Terça-feira, 15 de Julho de 2014

O lado "verde" do apoio ao abate de carros explicado às crianças

O governo parece querer repescar o triste programa de apoio ao abate de carros antigos (mais de 10 anos), para incentivar a comprar de carros ditos "mais verdes". Como é que este programa funciona?

 

Decides vender o teu carro para passares a andar a pé? O Estado não te ajuda.

Decides vender o teu carro para passares a usar os transprotes públicos? O Estado não te ajuda.

Decides vender o teu carro para passares a andar de bicicleta? O Estado não te ajuda.

Decides vender o teu carro para continuares a andar de carro? O Estado paga-te 3500€ (o que pagaria 3000 viagens de autocarro na cidade, ou 20 bicicletas) se quiseres um popó eléctrico, 2500€ para um popó híbrido, 1000€ para um popó com emissões de CO2 ligeiramente abaixo da média.

 

Relembro que em Bruxelas quem abate o seu automóvel recebe passes de transportes públicos durante 2 anos ou bicicletas.

publicado por MC às 15:44
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010

O sector automóvel está mal habituado

Apesar das últimas notícias falarem num aumento de 17,8% no programa de troca de veículos (alguém conhece outro bem de consumo onde o estado ajude a pagar por um novo?), o sector está chateado.

O governo vai alterar a fiscalidade automóvel para acabar com a dupla tributação, acabando com um imposto mas subindo outro na mesma proporção de modo a compensar (o próprio ACP diz que fica igual). O sector está chateado porque o governo não aproveitou a ocasião para baixar os impostos do sector e agora diz que "isso vai impedir a recuperação do sector".  Mais uma vez, qual será o sector que não recuperaria se lhe cortassem impostos?

 

Adenda: a capa de hoje do DN diz em grande que o "orçamento agrava impostos sobre a compra de carros". Quando se lê o artigo, fica-se a saber que o tal aumento do ISV é de uns incríveis 1,7%, e isto nem são valores oficiais, mas de cálculos do sector automóvel. O lóbi não está só mal habituado como sabe fazer manchetes quando lhe dá jeito.

Segundo o Público, o aumento do ISV dá-se apenas nos dois piores escalões ambientais. Há ainda os incentivos fiscais para comprar carros eléctricos - aqueles incentivos que não se aplicam a veículos realmente ecológicos, como a bicicleta.


O NYTimes tem um artigo sobre Vauban, um bairro quase sem carros na Alemanha, sobre o qual o A Nossa Terrinha também já falou.

publicado por MC às 19:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 18 de Setembro de 2009

Apoios ao Carpooling (partilha do mesmo carro)

Pressionado há 10 anos pela UE devido aos elevadíssimos graus de poluição dentro das cidades portuguesas, foram finalmente publidados os planos de melhoria de qualidade do ar para Lisboa e Porto. Apesar de apenas 20% da poluição não vir do sector dos transportes, muitas das medidas não vão para os transportes mas para a indústria e habitação. Fala-se ainda em faixas bus, ciclovias, etc.mas aquilo que a imprensa mais destacou foi a criação de faixas específicas para carros com mais de 2 ou mais de 3 ocupantes nas entradas da cidade (a decisão está por tomar mas espero que não se caia no ridículo de considerar um carro com 2 ocupantes como um carro bastante ocupado!).

Acho que esta medida é positiva por ser um incentivo à diminuição do número de automóveis. Os impactes ambientais e mais importante ainda os não-ambientais do automóvel são obviamente menores se em vez de 1,4 pessoas por carro houver 3 por carro. Não chegará ao nível de um autocarro, mas já é algo.

