Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Menos Um Carro

Blog da Mobilidade Sustentável. Pelo ambiente, pelas cidades, pelas pessoas

Menos Um Carro

Blog da Mobilidade Sustentável. Pelo ambiente, pelas cidades, pelas pessoas

Comboio no Rossio... e Alcântara

MC, 20.02.08
(Desculpem mais um post exclusivamente sobre Lisboa)

Agora que reabriu o túnel do comboio até ao Rossio, que inclui a boa notícia do aumento da velocidade permitida, venho relembrar algo que se falou quando ele foi encerrado... mas que nunca foi para a frente: uma estação intermodal (comboio e metro no Rato). É que a linha de comboio passa por baixo da estação de Metro, mas em mais um exemplo da histórica separação das redes de transportes públicos em Lisboa, é impossível passar de uma linha para a outra. Bem sei, que seria caro, mas o anúncio quase semanal de novos "investimentos" no sistema rodoviário da Grande Lisboa de duvidosa eficiência, ridiculariza esse argumento.
Outro exemplo mais extraordinário é Alcântara Terra/Alcântara Mar. Extraordinário porque a infraestrutura até existe! E não me refiro à horrível passadeira de peões, que por exigir mais uma mudança e mais uma espera, e por ser longa e perigosa, nunca resultou. Existem carris à superfície a ligar as duas estações, poderiam ser criados comboios que viessem do centro de Lisboa (Oriente, Areeiro, Entrecampos, Sete Rios) e fossem até Alcântara e depois para a linha de Cascais (imaginem o sucesso e a utilidade que isto teria!), bastando para tal electrificar aquele quilómetro e criar um sistema de semáforos para os comboios à superfície.
Temos assim dois enormes buracos na rede ferroviária, que levam à ineficiência e ao desperdício dos meios existentes.


P.S. Só o facto de eu ter encontrado este gráfico com comboio E metro na página da CP (as "bolas" são minhas) é por si só uma excelente notícia. Lembrem-se das décadas em que ambos viveram totalmente de costas voltadas.

O serviço da CP é um valente excremento... e digo excremento porque...

MC, 17.09.07
Apesar de algum esforço recente a rede da CP continua a não funcionar em lógica de rede. Um exemplo deste absurdo - o pior julgava eu - é a separação da rede da CP em bocadinhos regionais estanques e sem interligação. Estar em Lisboa e perguntar na bilheteira por horários do Porto é inútil, apesar desta informação estar disponível online! Para se ir de comboio da Grande Lisboa para o Grande Porto, por exemplo de Sintra a Valongo, implica três idas à bilheteiras (se soubermos os horários), porque é impossível comprar um bilhete único e é impossível comprar um bilhete num serviço diferente.
Este fim-de-semana (ironicamente o início da Semana da Mobilidade) tentei em Cascais saber o horário da linha Alcântara-Oriente. E esta não é uma linha qualquer. É a única linha que se cruza com a linha de Cascais. Comecei por procurar os horários nas paredes da estação. Nada. Na bilheteira não sabiam os horários, e pior, nem sabiam se havia comboios naquela linha ao fim-de-semana! Eu que ligasse para um número (não-gratuito) que estava afixado na vitrina.
Com uma gestão destas, não admira que esta gentalha acumule milhões de prejuízo.

BiCas em Cascais

MC, 30.04.07

Afinal, e ao contrário do que julgava, o projecto BiCas de Cascais (bicicletas públicas) continua a funcionar em Cascais. Há três quiosques onde se pode pedir uma BiCa: em frente à estação de comboio, junto ao Forte de Cascais (foto) e na Guia.
Infelizmente a CM de Cascais não tem informação online. Ao contrário da maioria dos projectos de bicicletas públicas (como os de Barcelona e Bruxelas que recentemente referi) a bicicleta aqui serve meramente para turismo e não para transporte. Mas não deixa de ser um turismo amigo do ambiente, das pessoas e das cidades!