Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Menos Um Carro

Blog da Mobilidade Sustentável. Pelo ambiente, pelas cidades, pelas pessoas

Menos Um Carro

Blog da Mobilidade Sustentável. Pelo ambiente, pelas cidades, pelas pessoas

Fim da aberração na Universidade de Lisboa

TMC, 08.10.11

O estacionamento gratuito na Alameda da Cidade Universitária acabou. A EMEL vai passar a geri-lo. Para lidar com tamnha perda, a empresa vai promover uma campanha de sensibilização dos condutores. Num comunicado, a UL anuncia:

 

Já a partir de dia 10 de Outubro, os 485 lugares de estacionamento na via pública da zona da Cidade Universitária vão passar a ser geridos pela EMEL, como resposta à necessidade sentida de melhor ordenar o estacionamento e mobilidade nesta zona central da cidade.
 
A partir de Novembro a EMEL vai, ainda, gerir um parque de estacionamento na zona da Cidade Universitária com 600 lugares, intervindo para  a melhoria e modernização da gestão deste parque.
 
Com o estacionamento mais ordenado na Cidade Universitária conseguimos contribuir para o arranjo e ordenamento do Campus, sendo esta, uma das medidas que consta do Plano Estratégico da Universidade de Lisboa 2009/2013.

 

Já neste texto abordei esta problemática: os campus universitários, face à enorme afluência dos seus funcionários, docentes e alunos geram quantidades significativas de tráfego automóvel, pelo que este deve ser evitado; a política de gestão do estacionamento destes campi deve fazer com que o acesso ao campus seja feito através de transportes públicos ou de bicicleta, já que estes se concentram no miolo da cidade, estando por isso servidos de bons acessos.

 

Na altura, e com o auxílio de mais interessados, criámos também um blogue com as críticas ao estacionamento no campus do IST e uma sugestão (da autoria de Tiago Veras) daquilo em que se poderia tornar uma morada mais agradável e mais humanizada caso não fosse concedido acesso quase gratuito aos automóveis; no minímo, defendia-se, igualar as tarifas dentro do campus com aquelas do exterior, evitando que o IST fosse um autêntico paraíso do estacionamento mesmo no centro da cidade.

 

Coincidência ou não, também ontem a UL, noutro comunicado, anunciou que tinha logrado angariar votos suficientes para o seu projecto 172 do Orçamento Participativo da CML; o objectivo é a requalificação da própria Alameda da Cidade Universitária. Parece-me óbvio que este objectivo de requalificação está relacionado com o fim do estacionamento gratuito.

 

Este blogue fez sugestões neste sentido há quase dois anos. Dois dos autores da proposta de requalificaçaõ do IST nem tinham acabado a sua licenciatura. E outros especialistas já terão feito propostas neste sentido há mais tempo. Qual é a surpresa?

 

 

 

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    jp55m 11.10.2011

    Boas,


    Acho que sim, que se deve rebentar já com a Emel para também eu poder começar a ir trabalhar de pópó </a>.

    Agora a sério:

    Para esse tipo de distâncias diárias 20Km ) a melhor alternativa é, de longe, a bicicleta. Caso o rácio preguiça/coragem não o possibilite, e face à eventual inexistência de transportes públicos em condições, consideraria ou uma bicicleta eléctrica, ou uma scooter 125 (prática, económica e não é um estorvo social da dimensão do pópó </a>

    Claro que há toda uma mentalidade a mudar. Com medo que os bandidos roubem a tralha, medo da chuva (em Lisboa!) e joelhos negros dos autocarros, pode ser difícil.


    Nota: Opinião baseada em 20 anos de deslocações diárias entre Cascais e Lisboa, pela seguinte ordem:

    Primeiros 2 anos de pópó </a>Recém-encartado, parece rápido e confortável (não é nem uma coisa nem outra) e a mentalidade do fim da adolescência não se coadunava com questões sociais nem ambientais.

    Depois, de mota durante 15 anos. É prático, mas actualmente com 38 anos já começa a faltar a paciência para aturar as imbecilidades dos condutores de automóveis.

    Actualmente, desde há 4 anos, de comboio e bicicleta 25Km /dia).
  • Sem imagem de perfil

    AlunoUL 11.10.2011

    Até que enfim uma critica com alguma coisa de construtivo para se responder (já o anónimo lá em cima só tem tentativas falhadas de ofensas à minha pessoa).

