Terça-feira, 23 de Outubro de 2012

Fietsstraten

Fietsstraat é, traduzido à letra, uma rua de bicicletas. O conceito é mais uma das engenhosas soluções anti-automóvel que os engenheiros de transportes holandeses têm brindado o mundo, que podem ser resumidas no seguinte sinal:

(carros como convidados)

 

Sendo que as nossas cidades são planeadas para o automóvel, por muito que se tente contrariar esta tendência, a verdade é que mesmo nas Holandas, Alemanhas e Dinamarcas, as ruas são do carro e as bicicletas são toleradas. A ideia fundamental das fietsstraten é dar a volta a isto, é ter uma rua desenhada para bicicletas, onde a circulação de carros é tolerada:

As diferenças são claras: tanto o material como a cor do piso é o de uma ciclovia (o efeito psicológico da cor é importante, por colocar o automobilista fora do contexto habitual); as faixas são extremamente estreitas, impedindo velocidades mais altas; os passeios são mais largos; as bermas têm o piso de uma rua para automóveis (e não o contrário). Mais fotos aqui.
A Fietsberaad (a irmã mais velha holandesa da nossa MUBi) noticia ainda que a cidade de Zwolle é a primeira com um plano a nível municipal para a criação de uma rede de fiestraten.
Na Holanda tive a oportunidade de circular em algumas, e os benefícios são claros: os automobilistas não se sentem senhores da estrada, não havendo aquela impaciência de chegar 3 segundos antes ao semáforo, que tantas vezes causa conflito nas ruas urbanas.
....................................................................
A página recomendada de hoje não precisa de explicações: Hartos del coche!
publicado por MC às 15:31
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 23 de Agosto de 2012

Silva Rodrigues, uma visão pró mobilidade sustentável à frente dos transportes de Lisboa

Há muitas coisas que aconteceram na Carris nos últimos anos, das quais eu discordo frontalmente. A cobertura foi drasticamente reduzida (sob o eufemismo dos "reajustamentos locais" e "modernização da rede") sem que os recursos libertados tenham sido usados para aumentar a frequência das carreiras que se mantiveram; foram gastos recursos em projectos que, apesar de válidos, só fariam sentido se o serviço de base fosse aceitável, e que assim acabam por ser luxos como o mob CarSharing, a wi-fi nos autocarros, etc.; este blog foi vergonhosamente plagiado pelo Menos Um Carro, a Cópia (com o qual não temos qualquer ligação); etc. Contudo há que reconhecer que houve uma boa gestão da empresa, e que esta está hoje bem mais virada para os clientes do que há uns anos. Um bom exemplo é o serviço de SMS/e-mails que indicam em tempo real, o tempo de espera dos autocarros.

O presidente da Carris, Silva Rodrigues, é alguém que partilha a nossa visão sobre a mobilidade urbana: o automóvel tem de ser discriminado negativamente, e sem isso nem vale a pena falar em melhorias dos transportes públicos. É por isso que a sua nomeação para dirigir a nova empresa de transportes públicos de Lisboa (Carris e Metro vão finalmente ser fundidas, e bem) é uma boa notícia.

Recordo aqui algumas declarações de Silva Rodrigues:

 

"O congestionamento automóvel permanente penaliza gravemente a qualidade de vida e a competitividade da cidade"

 

A autarquia da capital, que "tem de assegurar transportes colectivos de qualidade" e deixar de planear a cidade para o automóvel.

 

Limitar, tornar mais caro e sobretudo fiscalizar o estacionamento são as medidas que a câmara deveria tomar (...) "O estacionamento não pode continuar a ser feito da forma que o fazemos em Lisboa, sem regras claras e sem uma política rigorosa" (...) "Aumentar o espaço de estacionamento na cidade é andar ao contrário do que deve ser feito. É relativamente fácil gerir esta variável e, se na AML não a gerimos adequadamente, então na cidade não a gerimos de todo: é só ver as segundas filas, os passeios cheios de carros, a falta de fiscalização e o sentimento de impunidade generalizado dos cidadãos"

 

"Dizem que querem uma cidade descongestionada e depois anunciam novos parques no centro da cidade. Qual a coerência deste modelo?"

