sempre com atenção à mobilidade, não consigo claramente dar um exemplo pior.
Responder seriamente à pergunta implicaria anos a recolher dados, mas posso dar quatro razões (ver fotos) que me levam a pensar assim.

20m4estacionamentos.png


1) Nunca vi ruas de 20m de largura, onde se conseguisse enfiar 4 filas de estacionamento automóvel (para lá de 2 vias de circulação), e Lisboa tem dezenas de exemplos assim.

5m1estacionamento.png

2) Nunca vi ruas estreitas, onde os passeios têm apenas meio metro, mas há espaço para estacionamento.

2520129_9OjAd.jpeg

3) Pequenos cruzamentos urbanos onde chegam a haver 4 carros impunemente estacionados em CADA esquina, pondo em perigo os peões e tapando a passadeira (quando existe).


4) É muito comum haver ruas e avenidas sem qualquer estacionamento à superfície no centro das cidades (tentem uma cidade ao calhas no google maps). Nos países mais "desenvolvidos" chegam a ser mais de metade. Em Lisboa conta-se pelos dedos das mãos, os casos assim.

Sei que Fernando Medina discorda - ainda há dois meses repetiu que um dos grandes problemas de Lisboa é a falta de estacionamento, e vocês conhecem algo pior?

publicado por MC às 13:03
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
Segunda-feira, 3 de Setembro de 2018

Fernando Medina, olhe para o que esbanja antes de pedir aos outros

DmBkf_EXcAYDKGw.jpg:large.jpeg

Fernando Medina fez uma importantíssima e corajosa proposta este fim-de-semana. Defendeu uma enorme simplificação dos passes de transportes públicos em Lisboa, um para o centro da cidade e outro para a Grande Lisboa, combinada com uma forte redução dos preços através de financiamento do orçamento do Estado.
As redes sociais explodiram com a discussão sobre se fará sentido o resto do país apoiar ainda mais os transportes de Lisboa e Porto, mas ninguém - nem Medina - se lembrou da vaca sagrada. É que ainda há umas semanas o presidente da CML se orgulhava dos milhões que tem gasto a financiar estacionamento automóvel. Dizia ele que desde que tomou posse já criou 22 parques de estacionamento, mais 3000 lugares, com recursos públicos.
Faz sentido haver quartos por 500€/mês em Lisboa, e a CML usar os seus recursos públicos para garantir mais uns milhares de estacionamento a preço simbólico? Faz sentido Lisboa reclamar mais financiamento do resto do país para os seus transportes públicos, quando esbanja assim em automóveis?

 

publicado por MC às 13:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito (1)
Quarta-feira, 22 de Agosto de 2018

E se todos quiséssemos lugar para estacionar?

 E se somarmos as deslocações a pé, comboio, bicicleta, mota e taxi dentro de Lisboa, imaginem o que sobraria.

Dados:
Carris transportou 140,6 milhões de passageiros em 2017.
http://www.carris.pt/pt/indicadores-de-atividade/
Metro transportou 161,5 milhões
https://www.metrolisboa.pt/.../mais-de-160-milhoes-de.../
Um parque de estacionamento consegue ter um automóvel por cada 26m² (contando com espaço para manobra, e as vias de ligação internas)
https://menos1carro.blogs.sapo.pt/164229.html

São 827 mil deslocações por dia, que precisariam de um lugar de estacionamento à chegada.

 

publicado por MC às 19:16
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 27 de Julho de 2017

Se o estacionamento não fosse subsidiado, cada americano conduziria menos 1500km por ano

Ter um lugar de estacionamento grátis (ou quase) nos sítios onde queremos ir, é um grande convite a optar pelo automóvel. As nossas escolhas seriam diferentes, se o estacionamento fosse cobrado ao mesmo preço que são as outras ocupações de espaço (seja público ou privado, exterior ou interior). Por exemplo, a propósito das alterações dos parquímetros em Lisboa, alguém contava a um jornalista que tinha deixado de andar de automóvel para não ter de pagar estacionamento.

