Quinta-feira, 22 de Junho de 2017

Ferrovia vs Rodovia em Portugal

Portugal é o campeão europeu quando se trata em investir no automóvel em detrimento do comboio. No gráfico abaixo temos o número de quilómetros de autoestrada por cada km de ferrovia nos vários países cobertos pelo Eurostat.

 

Fonte: Eurostat, dados de 2015 (ou os mais recentes quando não existe 2015. Dados para AE na Grécia do NationMaster (Eurostat não tem).
Chipre, Malta não foram incluídas, por serem pequenos estados insulares.

publicado por MC às 10:59
link do post | comentar | favorito

Emissões da rodovia aumentam

Pela primeira vez desde 2010, a UE aumentou as suas emissões de gases com efeito de estufa, e o grande culpado disso foi o setor rodoviário.
Os fabricantes automóveis até cumpriram a sua parte (continuando a diminuir as emissões por km), mas um uso ainda maior por parte dos automobilistas contrariou isso.

The EU’s total greenhouse gas emissions increased in 2015 for the first time since 2010. Higher emissions were caused mainly by increasing road transport, both passenger and freight (...) Gains in the fuel efficiency of new vehicles and aircrafts were not enough to offset the additional emissions caused by a higher demand in both passenger and goods transport. Road transport emissions — about 20 % of total EU greenhouse gas emissions — increased for the second year in a row in 2015, by 1.6 %

 

https://www.eea.europa.eu/highlights/eu-greenhouse-gas-emissions-from-transport-increased

publicado por MC às 10:57
link do post | comentar | favorito
Sábado, 23 de Julho de 2011

Comissão Europeia volta ao greenwash dos biocombustíveis

A Comissão Europeia, que quer que em 2020 os combustíveis tenham uma incorporação mínima de 10% de biocombustíveis (combustível produzidos a partir plantas), acedeu a algumas críticas que eram feitas a esta política, tendo redifinido o que considera ser um biocombustível

Uma das críticas prendia-se com o aumento da procura de cereais, que levou várias empresas agrícolas a ocupar florestas tropicais e terrenos ecologicamente sensíveis na América do Sul e na Ásia. Para evitar este problema, a CE exige agora que os cereais para os biocombustíveis provenham de terrenos que já eram agrícolas. Isto contudo não muda em nada o essencial: os biocombustíveis fazem concorrência aos alimentos na luta pelos recursos. Mesmo que as florestas não sejam destruídas para os combustíveis, sê-lo-ão para alimentação devido ao aumento de procura de espaços aráveis.

De qualquer modo, qualquer alteração legislativa nada faz para contornar os dois principais problemas desta aposta:

1. Os biocombustíveis chocam com a necessidade de recursos (terreno, mão-de-obra, água, etc.) para o cultivo de alimentos. O aumento do preço dos alimentos básicos que se tem observado nos últimos tempos, e que muitos têm atribuido ao crescimento dos biocombustíveis, não será mitigado pelas novas regras.

2. Os biocombustíveis servem para prolongar o modelo vigente de mobilidade. Uma mobilidade sustentável precisa de mais transportes públicos e menos de automóveis.

 

.........................................................

A Agência Europeia do Ambiente é muito clara num dos seus últimos relatórios: se a UE não vai cumprir os limites de emissões de óxidos de azoto (dos piores poluentes automóveis) e a culpa é dos automóveis. O relatório diz que o sector rodoviário não teve o comportamento que era esperado.

publicado por MC às 20:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Segunda-feira, 27 de Junho de 2011

Trabalho de casa

O NY Times tem um artigo dedicado à onda de políticas limitadoras de tráfego na Europa e a sua comparação com a realidade homóloga nos Estados Unidos da América. Os sublinhados são meus:

 

 

Europe Stifles Drivers in Favor of Alternatives

 

 

“In the United States, there has been much more of a tendency to adapt cities to accommodate driving,” said Peder Jensen, head of the Energy and Transport Group at the European Environment Agency. “Here there has been more movement to make cities more livable for people, to get cities relatively free of cars.

 

 

Europe’s cities generally have stronger incentives to act. Built for the most part before the advent of cars, their narrow roads are poor at handling heavy traffic. Public transportation is generally better in Europe than in the United States, and gas often costs over $8 a gallon, contributing to driving costs that are two to three times greater per mile than in the United States, Dr. Schipper said.