    Pois quanto à bicicleta, eu teria o maior gosto de usar, porque não só gosto de andar de bicicleta como de fazer desporto. Mas como não vivo numa cidade Holandesa mas sim em Lisboa (cidade das 7 colinas), a bicicleta torna-se num meio de transporte que me obrigava a tomar banho assim que chegasse à faculdade. Impossível dada a ausência de um balneário com chuveiros por se tratar de uma faculdade e não de um ginásio.

    De mota não posso andar porque quem dita as regras do tecto onde vivo não me permite andar em veículos com menos de 4 rodas.

    Eu tenho um colega que mora actualmente em Cascais e estuda já há 5 anos na Cidade Universitária. Ainda está a tirar a licenciatura pois demorava tanto quanto eu (nas horas de ponta) a deslocar-se de comboio+metro. Ele disse-me exactamente o mesmo acerca de ir de carro e eu acredito. Mas eu mais uma vez não uso o percurso que quem mora em Cascais usa e por isso estou bem mais cedo na faculdade. Este meu colega é famoso na minha faculdade pelo número reduzido de vezes que lá aparece. Trata-se de um caso de "redução de propinas" dada a assiduidade às aulas. (piadas do pessoal)

    As imbecilidades dos condutores é algo que também a mim me irrita. Mas prefiro aturar essas imbecilidades do que o cheiro de alguns utentes dos transportes públicos que sabe-se lá porquê são cada vez mais a "esquecerem-se" de tomar banho.

    Acerca dos "bandidos" é fácil. Uma magnum de alto calibre resolve. Esqueci-me é que não é legal andar armado e eu não sou muito de cometer ilegalidades. Colegas a ficarem sem portáteis é o pão nosso de cada dia. E smarphones então… Mas isso são coisas que me devem andar a pôr na cabeça! Alguma vez há "bandidos" a assaltar sem vergonha à frente de toda a gente e ninguém faz nada? Devo andar a drogar-me ou então a ouvir testemunhos reais! (uma pista: a segunda está certa)

    Posso só ter 22anos mas parecendo que não já aprendi muito (se calhar demais) acerca dos perigos das mentes mal intencionadas que circulam por aí inclusive nos TP sem pagar!
    Com esta crise já nem em casa estamos seguros porque um dia esses "bandidos" viram hienas ou lobos e daqueles com fome!

    Portugal dos pequeninos não dá para os maiorzinhos.
  • Sem imagem de perfil

    T 12.10.2011

    Alguém o está a proibir de ir de carro? Alguém o está a obrigar a ir de transportes públicos ou de outra forma qualquer?

    Não estou a perceber o porquê de vir para aqui com lamechices. Se está a utilizar um serviço é mais que óbvio que tem de pagar por ele.
  • Sem imagem de perfil

    AlunoUL 12.10.2011

    Alguém me está a proibir de ir de carro? Não.
    Alguém me está a obrigar a ir de transportes públicos ou de outra forma qualquer? Não.

    O problema é que as pessoas ficam demasiado exaltadas quando alguém prova que os transportes públicos em Lisboa com excepção do metro, são inúteis.
    Mas parece que também a sua pessoa ficou exaltada ao ponto de achar lamechices uma crítica aos autocarros da carris pelos defeitos acima descritos por mim.

    Estou a utilizar um serviço que tinha encargos monetários idênticos aos encargos dos outros serviços e me poupava imenso tempo. Agora adicionaram mais um encargo que a meu ver não é justo pela localização em questão e vem aqui a sua pessoa chamar-lhe "lamechices". Ri-me.

    Espero que tenha entendido a diferença entre lamechices e crítica à carris.

    Obrigado
  • Sem imagem de perfil

    T 12.10.2011

    Só há uma pessoa exaltada aqui, você. Só isso explica que leia nos comentários dos outros coisas que não estão lá e que use essas mesmas coisas como argumentos para a discussão. Não há no meu comentário qualquer referência às suas criticas à Carris ou a outra qualquer empresa de transportes.

    Se ninguém o está a proibir de ir de carro, nem a obrigar a ir de transportes públicos ou de outra forma qualquer significa que a opção de transporte é inteiramente sua. Porque é que devem ser terceiros a sustentar as suas decisões pessoais de mobilidade?
    Porque é que a UL deve disponibilizar terrenos do seu campus para acomodar as pessoas que se deslocam para lá de automóvel privado? A meu ver isto até é uma discriminação porque quem não se desloca para a UL de carro não paga menos propina por isso.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.