Têm sido sugeridos com alguma insistência incentivos financeiros (além deste incentivo "espacial") para o carpooling em alguns comentários do blogue, pela própria Quercus, por essa blogoesfera fora e não só, nomeadamente ao nível de portagens actuais e nas futuras possíveis portagens urbanas. Quanto a isto... (vem aí sarcasmo) eu acho que deveria haver um incentivo proporcional ao número de pessoas no carro. Com duas pessoas, a portagem seria metade, com 3 um terço, com 4 um quarto, etc. Mas, isto já acontece! Quando a portagem é 5€ uma pessoa isolada num carro paga 5€, mas uma pessoa num carro cheio paga 1€. Quando um dos principais problemas nos transportes é o desfasamento entre o custo pago pelo automobilista e o custo real para a sociedade do uso do automóvel, não percebo como se pode sugerir que este desfasamento seja ainda maior do que já é.

 


E porque há algum tempo que não roubava fotos ao Passeio Livre, aqui ficam duas da Rua Brancaamp, bem no centro de Lisboa. Como é possível que isto seja aceite numa sociedade?

publicado por MC às 19:06
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Quinta-feira, 20 de Agosto de 2009

Ainda mais subsídios para os popós? Tirem-me deste filme

Queres andar a pé. Anda.

Queres andar de bicicleta? Compra e anda.

Queres andar de transportes públicos? O Estado paga uns euritos ao mês do teu passe e vais com sorte.

Queres andar de popó? Depois de descontos no IRS, ISP, 100% de desconto no IAutomóvel e IÚnico de Circulação, apoio à sua produção, incentivos extra no abatimento do carro anterior e IRC, o governo vai dar 5000€ a quem comprar um popó eléctrico! Eu e todos os outros que apenas usam as três primeiras opções, vão estar a oferecer uma batolada de dinheiro ao pessoal para andar de popó.

 

Que mentalidade saloia. Apoiar uma solução de mobilidade que poucas vantagens traz quando as soluções que já provaram resultados por essa Europa fora são abandonadas.

 


A ler: 101 atropelamentos nas passadeiras em Lisboa em apenas 4 meses no Observatório da Baixa. Será que a culpa é dos peões? Será que se fossem popós eléctricos não haveria atropelamentos?

publicado por MC às 16:23
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
Terça-feira, 5 de Maio de 2009

Momento de humor "greenwashesco"

A propósito da visita do primeiro ministro às obras dos IC16 e IC30 (mais duas auto-estradas para a região de Lisboa), temos umas declarações no mínimo engraçadas.

 

1. A propósito das críticas à construção de mais auto-estradas numa região que já é campeã em densidade de auto-estradas a nível europeu (e campeã a muitos pontos da segunda), o primeiro-ministro disse que as obras "nada têm de megalómano ou de faraónico".

 

2. DN: Segundo o Governo, a A16 vai permitir "a redução de emissões poluentes..."

 

3. A "Comissão para a Mobilidade Sustentável no Concelho de Sintra" (aquela que muda de nome conforme o vento, e cujos membros são todos do mesmo partido), diz "quanto mais rápido [acabarem a construção das auto-estradas] melhor". Queixa-se contudo das portagens, porque assim vai continuar a ser impossível andar na bisga na auto-estrada paralela, o IC19.

 

Não sei qual a mais parva. Triste ainda é ver os milhões que estão a ser enterrados ali.


A propósito de greenwash: um estudo técnico alemão torce o nariz aos benefícios ambientais dos carros eléctricos. (resumos em alemão e inglês, via)

publicado por MC às 20:06
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Sexta-feira, 17 de Abril de 2009

A indústria automóvel não brinca em serviço II

1. O governo aumentou ontem a contribuição que todos nós oferecemos a quem já esteja farto do seu popó antigo e queira comprar um novo. Agora pode chegar ao 1800€.

Como já escrevi, defender isto sob o manto da protecção ambiental é gozar com a inteligência das pessoas. Notei agora mais duas incoerências: se a ideia é promover a compra de veículos menos poluidores (o que deveria ser feito por penalização dos mais poluidores, não por descontos pagos por todos) porque é que quem compra um carro pela primeira vez não tem direito a este benefício? Se a ideia é reduzir o consumo de combustível, porque é que o mesmo benefício não é dado à compra de carros em segunda mãos menos poluidores, mas apenas aos novos?

