Terça-feira, 27 de Maio de 2014

A EMEL vai investir 40 milhões em parques - O que é que isso diz sobre a carga fiscal do automóvel

Hoje há várias novidades sobre o futuro imediato da EMEL, a empresa municipal do estacionamento em Lisboa.

1. O parquímetro poderá ser pago por telemóvel, o que é uma excelente notícia. O preço deveria ser mais barato que o parquímetro, para desincentivar o uso do parquímetro físico, desincentivando assim a sua vandalização.

2. A área de exploração da EMEL, leia-se zonas com parquímetros, vai aumentar. É uma boa notícia, especialmente para os residentes que agora têm os seus bairros transformados em parques de estacionamento.

3. Vão ser investidos 40 milhões de euros em novos parques de estacionamento. E é aqui que eu levo as mãos à cabeça.

Não é por serem muito poucas as zonas onde não haja parques de estacionamento meio vazios, é em parte pelo incentivo ao uso de automóvel que representa uma melhoria das condições da sua utilização.

Mas pior ainda é o facto de isto ter de partir de uma empresa pública.  Pensem nisto. A educação e saúde são providenciadas pelo Estado, porque são serviços tão fundamentais que todos devem ter acesso a eles. Mas estes casos são a excepção. A alimentação é completamente produzida e distribuída por empresas privadas. A habitação também o é na quase totalidade dos casos. Os livros, os telemóveis, o turismo, etc. é tudo privado.
No caso do estacionamento, um serviço para os automobilistas, não há qualquer barreira à oferta privada. Em Lisboa até há alguns estacionamentos privados, mas noutras cidades há bem mais. Se é necessário uma empresa pública vir oferecer este serviço, é porque este não é rentável caso contrário os privados estariam interessados. Em bom português, isto é equivalente a um subsídio ao automóvel.

 

 

publicado por MC às 16:31
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Sábado, 8 de Outubro de 2011

Fim da aberração na Universidade de Lisboa

O estacionamento gratuito na Alameda da Cidade Universitária acabou. A EMEL vai passar a geri-lo. Para lidar com tamnha perda, a empresa vai promover uma campanha de sensibilização dos condutores. Num comunicado, a UL anuncia:

 

Já a partir de dia 10 de Outubro, os 485 lugares de estacionamento na via pública da zona da Cidade Universitária vão passar a ser geridos pela EMEL, como resposta à necessidade sentida de melhor ordenar o estacionamento e mobilidade nesta zona central da cidade.
 
A partir de Novembro a EMEL vai, ainda, gerir um parque de estacionamento na zona da Cidade Universitária com 600 lugares, intervindo para  a melhoria e modernização da gestão deste parque.
 
Com o estacionamento mais ordenado na Cidade Universitária conseguimos contribuir para o arranjo e ordenamento do Campus, sendo esta, uma das medidas que consta do Plano Estratégico da Universidade de Lisboa 2009/2013.

 

Já neste texto abordei esta problemática: os campus universitários, face à enorme afluência dos seus funcionários, docentes e alunos geram quantidades significativas de tráfego automóvel, pelo que este deve ser evitado; a política de gestão do estacionamento destes campi deve fazer com que o acesso ao campus seja feito através de transportes públicos ou de bicicleta, já que estes se concentram no miolo da cidade, estando por isso servidos de bons acessos.

 

Na altura, e com o auxílio de mais interessados, criámos também um blogue com as críticas ao estacionamento no campus do IST e uma sugestão (da autoria de Tiago Veras) daquilo em que se poderia tornar uma morada mais agradável e mais humanizada caso não fosse concedido acesso quase gratuito aos automóveis; no minímo, defendia-se, igualar as tarifas dentro do campus com aquelas do exterior, evitando que o IST fosse um autêntico paraíso do estacionamento mesmo no centro da cidade.

 

Coincidência ou não, também ontem a UL, noutro comunicado, anunciou que tinha logrado angariar votos suficientes para o seu projecto 172 do Orçamento Participativo da CML; o objectivo é a requalificação da própria Alameda da Cidade Universitária. Parece-me óbvio que este objectivo de requalificação está relacionado com o fim do estacionamento gratuito.

