Quinta-feira, 18 de Abril de 2013

Para que serve um semáforo vermelho?

1. A sério, pensem um pouco, quais são os propósitos dos semáforos?

Eles servem para regular o trânsito (ora passam estes, ora passam aqueles, para que um cruzamento não fique entupido), e para garantir a segurança (quando está verde, sei que posso atravessar sem perigo). Os propósitos são claros e o seu cumprimento está bem definido na lei.

Pense-se então nestes dois propósitos, aplicados a uma bicicleta. Uma bicicleta a atravessar um vermelho. Um ciclista nunca atravessaria um vermelho numa situação em que atrapalhe o trânsito, porque se arriscaria a apanhar com um carro em cima. Um ciclista também nunca atravessaria o vermelho numa situação que coloque os outros em perigo, porque ele é o elemento mais fraco no trânsito, ele é que se colocaria em perigo.

2. Um estudo académico australiano, contabilizou o número de ciclistas que passam vermelhos em Melbourne. Ao contrário da ideia de um incumprimento generalizado, concluí-se que em apenas 7% das ocasiões o vermelho era desrespeitado. Não é preciso nenhum estudo académico para saber que o número de automobilistas a circular em excesso de velocidade (algo que coloca bem mais perigo aos outros) em qualquer cidade do mundo, é mais de 7%.

 

Não quero com isto dizer que os ciclistas devem passar o vermelho a torto e direito, nem que o incumprimento de uns justifica o dos outros. Estou apenas a querer pôr as coisas em contexto. Não percebo porque um comportamento tão insignificante levanta tanta discussão, se não for por um apego cego acrítico à letra da lei.

Deveríamos olhar para isto, como se pensa em quem fuma em casa. Faz sentido proibir o fumo em locais públicos fechados, porque o fumador afecta os outros - em casa ou na rua não. É isso que se faz na Holanda, tanto explicitamente (abrindo excepções explícitas para os ciclistas) ou implicitamente (com um enorme tolerância por parte das autoridades a este comportamento).

 

.................................................................................

E para ficarmos no paraíso das bicicletas, a sugestão de hoje é um catálogo de fotos e situações curiosas em Amesterdão.

publicado por MC às 22:56
link do post | favorito
De Pyros a 19 de Abril de 2013 às 11:03
"Um ciclista nunca atravessaria um vermelho numa situação em que atrapalhe o trânsito, porque se arriscaria a apanhar com um carro em cima. Um ciclista também nunca atravessaria o vermelho numa situação que coloque os outros em perigo, porque ele é o elemento mais fraco no trânsito, ele é que se colocaria em perigo."

Não sei se é para rir ou para chorar. Então, segundo esta mesma teoria da perfeição da avaliação do ciclista, um peão jamais seria atropelado sem ter culpa, por ser o elemento que se coloca em perigo. Ahahaha.

Infelizmente a experiência não bate com essa teoria. Muitos dos atropelamentos - que em muitos casos têm consequências graves - são da culpa objectiva dos peões. E não é por não serem o elo mais fraco.

Os semáforos existem para regular o trânsito exactamente para que quem utilize a estrada não tenha de avaliar se pode - ou não - avançar. Esta retirada de capacidade de decisão individual ajuda a que haja menos erros. Se as pessoas - peões, automobilistas e ciclistas cumprirem terão menos acidentes.

Ou subitamente os ciclistas são uma espécie de seres perfeitos que não cometem erros de avaliação? É que mais ninguém é...

Não obstante o acima, existem situações em que virar à direita num sinal vermelho poderia ser permitido - quer para bicicletas, quer para automóveis, tal como o é nos EUA. Mas para tal suceder primeiro teria de haver uma significativa alteração na sinalética nacional, nomeadamente impedindo essa manobra em sítios em que tal não seja adequado.
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

subscrever feeds

autores

pesquisar

posts recentes

CML acha que é sua função...

As portagens não chegam a...

Agora é Pontevedra a most...

Portugueses, o segundo po...

Será Lisboa a cidade mais...

EMEL manda os automobilis...

Fernando Medina, olhe par...

Super-quarteirões em Barc...

A revolução anti-automóve...

A ineficência do automóve...

tags

lisboa

ditadura do automóvel

ambiente

bicicleta

cidades

portugal

peões

estacionamento

sinistralidade

carro-dependência

transportes públicos

bicicultura

economia

espaço público

comboio

auto-estradas

automóvel

trânsito

energia

portagens

todas as tags

links

arquivos

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006