 

 

Michael Kodransky, global research manager at the Institute for Transportation and Development Policy in New York, which works with cities to reduce transport emissions, said that Europe was previously “on the same trajectory as the United States, with more people wanting to own more cars.” But in the past decade, there had been “a conscious shift in thinking, and firm policy,” he said. And it is having an effect.

 

 

Today 91 percent of the delegates to the Swiss Parliament take the tram to work.

 

 

European cities also realized they could not meet increasingly strict World Health Organization guidelines for fine-particulate air pollution if cars continued to reign.

 

 

“Parking is everywhere in the United States, but it’s disappearing from the urban space in Europe,” said Mr. Kodransky, whose recent report “Europe’s Parking U-Turn” surveys the shift. While Mayor Michael R. Bloomberg has generated controversy in New York by “pedestrianizing” a few areas like Times Square, many European cities have already closed vast areas to car traffic. Store owners in Zurich had worried that the closings would mean a drop in business, but that fear has proved unfounded, Mr. Fellmann said, because pedestrian traffic increased 30 to 40 percent where cars were banned.


 

 

Portugal está na Europa; a infra-estrutura das suas cidades foi construída antes do aparecimento do carro. Poderemos dizer por isso que em termos de tais políticas, Portugal segue a Europa e não os E.U.A. no destaque concedido ao carro nas suas cidades? Terão elas aceitação entre a população?

 

Ar poluído por ozono em três concelhos do distrito do Porto

Níveis de ozono em Lisboa ultrapassam limites mas as autoridades não emitiram nenhum alerta

 

publicado por TMC às 10:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 2 de Junho de 2010

Carros, as vacas sagradas das alterações climáticas

 

Fonte: AEA
A União Europeia há vários anos que tem política ativas na redução da emissão de gases do efeito de estufa. Foi a principal defensora do protocolo de Kyoto, onde se comprometeu (na altura a 15) a reduzir as suas emissões de 2008-2012 em 8% face a 1990. Como se vê na parte de cima do gráfico, a Europa reduziu 11% das suas emissões em 2008 face a 1990. Esta redução teve obviamente um custo, nova legislação, nova tecnologia, indústrias que tiveram de ser convertidas, novos hábitos, etc. De lembrar que a economia cresceu mais de 40% neste período, de modo que a redução de 11% é realmente um sucesso.
O transporte rodoviário é no meio disto tudo uma vaca sagrada na Europa. Este setor aumentou as suas emissões em 26%. Em 1990 era responsável por 12,8% do total, em 2008 por 18,2%. A UE ficou-se por meros objectivos de melhoria de eficiência (e mesmo estes foram sendo retirados por enorme pressão da indústria), nunca tendo havido a intenção de reduzir o transporte rodoviário. Bem pelo contrário, o apoio a construção de infra-estruturas rodoviárias continua a merecer milhões em apoios comunitários todos os dias.

 

 

E não, o carro eléctrico (mesmo com electrões provenientes somente! da energia eólica) não é uma solução para isto.

 

 


 

A comprar esta semana em Lisboa, a Time Out dedicada à bicicleta na cidade.

publicado por MC às 13:14
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 8 de Março de 2010

Boas notícias de Bruxelas

A Comissão Europeia está a considerar a um imposto sobre as emissões de carbono a nível dos 27.

Um dos problemas da implementação de impostos ambientais num país é a desvantagem económica que trazem em comparação com os países vizinhos. Uma fábrica situada na Finlândia, Suécia ou Dinamarca (os países que já têm impostos sobre o carbono) está em desvantagem com uma na Alemanha. Se este imposto for criado a nível comunitário, essas dificuldades desaparecem.

E porquê este imposto? Ele vai penalizar as pessoas/empresas que poluem mais beneficiando as que poluem menos (com a baixa de outros impostos). E não é só uma questão de justiça, mas de incentivo a um uso energético menos intensivo em carbono. Por exemplo, o transporte de mercadorias por ferrovia poderá passar a ser mais vantajoso em vários casos em comparação à rodovia.


Bruxelas pediu aos países europeus para acabar com os incentivos à troca de automóvel.

Vários países europeus, pressionados pelo lóbi automóvel, estiveram nos últimos tempos a pagar centenas de euros a quem quisesse trocar de carro. Esta medida travestida de medida verde (um greenwash estatal que o lóbi agradece) deverá acabar este ano, tal como outras medidas excecionais que apenas duraram nos anos mais duros da crise financeira.