 

Este blogue fez sugestões neste sentido há quase dois anos. Dois dos autores da proposta de requalificaçaõ do IST nem tinham acabado a sua licenciatura. E outros especialistas já terão feito propostas neste sentido há mais tempo. Qual é a surpresa?

 

 

 

publicado por TMC às 15:33
link do post | comentar | ver comentários (34) | favorito
Segunda-feira, 27 de Junho de 2011

Trabalho de casa

O NY Times tem um artigo dedicado à onda de políticas limitadoras de tráfego na Europa e a sua comparação com a realidade homóloga nos Estados Unidos da América. Os sublinhados são meus:

 

 

Europe Stifles Drivers in Favor of Alternatives

 

 

“In the United States, there has been much more of a tendency to adapt cities to accommodate driving,” said Peder Jensen, head of the Energy and Transport Group at the European Environment Agency. “Here there has been more movement to make cities more livable for people, to get cities relatively free of cars.

 

 

Europe’s cities generally have stronger incentives to act. Built for the most part before the advent of cars, their narrow roads are poor at handling heavy traffic. Public transportation is generally better in Europe than in the United States, and gas often costs over $8 a gallon, contributing to driving costs that are two to three times greater per mile than in the United States, Dr. Schipper said.

 

 

Michael Kodransky, global research manager at the Institute for Transportation and Development Policy in New York, which works with cities to reduce transport emissions, said that Europe was previously “on the same trajectory as the United States, with more people wanting to own more cars.” But in the past decade, there had been “a conscious shift in thinking, and firm policy,” he said. And it is having an effect.

 

 

Today 91 percent of the delegates to the Swiss Parliament take the tram to work.

 

 

European cities also realized they could not meet increasingly strict World Health Organization guidelines for fine-particulate air pollution if cars continued to reign.

 

 

“Parking is everywhere in the United States, but it’s disappearing from the urban space in Europe,” said Mr. Kodransky, whose recent report “Europe’s Parking U-Turn” surveys the shift. While Mayor Michael R. Bloomberg has generated controversy in New York by “pedestrianizing” a few areas like Times Square, many European cities have already closed vast areas to car traffic. Store owners in Zurich had worried that the closings would mean a drop in business, but that fear has proved unfounded, Mr. Fellmann said, because pedestrian traffic increased 30 to 40 percent where cars were banned.


 

 

Portugal está na Europa; a infra-estrutura das suas cidades foi construída antes do aparecimento do carro. Poderemos dizer por isso que em termos de tais políticas, Portugal segue a Europa e não os E.U.A. no destaque concedido ao carro nas suas cidades? Terão elas aceitação entre a população?

 

Ar poluído por ozono em três concelhos do distrito do Porto

Níveis de ozono em Lisboa ultrapassam limites mas as autoridades não emitiram nenhum alerta

 

publicado por TMC às 10:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 5 de Maio de 2010

Tiro ao lado (3)

Um resumo bem mais simpático e apresentável do que fiz nas postas anteriores pode ser encontrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 169/2005, vulgo Estratégia Nacional para a Energia. É também um recordar de todo o propósito deste blogue. Tem cinco anos mas já diz o seguinte:

 

Neste quadro, Portugal assumiu o compromisso de produzir, em 2010, 39% da sua electricidade final com origem em fontes renováveis de energia. Tendo tal valor sido já atingido pontualmente no passado, em anos húmidos, alcançá-lo no futuro tem-se revelado poder ser problemático, dado que a taxa de crescimento anual dos consumos de electricidade (5% a 6%, por ano, em média) tem superado a capacidade de incremento da produção baseada em fontes renováveis de energia, tanto mais que a variabilidade da hidraulicidade afecta seriamente esses resultados. O consumo da energia em Portugal tem mantido um crescimento elevado ao longo dos anos, em correspondência com o progresso económico e social verificado nas últimas décadas, mas também em resultado de uma elevada ineficiência energética induzida pelo crescimento dominante de consumos nos sectores doméstico, dos serviços e dos transportes, em contracorrente com a tendência verificada na generalidade dos Estados membros.