Veja-se isto por onde se veja, este programa do governo (que é coordenado pela UE mas decidido a nível local) é pura e simplesmente um  enorme e inexplicável subsídio à indústria e ao comércio automóvel.

Sinceramente estou farto do meu portátil (isso sim, um instrumento de trabalho) e sinto-me discriminado pelo Estado não me ajudar a comprar um novo. Alguém percebe isto?

 

2. Há dias um representante do sector do comércio dizia que o sector estava mal porque não havia incentivos ao consumo! Mas haverá algum sector que não estivesse melhor se houvessem "incentivos ao consumo"?! Isto só prova que estão habituados a ter um tratamento especial.

 

3. Como antecipei na primeira posta, e já referi numa nota, a crise no sector automóvel já vinha de trás. A actual crise económica serviu apenas para atirar areia para os olhos das pessoas, quando se canalizam verbas públicas na Europa e EUA para a indústria automóvel.

 

4. A compra de automóveis segue um padrão de aquilo que em economia se chama  procura elástica. Ao contrário da comida, onde o consumo é mais ou menos estável em bons e maus períodos económicos, as compras de automóveis variam muito com a conjuntura.

Isto é um fenómeno que a humanidade conhece há milénios. Os celeiros existem para armazenar cereais, já que a sua colheita varia muito de ano para ano. O mesmo se pode dizer de muitos sectores económicos que aprenderam a viver com essa flutuação (turismo, artigos de luxo, etc.). Muitos mas não todos, o sector automóvel, que também sabia que a coisa viria abaixo, é neste momento o único a contar com um celeiro chamado dinheiro dos contribuintes. 

 


A ler: Mania das grandezas por José Saramago. Acho as conclusões do artigo a que ele se refere um bocado parvas (porquê 9 e não 5 ou 20?), mas isso não é o essencial.

publicado por MC às 17:16
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 31 de Março de 2009

Portugal, o país do alcatrão... a ver os comboios passarem

Contra todos os discursos ambientais bonitos, contra a eficiência energética, contra a eficiência de mobilidade, contra a tendência mundial, Portugal investiu o ano passado 18 vezes mais em rodovia do que em ferrovia, noticia hoje o Público.

A parte mais divertida da notícia é quando nos apercebemos que parte do ridículo investimento em ferrovia é na realidade para passagens de nível! Ou seja para facilitar a rodovia e não a ferrovia. Só a própria ideia de serem os carris desviarem-se do alcatrão - e não o contrário - já é em si, ridícula. Mas é à REFER e não às Estradas de Portugal que cabe essa tarefa.

 

(O destaque do Público contem ainda um pequeno comentário sobre o facto da ferrovia ser constantemente questionada, mas o rodovia não, em que todo ele parece ser feito a partir de posts aqui do blogue... pessoalmente até ficaria contente se foi o caso).


Outra notícia a ler: a estação principal de comboios em Coimbra vai ser afastada (ainda) mais 500m do centro da cidade, para garantir que Portugal continua a ser uma aberração destacada em termos europeus em termos de afastar as gares das populações.

publicado por MC às 01:23
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

A vaquinha II

O José Sousa do Futuro Comprometido deixou aqui um link interessante sobre os supostos benefícios ambientais do apoio ao abate de automóveis antigos (no primeiro post mencionei que estes benefícios seriam ridículos mas sem os quantificar). Claro que estas contas são muito complicadas de fazer, mas as contas em cima do joelho dão sempre uma noção da grandeza do que está em causa:

 

Cars manufactured this year will put out an average of around 160g/km(7), which means a saving of 48g/km. This translates - with a mean annual driving distance of 16,500km(8) - into a cut of 792kg/car/year. Assuming that drivers are each paid £2000, that’s a cost of £2525 for every tonne of CO2 avoided, divided by the average age of the cars on the road - 4.9 years.


The management consultants McKinsey have calculated the costs of saving CO2 by other means(9). We could do it for £3.50 a tonne by investing in geothermal energy (...) switching from incandescent light bulbs to light-emitting diodes, for example, saves £80 for every tonne of CO2 you cut.