 

Faixas BUS: "Se estiver parado nos sinais e vir os autocarros a avançar, se calhar até penso mudar de meio de transporte"

 

"A nossa frota anda uma média de 14,5 quilómetros por hora. Se nos deixassem andar a mais um quilómetro pouparíamos cinco milhões de euros por ano."

 

...........................................................................

A recomendação de hoje tem a ver com transportes públicos e bicicletas, como é que a Holanda os conjuga:

(obrigado Dário)

publicado por MC às 15:38
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Segunda-feira, 9 de Janeiro de 2012

Barreiras humanas a uma Lisboa ciclável I

Quem não tem experiência costuma apontar o relevo de Lisboa como "A" grande barreira a vencer para torná-la numa cidade onde a bicicleta seja dos principais meios de transporte. Mas quem tem uma longa experiência a circular cá e em cidades cheias de bicicletas, sabe bem que o relevo é apenas uma entre várias diferenças que separam Lisboa de Amesterdão. Se um génio da lâmpada me desse a escolher entre acabar com o problema do relevo, ou acabar com as barreiras que nós criámos na cidade, eu não teria dúvidas em escolher a segunda.

 

Uma barreira humana, decorrente da ditadura do automóvel sobre o nosso espaço urbano, é o excesso de semáforos. Só quem não conhece outras realidades é que não se apercebe do tempo excessivo que se perde a olhar para um semáforo vermelho em Lisboa, o que é responsável por um parte substancial do tempo de viagem. Isto é especialmente incómodo para o esforço dos ciclistas, que têm constantemente de perder e voltar a ganhar momento.

Em cidades como Amesterdão (mas não tanto em Copenhaga) há um enorme desincentivo ao automóvel, e como não são necessários semáforos para gerir cruzamentos de peões, bicicletas e transportes públicos, há muito menos semáforos. Além disso há canais próprias para circulação de bicicletas. Ou seja há percursos pensados para permitir uma circulação quase contínua das bicicletas, seja fazendo ciclovias ao longo de linhas de comboio e auto-estradas (vias com poucos cruzamentos), seja colocando as bicicletas em ruas exclusivamente para elas - ou compartilhadas com transportes públicos - e com prioridade nos cruzamentos, seja criando as "auto-estradas" de bicicletas (que tanto sucesso têm tido em Londres) onde a sequência de verdes está feita para quem circula a 20km/h e não a 50, etc.

Abaixo, a velocidade que eu fiz em quatro percursos urbanos em Portugal e na Holanda. À esquerda há constantemente acelarações e travagens e tempos mortos. Esquecendo os declives, não é difícil perceber em quais deles é que eu despendi mais tempo e energia por km percorrido.

 

 

............................................................

Bem a propósito, o leitor P.M. sugeriu-nos este excelente vídeo (do também excelente blog A View from the Cycle Path) sobre o aparecimento das estruturas cicláveis na Holanda:

publicado por MC às 10:35
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 29 de Dezembro de 2009

Uma rua menos central na Holanda

Vídeo de um minuto apenas com vários exemplos de acalmia de tráfego e afins.

(O YouTube não gosta de acentos)

 


Bem a propósito, o bananalogic tem um vídeo do centro de uma cidade holandesa, de onde foram retirados os automóveis nas últimas décadas.

publicado por MC às 04:05
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 16 de Novembro de 2009

Holanda introduz imposto de circulação ao km

Depois da França ter introduzido um imposto sobre as emissões de carbono, temos mais um país a ir na direcção do aumento da taxação do uso do automóvel. A Holanda vai acabar com os impostos fixos (sobre a compra do automóvel e o  imposto anual de circulação) e cobrar 6,70€ por cada 100km percorridos. Em vez de se penalizar quem tem um automóvel, passa-se a penalizar quem o usa mais. Para ter uma ideia, um carro que gaste 6l/100km de gasolina além dos 7€ que pagará de combustível por cada 100km, pagará mais 6,70€ de imposto. Quase o dobro. Um carro que gaste 12l/100km apenas passa dos 14€ para os 20,70€.