 

As mais altas taxas de crescimento dos consumos têm-se verificado, sobretudo, nos edifícios e nos transportes. Isto, por razões que se ligam directamente com o tipo de comportamento dos cidadãos, menos sujeitos à disciplina do mercado do que as empresas, bem como à ausência de políticas coerentes e consensuais sobre o ordenamento do território e a energia, em particular no que toca a medidas de controlo dos custos, de eficiência energética e de sustentação ambiental.Do mesmo modo, os transportes, cuja prevalência do privado face ao público tem sido condicionada pelas opções de ordenamento do território, constituem um enorme desafio à eficiência no planeamento e na gestão dos sistemas urbanos. Um melhor ordenamento de território bem como edifícios e transportes energeticamente eficientes deverão ser objectivos nacionais, que não podem deixar de ser também traduzidos a nível autárquico. Em suma, é necessário alterar hábitos e padrões de consumo, através de políticas que incentivem os cidadãos às melhores opções energéticas e ambientais, por via de instrumentos económicos adequados e do reforço do acesso à informação e à educação naqueles domínios.

 

 


 

Viva o Papa Bento XVI! Se não sou católico ou cristão, porque festejo? Porque quando no dia 11, pela manhã, o Papa iniciar a viagem entre o aeroporto de Lisboa e a Nunciatura Apostólica, na Rua Luís Bivar, cerca de uma centena de ruas da capital (aquelas por onde irá passar o papamóvel e todas as laterais) não terão um único carro estacionado. Um exercício para todos aqueles que acham impossível haver uma cidade com menos carros.

 


 

Outros parabéns, mas desta vez para o vereador da mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa e para a EMEL. Estacionar no centro da cidade vai passar a custar o dobro e com duas horas como limite máximo de estacionamento. Uma óptima medida para alterar alguns hábitos nocivos. Claro que os comentários dos que confundem viajar com andar de carro não se fizeram esperar:

 

ISTO É UMA VERGONHA. NÃO HÁ ALTERNATIVAS DECENTES E MAIS UMA VEZ É IR DIRECTAMENTE AO BOLSO DAS PESSOAS. MAIS UM EXEMPLO DO QUE AO QUE CHEGOU ESTE PAÍS.


Ler também uma breve crónica de Francisco José Viegas sobre as alterações paisagísticas no Douro causadas pelo frenesim de alcatrão

publicado por TMC às 16:39
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

Já tardava

Hoje ficámos a saber que o estacionamento automóvel em Lisboa, nas zonas controladas pela EMEL (o que é bastante diferente dizer que é em toda a cidade), estará sujeito a tarifas mais caras consoante a área escolhida. Nalgumas áreas, presumivelmente no centro da cidade, o estacionamento aumentará em 40% e o tempo de residência do automóvel diminuirá para metade. Uma medida a aplaudir, portanto e que aliviará a pressão automóvel sobre os lisboetas e o espaço público.

 

Para quando uma reacção do Sr. Carlos Barbosa do ACP? Aceitam-se apostas.

 

Queria no entanto partilhar convosco algumas pérolas da caixa de comentários do jornal Público; tal espaço não é nada mais nada menos do que a antecâmara da sociedade portuguesa. Dividi as opiniões entre aquelas que apoiam a medida, as que estão contra e as que apesar de serem contra centram a sua crítica na EMEL e não no aumento das tarifas.

 

A FAVOR

 

Acho muito bem!

Epa a malta dos suburbios ta chateada! Pois eu como residente acho muito bem! Deviam aumentar era ainda mais, para ver se os Lisboetas ficam com mais qualidade de vida e os residentes dos suburbios comecam a ir de transportes publicos para Lisboa. Eu como lisboeta nao gosto de ver a minha cidade inundada dos carros dos amadorenses, sintrenses, almadenses etc etc. A CML existe para defender os interesses dos residentes de Lisboa, nao dos residentes dos suburbios. Os lisboetas querem mais qualidade de vida e menos carros. Em Amesterdao sao 4 Euros/hora para estacionar no centro.