 

Repare-se no custo estupidamente alto do "benefício ambiental" no primeiro caso. E estas contas deixam de parte duas coisas importantes (que eu já tinha mencionado): os enormes custos ambientais do desmantelamento do carro antigo e da produção do novo, e o aumento de kms percorridos devido ao menor preço por km do carro novo. O próprio artigo diz à frente que 15% a 20% das emissões de automóvel advêm da sua produção! E o impacto ambiental da produção não se fica pelo CO2...

 

O meu conselho para os governos europeus apoiando esta patranha, chamem os bois pelo nome. Estes programas são pura e simplesmente uma gigantesca esmola de todos nós para quem já não gosta do seu carro antigo e para a indústria automóvel.

 


Petição a assinar aqui, pelo aumento da frequência dos comboios na linha de Sintra. Como todos sabemos a frequência é uma questão fulcral, especialmente para quem tem que fazer um transbordo. Mais informação e o anúncio de um debate sobre a mobilidade no concelho de Sintra no próximo sábado aqui.

Não sendo apoiante de nenhum dos dois partidos em causa, não posso deixar de notar a diferença de estilos. Enquanto este (BE) fala em mais comboios, uma suposta organização pela "mobilidade sustentável" no mesmo concelho apelava a mais estradas... para que os autocarros pudessem andar mais rápido. Pois.. talvez convençam alguém no programa de abate de veículos velhos.

publicado por MC às 00:20
link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Fevereiro de 2009

Já esgotei os meus insultos para esta gente (post a transbordar de sarcasmo)

Fui dar uma olhada às fotos de satélite da zona que tinha mencionado neste post antigo, e finalmente temos uma foto actualizada. Uma foto que nos encherá de orgulho por este mundo fora, duas bonitas alcatifas de alcatrão a ligar Porto a Lisboa, a menos de 500m uma da outra.

 

E porque nestas coisas da alcatifa quanto mais houver melhor (como sabemos a alcatifa é ao preço da uva mijona, não tem qualquer efeito secundário ambiental, nem promove mobilidades economica e energeticamente ineficientes), está aceso o debate sobre a localização da terceira alcatifa Lisboa-Porto. Apenas a 5km a sul do local da foto, há quem prefira colocar a terceira a 2km a oeste da primeira alcatifa, mas o governo está mais inclinado para os 3km.

Caros leitores, o que acham que fica mais agradável à vista?

 


Post recomendado no Bike-Sharing Blog: São Francisco (aquela cidade aos altos e baixos e das ruas inclinadas,  que aparece nos filmes) vai lançar um programa experimental de bicicletas partilhadas. Já deveriam saber que as bicicletas só têm alguma utilidade em cidades totalmente planas.

publicado por MC às 12:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2009

Perguntas de algibeira

Qual foi o país da UE qual foi ele, onde houve o maior aumento da rede de auto-estradas na década de 90?

 

Portugal!

 

Qual foi o país da UE qual foi ele, onde houve o maior diminuição da rede de ferrovia na década de 90?

 

Portugal!

Fonte Eurostat, via


Notícia recomendada: ainda insatisfeitos com o facto de Lisboa ser a região da UE com maior densidade de auto-estradas, o nosso Grande Líder e o seu ajudante Lino vão trazer uma nova dádiva ao povo sedente de alcatrão. Mais 70km de vias-rápidas vão chegar à zona da Margem Sul, trazendo "melhoria da qualidade de vida" e "dinamização económica". É desta que a península se vai desenvolver espectacularmente! Eu acredito.

Hip hip hurra!

Hip hip hurra!

publicado por MC às 01:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

O lado "verde" do apoio a...

O sector automóvel está m...

Apoios ao Carpooling (par...

Ainda mais subsídios para...

Momento de humor "greenwa...

A indústria automóvel não...

Portugal, o país do alcat...

A vaquinha II

Já esgotei os meus insult...

Perguntas de algibeira

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(68)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006