O que aconteceria então? Um economista de transportes americano, fez a sua estimativa num relatório recente, tendo chegado à conclusão que os americanos conduziriam menos 500 mil milhões de km por ano! Isto são mais de 1500km por pessoa que deixariam de ser feitos se o automóvel não fosse subsidiado e pagasse um preço justo. As nossas cidades e ambiente seriam tão melhores.

publicado por MC às 15:31
link do post | comentar | favorito

Não, um carro estacionado não ocupa apenas 6m²

Muitas vezes esquecemo-nos quanto do precioso espaço da cidade é preciso dedicar por cada automóvel. Há quem falem em 6m² ou 8m² para estacionar um, porque esse é a área que ele ocupa fisicamente.
Mas se eu tiver 600m² não vou lá conseguir pôr 100 automóveis, uns contra os outros... só se for numa sucata. É necessário espaço entre eles, e espaço para os acessos e as manobras.
Na foto, numa área de 6540m² (109x60), haverá 308 (22x14) automóveis SE o parque estiver totalmente ocupado. Isso dá 21m² por automóvel na melhor das hipóteses, e uns 30m² ou mais se pensarmos na ocupação média de um parque.
Quem pede mais estacionamento "grátis" às câmaras, está a pedir uma área que corresponde a meio apartamento, para o seu automóvel, pago pelos outros.

Image may contain: text
publicado por MC às 15:26
link do post | comentar | favorito

Os supermercados que cobram mais a quem não vem de carro

Muitos estabelecimentos comerciais com estacionamento optam por não cobrar aos clientes. É óbvio que o estacionamento tem enormes custos de funcionamento, e do espaço ocupado (seja comprado ou arrendado) especialmente quando falamos do centro das cidades onde o m² é bem caro. Estes custos são refletidos nos preços e no serviço para todos os clientes, quer venham de carro ou não.
Da próxima vez que forem a um supermercado ou centro comercial com estacionamento, lembram-se que estão a subsidiar o estacionamento dos outros.

Nota: Sim, há muitos casos que são as próprias câmaras que exigem, infelizmente, a existência destes estacionamentos. Mas isso não implica que o seu uso seja gratuito.
Além de ser uma situação injusta, trata-se de um incentivo perverso ao uso do automóvel, pago por quem não o usou. Haverá certamente clientes que optariam por outro meio de transporte, se o parque não fosse gratuito.

Image may contain: one or more people, meme and text
publicado por MC às 15:24
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Junho de 2017

Santos Populares vs Carros

Nos santos populares, um comerciante lamentava-se que tinha pago 380€ para poder ocupar 6m de rua durante 6 dias. Na zona em causa, os automóveis nem pagam estacionamento, mas se pagassem um residente pagaria 0,20€ e o não-residente 24€ por 5m durante os mesmos dias*.
Quando os automobilistas se queixam de terem de pagar para ocupar espaço público, esquecem-se que o automóvel tem um subsídio gigante face às outras ocupações.
E isto mostra-nos também que entre uma esplanada aberta a todos, num grande evento social das festas da cidade, e a ocupação da rua por uma caixa metálica vazia de uma só pessoa, a Câmara Municipal de Lisboa tem uma enorme preferência pela segunda.

*metade dos dias eram dias de semana.

 

publicado por MC às 10:54
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 6 de Janeiro de 2015

O estacionamento como função social do Estado

Acabei de publicar no nosso Facebook uma excelente notícia para Lisboa: o estacionamento por baixo do Príncipe Real não vai mesmo avançar. Mas continuando a ler a notícia, fico triste com o que aparece. Diz o texto que "ainda assim, para Carla Madeira [presidente da Junta de Freguesia], continua a existir a necessidade de estacionamento naquela zona, pelo que defende a construção de um outro parque", seguindo-se uma discussão das possíveis localizações.

Nem me refiro ao anacronismo de a maioria dos autarcas achar que é sempre preciso mais e mais estacionamento, mas algo pior e que abrange muito mais gente. Refiro-me à ideia, muito entranhada entre nós, que cabe às autarquias providenciar estacionamento. Reparem, há imensas pessoas sem casa, mas as autarquias tem um papel limitado na habitação. Há imensas pessoas desempregadas, mas as autarquias não estão a criar emprego. Há pessoas a passar fome, mas ninguém acha que a culpa é das câmaras e juntas.

Há tarefas que pela sua natureza têm de passar por uma entidade pública central, como licenciamentos, inspeções, iluminação, esgotos, limpeza urbana, etc. mas o estacionamento não é um desses casos. Não me refiro ao estacionamento na via pública, que obviamente tem de ser gerido por uma entidade pública, mas ao estacionamento construído de raiz, seja em subterrâneos ou silos, que é o que está em causa. Nada proíbe um privado de construir e operar um estacionamento, como aliás se comprova pela existência de alguns* na zona referida.