Andem de mota

Para mim é me completamente indiferente, vou de mota todos os dias para o centro da cidade e estaciono á porta do emprego. Quando vou á baixa, estaciono nos sitios indicados para motos, sem pagar qualquer cêntimo. Se mais gente adopta-se este comportamento, como é usual no resto da Europa, ficariam mais lugares vagos para quem realmente necessita.

 

Medida interessante

Esta é uma boa medida já que permite, em princípio reduzir o movimento automóvel na capital. Porém acho que se deviam restringir o número de automóveis por habitante, porque há pessoas com 6 automóveis. Quero só salientar que no tempo de joão soares foram abatidas árvores centenárias para abrir espaço para os parques de estacionamento - salvé ps da direita!!!

 

CONTRA


bloqueiem os parquíemtros! danifiquem-nos! impeçam esta gente de encher os bolsos à custa de quem não tem alternativa para deixar os carros. eu trabalho no centro de lisboa, sou obrigado a levar carro pelas muitas deslocações que tenho de fazer durante o dia, e o preço que pago por um dia de estacionamento chega-me aos 8 euros/dia.

 

É Gamar à vontade !

Esses Camaradas gamam à vontade sem se preocuparem com as pessoas que precisam de andar de automóvel em Lisboa... pois necessitam desse meio de transporte para ganhar a vida, já tão atribulada ! Deste modo a Emel quer ajudar os Ricos e bem nascidos a terem sempre lugar onde quizerem, pois uns cêntimos a mais ou a menos nas algibeiras do Capitalistas não os afetam em nada ! Isto é uma pouca vergonha à moda do Sócrates e do Costa da Câmara de Lisgoa ! E lembrar-me eu do antigo Ditado: "Ao menos, os nossos maiores deixaram-nos as ruas livres" para as usufruirmos ! Isso foi "Chão que já deu Uvas" ! Com o Pinóquio e os seus Apaniguados acabaram-se as Ruas Livres !

 

Mais dinheiro para os proxenetas do costume

Numa cidade extremamente mal planeada e sobrelotada (muito bonita para turistas, infernal para pessoas activas), deviam adequar os parquimetros...às zonas de trabalho e habitação. Eu adorava trabalhar fora de Lisboa! E ir a pé ou de transportes para o emprego.As medidas deveriam ser pró-emprego e pró-industria e não pró-turistas!! Quem mora ou trabalha: selo de estacionamento. E preços decentes! Os outros: PQOP. E em vez de popularem zonas sem condições (como o Chiado), experimentem tirar de la os serviços e o comércio. São proto-aldeias que não foram construídos para os tempos modernos, e devem ser simplesmente utilizados para dormitórios. A mania das cidades portuguesas de "acotovelarem" tudo no centro, causa este caos.

 

  

CRÍTICOS DA EMEL

 

Estamos a saque

Não aos parquímetros, partam, destruam, sim ao policiamento. a emel está a explorar aquilo que foi dado ao cidadão, o espaço público, isto é um roubo e um atentado aos direitos dos cidadãos. o comércio de lisboa ainda vai sofrer mais com isto. as pessoas e as empresas deixarão de ir a lisboa e de se instalarem em lisboa... em troca dos chorudos euros que retiram ao bolso do cidadão que precisa de se deslocar e trabalhar em lisboa... Este país está a saque das empresas ladronas autorizadas pela CMLisboa também cúmplice nos roubos ao cidadão e em especial ao Lisboeta.

  

 ladrões ladrõesa socidedade de ladrões que compôem a Emel rouba com a conivência da camâra de Lisboa, mas que abuso de espaço público !!!!! já não basta os impostos que pagamos ainda temos que subsidiar uma empresa pseudo-privada!?!?! mas este aumento deve-se porque ??? porque os gestores querem comprar carros novos ??? ladrões !!!!!!!