Em comparação com a solução francesa, este imposto tem a vantagem de reconhecer que os custos que o automóvel causam à sociedade (externalidades) não advêm apenas do consumo de combustível (custos ambientais) mas do uso do carro independentemente de ser muito ou pouco eficiente. Por outras palavras, um carro alimentado a energia solar e um carro que gasta 20l/100km causam exactamente o mesmo nível de problemas em termos de congestionamento, sinistralidade, necessidade de infra-estruturas, ocupação do espaço urbano, etc. e a Holanda passa a penalizar o dono do carro solar por isso. Aliás, o principal objectivo do governo Holandẽs não é a melhoria ambiental, mas a resolução do enorme problema de congestionamento que acontece em todas as auto-estradas do país.

A terrível desvantagem do sistema holandês: cada carro vai ser equipado com um GPS que contabilizará as deslocações! Obviamente que este Big Brother já está a levantar protestos. É caso para dizer, uma boa ideia mas muito mal executada. Exactamente a mesma ideia, mas sem os contornos pidescos pode ser alcançado através de um método muito simples: portagens! Pois é, os países do Sul da Europa há muito que cobram ao km... infelizmente só em algumas AEs.

 


N' O Canhoto, a diferença entre Portugal e Espanha em termos de investimentos ferroviários.

publicado por MC às 19:00
link do post | comentar | ver comentários (36) | favorito
Sábado, 7 de Março de 2009

Zona Comercial de Sucesso sem acesso para Automóveis.

Aqui está 1 minuto para mostrar como existem zonas comerciais de sucesso no centro de cidades onde a circulação automóvel é fortemente restringida.

 

Voltamos a Groningen, para um vídeo de 1 minuto que ilustra bem a segurança e qualidade de vida que é possível ter em espaços centrais da cidade e a céu aberto (não é preciso grandes centro comerciais).

 

 

 

Repare que apesar de existir uma passadeira desenhada e sinalizada poucos se sentem obrigados a respeitar. Pessoas, bicicletas, peões em moletas, ciclistas transportanto bébés, pequenas motos e até um taxi no final do video, partilham um espaço em segurança.

 

De referir ainda o sistema de silos e parques automóveis da cidade, aqui disponível em inglês. Os dois silos automóveis juntos a esta parte comercial da cidade, apenas têm 500 lugares (200+300) e o seu preço é 1,60€ por cada 50 minutos e o parque à superfície em lugares nas ruas é 1,70€ por hora.

 

Parques mais baratos existem fora da cidade com a possibilidade de usar transportes públicos para chegar ao centro.

 

 

publicado por António C. às 17:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 3 de Novembro de 2008

Quem atrapalha o trânsito são os carros! II

Mais três exemplos de como os carros são os causadores dos conflitos na ocupação do espaço urbano, que leva a semáforos, regras, conflitos, sinistralidade, sinais, congestionamentos, etc.

 

1. Peões & Transportes Públicos

 

 

Não são necessários semáforos e regras, bom senso e atenção são suficientes para a convivência.

 

2. Peões & Bicicletas vs Peões & Carros

 

 

Apesar de ser um cruzamento com igual número de carros, peões e bicicletas, reparem que não há nenhuma linha - muito menos semáforos - no local onde os peões e as bicicletas se cruzam... o mesmo já não se pode dizer dos carros. Aliás, alguém já alguma vez viu um semáforo a regular um cruzamento de bicicletas com peões?

 

3. Carros & bicicletas

 

 

Rua de sentido único para automóveis, MAS de duplo sentido para bicicletas (e para peões, já agora!). Este caso é muito comum nos países onde a bicicleta é vista como um transporte. E percebe-se porquê, a bicicleta por ocupar muito menos espaço não atrapalha se for em sentido contrário. Um carro em sentido contrário provavelmente nem caberia (e por lá não se reduzem passeios).

 

Quem atrapalha o trânsito são os carros! I


Histórias de Lisboa por outros blogues.

Um carro-dependente que se queixa da EMEL rebocar carros estacionados em cima do passeio, quando "não existe nenhum sinal de proibição de estacionar"!! - "Oh seu guarda, não sabia que era proibido roubar, não havia nenhum cartaz a avisar na loja!"