 


E mais uma boa notícia. A Nicola (marca de café) colocou várias frases nos pacotinhos de açucar sobre o tema "Hoje é o dia".  Uma das escolhidas diz "um dia começo a ir para o trabalho de bicicleta". Todos os dias há milhares de pessoas a ler esta frasesinha enquanto bebe café. Para elas, espero que amanhã seja o dia.

publicado por MC às 23:49
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
Terça-feira, 14 de Abril de 2009

Um americano sobre as cidades europeias

People still stroll in Europe. The older people often walk with their hands behind their backs, with one hand clasping the opposite wrist, in The European Dream, Jeremy Rifkin

 

As pessoas ainda passeiam a pé na Europa. Os idosos caminham muitas vezes com as mãos atrás das costas, com uma mão agarrando o pulso oposto.


Não há nada de especial em passear a pé, mas exactamente por isso é que sorri ao ler um americano a fazer este comentário sobre as nossas cidades. Nos EUA as  cidades são parques de estacionamento. Não há praças com velhotes a jogar à sueca, nem ruas pedonais com comércio local. É possível andar a pé sem nunca nos cruzarmos com outro peão.

Mais recentemente soube de empresas nos EUA que têm guarda-costas especialmente contratados para acompanhar os cidadãos estrangeiros a trabalhar lá temporariamente, quando eles têm o estranho hábito de ir dar uma volta a pé até a um supermercado, ao centro ou seja o que for. 


E como todo o mundo é composto de mudança, em Nova Iorque, umas das poucas "cidades europeias" nos EUA, o espaço urbano começa a ser devolvido às pessoas. Tenho que admitir que a esplanada não parece minimamente agradável para um europeu, mas a mudança é importante pelo próprio simbolismo da devolução. Falo de mais uma reportagem da StreetFilms.

 

Boa notícia em Lisboa, bem a propósito: o Largo de Camões volta a ter, mais de um século depois,  um quiosque com bebida e comida. Claro que é das zonas mais humanas da cidade, mas é sempre bom ver uma praça a ganhar ainda mais vida.

publicado por MC às 01:12
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2009

Alergia ao comboio II

O Manuel Margarido Tão mencionava aqui (segundo comentário) uma coisa simples mas curiosa, que eu nunca tinha pensado. O argumento mais banal contra a (re)construção de ferrovia para cidades e regiões mais "periféricas" em Portugal é a suposta falta de procura que o comboio teria. Mas quando o assunto é auto-estrada (já nem falo de simples IPs!!), por artes mágicas, este argumento já não se aplica. Bragança, ou outra qualquer cidade, passa de repente de aldeia perdida para uma metrópole ávida de alcatrão para crescer.

Há uns tempos dei-me ao trabalho de mostrar que, descontando a Bélgica, todos os países da Europa tinham cidades sem auto-estrada maiores que Beja ou Bragança. Ou seja, Portugal é um caso patológico ao estar alcatifado com auto-estradas.

Fazer o mesmo para o comboio dava muito trabalho, mas rapidamente se pode verificar quais as cidades dessa lista que têm comboio. Infelizmente, o resultado não me surpreendeu. Descontando duas (Stadskanaal e Ioannina) todas têm ferrovia. Mais uma vez, Portugal é um caso patológico: ao contrário da Europa é frequente as cidades terem auto-estrada mas não terem linha férrea.

 

E o mais grave é que ambas as patologias têm tendência a agravar-se, enterrando o país sempre mais e mais dinheiro no meio de transporte mais ineficiente em termos de espaço, sinistralidade, custo, ambiente e energia.

 


A ler no CarFree France: La crise automobile est structurelle, a defender uma ideia que eu tinha levantado neste post e na discussão sobre ele. Os problemas da indústria automóvel não são causados pela actual crise económica, mas já vêm de trás. Há portanto largos milhões do nosso bolso que estão a ser usados para remediar um problema que é inerente à indústria.

publicado por MC às 19:37
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 15 de Abril de 2008

Mais carros e mais carros e mais carros

Um novo estudo da Cetelem apresenta estatísticas sobre a carro-dependência europeia. Infelizmente o estudo não está online, e só arranjei dados de uma notícia do Público.