 

 

publicado por TMC às 14:07
link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito
Quarta-feira, 2 de Dezembro de 2009

O ESTACIONAMENTO PAGO COMO MEIO DE GESTÃO DA MOBILIDADE E TRÁFEGO

No passado dia 12 de Novembro foi dada uma apresentação num ponto de encontro da Lisboa E-nova por um administrador da EMEL e especialista em mobilidade, Engº  Tiago Farias.

 

Os podcasts deste ponto de encontro estão disponíveis on-line, assim como as apresentações usadas.

 

A imagem seguinte é apenas uma das usadas para tentar responder à pergunta: Em que cidades queremos viver?

 

 

O local destas duas fotos é o mesmo com alguns anos de diferença. (Av. João XXI)

 

 

Pessoalmente, no caso destas 2 fotos sei que o espaço recuperado neste caso serviu para construir mais uma faixa, com a intenção de "fluir melhor o tráfego". Mesmo sabendo que o uso de mais faixas irá piorar os congestionamentos ao longo do tempo creio que, nem que seja pelo impacto visual e pela redução de estacionamento à superfície, esta alteração foi positiva.

 

É importante referir também que este post não dispensa a visualização da apresentação e audição do podcast da mesma e também o diálogo subsequente.

 

 

 

 

tags: ,
publicado por António C. às 11:54
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009

Notícias da semana da mobilidade

1. Em Lisboa, crianças de uma escolha primária andaram a distribuir multas (fictícias infelizmente) a automóveis mal estacionados, acompanhadas por fiscais da EMEL. Uma excelente ideia! Tal como no ambiente, educar as crianças é um bom modo de chegar aos país. E serve como contra-lavagem cerebral para os adultos de amanhã.

 

2. Também na capital, a candidatura do António Costa realizou uma corrida modal. Como seria de esperar quem ganhou fio uma bicicleta, que nem estava inicialmente convidada. Em seguida chegou quem veio de metro, que veio de táxi e por último um Porsche.

Pelo que li o Porsche nem teve que estacionar, o que é uma deturpação na corrida a seu favor. a bicicleta tem sempre lugar à porta!

 

3. Os jornais têm se enchido de notícias sobre mobilidade urbana em bicicleta, o que só prova que ela deixou de ser marginal. O DN por exemplo fala nos "executivos" que se deslocam de bicicleta, nos autocarros da Carris preparados para transportar bicicletas, no dinheiro que se poupa por utilizar a bicicleta, etc.

Eu fico um pouco espantado com estas contas que parecem sempre encomendadas pela indústria automóvel.  Contabilizar o combustível e a mecânica é quase um cagagésimo dos custos monetários totais. Falta o custo do carro em si (que não se compra uma vez na vida), a depreciação do carro, os seguros, os impostos, os estacionamentos, as manutenções, as lavagens, os custos dos eventuais acidentes, etc. Quando os trabalhadores se movimentam no seu carro particular em trabalho são compensados com algo como 30€ por 100km, claramente muito mais que o simples combustível.

 


Também em Lisboa (desculpem...) e pela mão do Passeio Livre, vem aí um debate com as diferentes candidaturas à CML sobre o lugar do peão na cidade, no dia 30.

publicado por MC às 16:12
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
Quinta-feira, 17 de Maio de 2007

Fim da governação Carmona/Santana

Chegou entretanto ao fim o executivo camarário onde Santana e Carmona se foram alternando no poder. Ao longo destes 5 ou 6 anos pouco mudou na mobilidade de Lisboa, mas aqui deixo alguns pontos que me vêm à memória.
NEGATIVOS
  • Túnel do Marquês. Lisboa tem agora uma auto-estrada que acaba no centro da cidade, não podendo por isso haver maior convite à entrada de automóveis em Lisboa. Esta péssima decisão bate qualquer boa medida que a CML tenha adoptado a favor da mobilidade (excepto se tivesse introduzido portagens, o que contrariaria o convite ao transporte privado).
  • Bicicleta. Apesar de haver um aumento de lisboetas a deslocarem-se de bicicleta, esta foi totalmente negligenciada pela CML. Nem como complemento aos transportes públicos foi promovida (bastaria um parque de bicicletas à porta do Metro).
  • Remodelação da rede da Carris. Houve bairros que deixaram de ter cobertura a toda a hora, avenidas e ruas centrais onde a frequência dos autocarros foi significativamente reduzida, etc... (ver positivo)
  • Barreira na Avenida da  República. Poucos se lembraram disto, mas em plena cidade Lisboa, numa das suas principais avenidas, foram colocadas barreiras entre as faixas de rodagem. A desculpa foi a protecção dos peões que insistiam em atravessar a Avenida (mas que parvoíce! as avenidas não foram feitas para as pessoas atravessar!), mas ajudou à transformação da avenida na actual via-rápida.
  • Pouco. Descontando algumas melhorias no estacionamento (havia passeios que os peões não viam há décadas) fica a sensação de que muito pouco mudou em seis anos. E em seis anos pode-se fazer muito.