Não está em causa uma escolha política de esquerda vs. direita, de mais serviços providenciados pelo Estado vs. pelo mercado, mas um problema de prioridades sociais.  É assumido por todos que o emprego, a alimentação e a habitação são tarefas que podem ser entregues na sua quase totalidade ao mercado, mas cabe ao Estado garantir a "habitação para os automóveis".

 

* O facto de serem em número reduzido, prova que o estacionamento é subsidiado nas nossas cidades.

publicado por MC às 17:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 9 de Novembro de 2012

Eu subsidio o teu estacionamento

A empresa onde trabalha um amigo, deslocou-se do centro para a periferia em busca de rendas mais baixas. Poupa a empresa, gastam mais os trabalhadores para chegar até lá. Ora, se a empresa poupa e os trabalhadores gastam, a isto se chama baixar salários, infelizmente ninguém o vê assim.

Algo semelhante se passa com as empresas que têm estacionamento para os trabalhadores. Seja ele ao ar livre, ou numa garagem, o estacionamento acarreta sempre custos de renda e manutenção, custos que poderiam ser usados para outros fins, como aumentar salários. Como os salários não dependem de como se chega ao emprego, aqui ganham os que vão de carro, perdem os que não vão. A isto se chama um subsídio pago por uns trabalhadores para dar a outros.

O Estado da California reconheceu este absurdo, e criou uma lei chamada Parking Cash-Out Law. Este programa obrigou as empresas que pagavam o estacionamento aos seus funcionários, a oferecem igual compensação aos que não vinham de carro. As consequências foram drásticas: a partilha de carro subiu 62%, o uso de transportes públicos subiu 50%, os modos suaves (bicicleta+peões) subiram 33%. Ou seja, quando se tratou todos os trabalhadores como iguais, é que ficou visível o enorme incentivo e subsídio que existia dantes ao uso do automóvel.

Infelizmente o programa apenas envolveu as empresas sem estacionamento próprio, e que subsidiavam (em dinheiro tangível) o estacionamento a quem quisesse. Contudo, as empresas com estacionamento próprio também oferecem esse subsídio escondido, e deveríam ser obrigadas a não discriminar os trabalhadores. As consequências seria certamente semelhantes.

Onde trabalho, quem estacionar paga 1€ por dia com direito a segurança. O preço é tão ridículo que nem o salário dos seguranças deve pagar. O restos dos custos, são pagos por quem não estaciona como eu.

 

..................................................................................

A ler: o Reinventing Parking defende que as cidades devem terem a sua própria autoridade para controlarem o estacionamento, como a EMEL. E conta uma solução bem inteligente para o problema da fuga à multa na Malásia: a multa é colocada a cadeado à volta do retrosivor! É necessário ir até à polícia e pagar, para se remover a multa.

publicado por MC às 23:54
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 22 de Maio de 2012

O preço justo para o estacionamento II

Tenho insistido várias vezes que o estacionamento automóvel não deve ter um tratamento especial no que toca ao seu preço. Se o preço de um bem essencial como uma casa segue uma lógica de mercado - quanto mais desejadas for, mais cara é - porque haveremos de tratar o estacionamento de uma maneira mais favorável? Uma casa no centro da cidade é muito mais cara, apenas pela sua simples localização. O estacionamento não deve tornar as nossas praças, o nosso espaço público, em parques de estacionamento, mas deve ser restrito a garagens - tal como é proibir acampar ou construir casas no meio do Rossio - e seguir uma lógica de mercado.

Nova Iorque é dos melhores exemplos desta política, e uma notícia de ontem mostra bem como estamos a desbaratar o nosso precioso espaço público para estacionar caixas de lata: em Nova Iorque há um lugar de estacionamento à venda por um milhão de dólares!

 

..............................................................................

Link recomendado de hoje, um texto no Boinb Boing sobre o custo que o estacionamento grátis acarreta: Free Parking costs a Fortune.

publicado por MC às 17:42
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

subscrever feeds

autores

pesquisar

posts recentes

Será Lisboa a cidade mais...

Fernando Medina, olhe par...

E se todos quiséssemos lu...

Se o estacionamento não f...

Não, um carro estacionado...

Os supermercados que cobr...

Santos Populares vs Carro...

O estacionamento como fun...

Eu subsidio o teu estacio...

O preço justo para o esta...

tags

lisboa

ditadura do automóvel

ambiente

bicicleta

cidades

portugal

peões

estacionamento

sinistralidade

carro-dependência

transportes públicos

bicicultura

economia

espaço público

comboio

auto-estradas

automóvel

trânsito

energia

portagens

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2018

Agosto 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006