Em 2012, Portugal deverá ter mais automóveis por habitante do que o Japão (...) Portugal terá 583 carros por cada mil habitantes, enquanto o Japão registará 525. Uma proporção que estava invertida em 2006, quando Portugal contava 516 e o Japão 521 (...) Portugal terá também, em 2012, mais (...) do que a Inglaterra e Irlanda do Norte, que, segundo as previsões, passarão de 556 para 555 unidades. Dentro de quatro anos, o nosso país terá ainda mais carros do que a Bélgica (547), mas os seus 583 exemplares por mil habitantes estão abaixo do calculado para outras nações que entraram neste estudo, como a Alemanha (590), Luxemburgo (690), Espanha (622), França (598) ou Itália (658).
(...)
Em média, as viaturas portuguesas foram das que mais circularam em 2006 (15.000 km), juntamente com as do Reino Unido (15.100 km) e as da Bélgica (14.950 km).

Os dados não coincidem com os do Eurostat, mas mais uma vez há duas conclusões a tirar:

Somos dos países europeus com mais automóveis por habitante (repare-se que a comparação acima é feita apenas com alguns dos mais ricos da Europa)
Somos dos países que mais usamos o automóvel
publicado por MC às 22:06
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 9 de Abril de 2008

Parabéns! Temos das melhores redes de auto-estradas na Europa!... mas para quê?

aqui tinha começado a fazer o exercício de verificar qual o país com melhor cobertura de auto-estradas. O que fiz foi procurar a maior cidade em cada país sem auto-estrada. Se todas as cidades com mais de 50 mil habitantes tiverem auto-estrada num país, e noutro só a partir dos 100 mil habitantes, acho que é razoável dizer que no primeiro a cobertura é melhor.

O resultado era o de esperar, Portugal é esta no Top! Para que não fiquem dúvidas:

Portugal: Beja é a maior sem auto-estrada e tem 28 mil habitantes
Espanha: Ciudad Real  não tem auto-estrada e tem 70 mil
França: Rodez 65
Itália: Siracusa 124
Escócia: Inverness 67
Inglaterra: Grimbsy 88
País de Gales: Wrexham 43
Alemanha: Coburg 42
Holanda: Stadskanaal 34
Suíça: Schaffhausen 34
Áustria: Steyr 39
Dinamarca: Holstebro 34
Suécia: Vaxjo 56
Grécia: Ioannina 70
Noruega, Irlanda e Finlândia nem uma rede de auto-estradas digna desse nome têm! Só na Bélgica - que têm a mesma população mas por ser pequena tem menos kms que nós - é que não arranjei nada. (Achei que nem valia a pena ver os países de leste).

O que é que a gente ganha com esta obsessão (além do record no Guiness?)
Como é que um país relativamente pobre gastou tantos milhões em alcatrão, quando há tanta coisa mais importante por fazer?
Onde é que está o tal "desenvolvimento" que as auto-estradas iriam trazer? Não há ponte ou auto-estradeca neste país que não "vá trazer desenvolvimento à região"... Alguém o viu?
Porque é que ao mesmo tempo que temos as melhores auto-estradas, temos a pior ferrovia que é bem mais eficaz, barata, verde, etc...? Porque é que o Estado promove descaradamente o meio de transporte mais ineficaz, perigoso e poluente?
Porque é tendo nós o problema de importarmos bem mais do que exportamos, insistimos em gastar mais e mais em petróleo que vem do exterior? E porque não poupamos esse dinheiro para coisas mais importantes?
Porque é que gastamos em alcatrão quando a tendência é a de deixar de apostar no automóvel há décadas nos outros países? Aliás tenho muitas dúvidas que algum país, que tivesse partido da nossa situação no início dos anos 80, alguma vez tivesse gasto tanto em auto-estrada, o que nos teria feito ganhar o campeonato das auto-estradas a 10 jornadas do fim.

Que venham mais pontes, viadutos, túneis! Ponte para as Berlengas, para as "desenvolver"! Um viaduto até à Torre na Serra da Estrela, que aquelas curvas são chatas! Auto-estrada para Canas de Senhorim, já!

Isto é uma patologia psiquiátrica colectiva, é o que é.
publicado por MC às 21:43
link do post | comentar | ver comentários (32) | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Ferrovia vs Rodovia em Po...

Emissões da rodovia aumen...

Comissão Europeia volta a...

Trabalho de casa

Carros, as vacas sagradas...

Boas notícias de Bruxelas

Um americano sobre as cid...

Alergia ao comboio II

Mais carros e mais carros...

Parabéns! Temos das melho...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(215)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006