POSITIVOS
  • Fecho do Bairro Alto, Alfama e Sta Catarina ao trânsito de não-residentes. Os bairros tornaram-se mais calmos e agradáveis. Os residentes também estacionam agora mais facilmente. O caso do Bairro Alto foi um grande sucesso. Havia vários receios que o afastamento do automóvel reduziria o número de pessoas a frequentar o bairro, mas aconteceu exactamente o contrário, provando que até no país mais carro-dependente menos automóveis significa mais vida e mais pessoas.
  • Pilaretes. Foi mantida a política de colocação de pilaretes para melhor combater o estacionamento selvagem que impedia a circulação de peões (com especiais problemas para os deficientes, os idosos e os pais com carrinho de bebé).
  • Remodelação da rede da Carris. A rede que existia tinha sido desenhada há décadas, quando a cidade era completamente diferente. As pessoas, os empregos e o comércio deslocaram-se, a cidade cresceu, o metro cresceu, etc... (ver negativo)
  • Radares. Infelizmente ainda não operacionais devido a problemas legais, os radares serão um excelente dissuasor às perigosas velocidades praticadas em Lisboa. Em muitas cidades europeias leva-se multa acima dos 30, em Lisboa leva-se uma buzinadela abaixo dos 80.
  • EMEL. Reforço da actividade da EMEL que permitiu algum controlo do estacionamento selvagem, criando barreiras à entrada de veículos na cidade.
(Lista em aberto)
publicado por MC às 12:46
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2007

Fim da impunidade

A capa do DN de hoje mostra em todo o tamanho vários carros bloqueados e rebocados pela EMEL em Lisboa, todos em cima do passeio ou de passadeiras. Muito mais importante do que haver multas passadas e carros bloqueados/rebocados, é passar a ideia de que quem estaciona ilegalmente tem uma alta probabilidade de vir a ser punido. Ou seja que acabe o sentimento de impunidade, para que ninguém pense em transgredir. Por isso a capa de hoje do DN é importantíssima.

Pena é que lá dentro ainda se leia coisas como «e foi o suficiente para ser uma das vítimas dos agentes da empresa municipal». Como se a vítima aqui fosse quem deixou o seu carro em cima do passeio e atrapalhou centenas peões especialmente idosos, ou em segunda fila e atrapalhou outros tantos veículos especialmente autocarros, apenas porque não queria pagar ou procurar outro lugar mais longe.
publicado por MC às 16:34
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2007

"em cima do passeio sem atrapalhar, porque não havia mais lugares"

Não resisti a transcrever parte da notícia abaixo mencionada.

(...) o azar já tinha batido à porta de Francisco Borges, também morador naquela avenida: "Isto é apenas uma caça à multa, não vai resolver nada. Tinha o carro em cima do passeio, sem atrapalhar, porque não havia mais lugares. Como ainda não tenho o dístico, rebocaram-me o carro", revelou.

Importa-se de repetir?!
publicado por MC às 12:33
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

A EMEL vai investir 40 mi...

Fim da aberração na Unive...

Trabalho de casa

Tiro ao lado (3)

Já tardava

O ESTACIONAMENTO PAGO COM...

Notícias da semana da mob...

Fim da governação Carmona...

Fim da impunidade

"em cima do passeio sem a...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(68)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006