A vergonhosa condescendência da polícia lisboeta para com o estacionamento ilegal.

Um post que eu queria escrever, mas que alguém escreveu por mim: o egoísmo de quem não se dá ao trabalho de deslocar alguns metros a sua carripana, prejudicando assim imensas pessoas.

A praça mais monumental do país transformada em parque de estacionamento.

publicado por MC às 22:54
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Segunda-feira, 28 de Abril de 2008

Portuguesa acabada de chegar da Holanda

Uma familiar acabada de chegar da Holanda, dizia que por lá "as bicicletas contam mais que a pessoas".
Para lá do equívoco entre a falta de habituação a cidades com 3 - em vez de 2 - modos de transportes independentes (problema este que numa ou duas semanas passa, como qualquer um que já tenha passado por essa experiência sabe) por um lado, e as prioridades no espaço urbano holandês por outro, esta afirmação mostra como as mentes no Sul da Europa estão tão formatadas em termos da prioridade do carro no espaço urbano.
Não reparou que as ruas não estão empilhadas de estacionamento à superfícies, não reparou que as praças são mesmo praças com esplanadas e jardins em vez de estacionamentos, não reparou que o trânsito é obrigado a circular a velocidades muito menores (especialmente nas zonas residenciais), não reparou que há muito mais ruas pedonais, não reparou que não há um ruído de motores e buzinas constante, não notou que os bairros não são rasgados ao meio por vias-rápidas , não reparou que os peões não são encostados num cantinho e forçados a dar voltas gigantescas e a esperar e desesperar só para ir ali ao fundo, não reparou que os peões não estão à beira de um ataque de ansiedade quando atravessam uma rua, etc...
... apenas reparou no que resta para lá do alcatrão, porque aceita o espaço ocupado pelo alcatrão como um inquestionável direito do deus automóvel. E ao fazer isso, nem reparou que as sobras por lá são bem maiores que as de cá.

Como exemplo referia uma rua onde a ciclovia quase que ocupava o passeio inteiro, sem se aperceber que no centro de Lisboa há avenidas sem passeio. E entre andar a pé numa ciclovia ou no alcatrão, acho que não há dúvidas sobre o mais agradáve
l.



Post recomendado: biocombustíveis e dirty cars no BioTerra
publicado por MC às 11:32
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008

Parquímetros de borla


Parquímetro no centro de Amesterdão

Em Amesterdão o parquímetro custa 4,80€ por hora, em Lisboa 0,75€ nas zonas mais caras.Tendo em conta o PIB per capita da duas regiões, isto equivaleria a 2,60€ em Lisboa. DOIS EUROS E SESSENTA! Já para não falar da baixíssima probabilidade de se ser multado e da baixíssima multa que acontece em Lisboa.
Isto sim é um verdadeiro incentivo ao transporte público. Sem desentupir as ruas de congestionamento, estacionamento abusivo e mesmo estacionamento regular à superfície, dificilmente pode haver uma boa rede de transportes públicos.

P.S. No Courrier Internacional deste mês ficamos a saber que em Seelow, Alemanha, as autoridades esvaziam os pneus aos automóveis com multas atrasadas. E em Frankfurt, nos casos mais extremos, os carros são leiloados. Por cá, o popó é intocável em todas as situações.
publicado por MC às 18:06
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 12 de Novembro de 2007

Culpa dos peões II

Exemplos de como estamos nos antípodas do que é feito na Europa do Norte em termos de protecção dos peões:

- Na Holanda a lei parte sempre do princípio que a culpa é do automobilista e não do peão ou da bicicleta.
- Na Alemanha os automóveis são obrigados a reduzir para 30km/h quando próximos de um autocarro a deixar passageiros.
publicado por MC às 14:23
link do post | comentar | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Fietsstraten

Silva Rodrigues, uma visã...

Barreiras humanas a uma L...

Uma rua menos central na ...

Holanda introduz imposto ...

Zona Comercial de Sucesso...

Quem atrapalha o trânsito...

Portuguesa acabada de che...

Parquímetros de borla

Culpa dos peões II

tags

lisboa(223)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(103)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006