Quarta-feira, 31 de Agosto de 2011

Primeiros carros eléctricos em Lisboa chegaram há 110 anos

Esta ideia que a mobilidade a eletricidade é algo do futuro choca com esta importante infeméride: foi há 110 anos que circulou o primeiro elétrico em Lisboa.

Uma ideia que era do futuro, e ainda é hoje, é ter a mobilidade urbana baseada em transportes públicos.

Infelizmente, hoje e contrariando a Europa mais desenvolvida, é visto entre nós como algo do passado.

 

...............................................................

E para nos lembrar que o carro é um meio de transporte ineficiente na cidade onde o espaço é limitado, há sempre estes belos parques de bicicletas para mostrar o exagerado espaço que o carro ocupa:

publicado por MC às 00:16
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Março de 2011

À rasca?

 

 

Fica o facto: os jovens portugueses são os que compram mais carros novos entre os congéneres europeus. De acordo com as palavras da comentadora, há contudo duas questões que me parecem equivocadas:

 

1- os jovens portugueses não aderem mais ao carro apenas porque não existe uma rede mais densa e eficiente de transportes. Faltam mais restrições à procura, como maiores taxas de fiscalização do estacionamento. Que nenhum condutor se queixe disto: se meteram voluntariamente o pescoço na corda sujeitaram-se aos apetites do verdugo. Comprar um carro é ficar com menos liberdade.

 

2- associar carros híbridos e eléctricos à ecologia e à protecção da natureza é uma frase várias vezes repetida mas sem fundamento. Funciona para quaisquer duas fontes de poluição distintas: uma será sempre preferível à outra porque polui menos, mas não se torna verde apenas porque não polui tanto como a outra. A discussão mais relevante é acerca da necessidade de se continuar a manter na sociedade qualquer uma das fontes de poluição, não deve ser acerca da obrigatoriedade de escolher entre ambas.

 


O nosso texto "O comércio e a rua" foi nomeada para os "Green Blogger Awards". É ir votar :) Se ganharmos prometemos investir na biblioteca de  mobilidade sustentável para continuarmos a tentar apresentar textos de qualidade. Como o blogue A Nossa Terrinha.

publicado por TMC às 11:16
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 18 de Outubro de 2010

Uma ideia não tão brilhante - por que é que eficiência pode ser má

O Economist tem um artigo sobre um perigo escondido das lâmpadas mais eficientes, que é resumido no subtítulo: Tornar a iluminação mais eficiente pode aumentar o uso de energia, em vez de diminuir. O próprio título declara com um trocadilho Uma ideia não tão brilhante.

A história em causa, atestada por um artigo científico, é simples. Quanto mais barato for um produto, mais consumimos dele. E ter uma lâmpada economizadora é equivalente a pagar menos pela eletricidade. Ora se por um lado cada lâmpada gasta menos, por outro ao termos eletricidade mais barata vamos usar mais lâmpadas e por mais tempo. Esta segunda consequência, este tiro pela culatra, é chamado rebound effect e pode até ser maior que o primeiro efeito, o da poupança. O artigo em causa diz que esse deverá ser infelizmente o caso com as lâmpadas economizadoras, ou seja lâmpadas mais eficientes levam paradoxalmente a mais consumo no total.

Os carros elétricos não são diferentes. As contas rápidas que fiz aqui apontam no mesmo sentido, o carro elétrico (cujo o uso é mais barato que o convencional) poderá causar um aumento das emissões de CO2. E nem me vou referir às externalidades não-ambientais como congestionamento, sinistralidade, etc. porque o aumento dessas está garantido.

Se a ideia de mais eficiência equivaler a mais consumo parecer estranha, imagine-se o contrário: o que aconteceria se os carros gastassem 1000 l/km, ou seja fossem altamente ineficientes? Ninguém andaria de carro! Conclusão menos eficiência=menos consumo.

 

Pior, os carros elétricos têm duas agravantes em relação à lâmpada.

Primeiro, o que se passa com o carro é pior que um rebound effect. A lâmpada economizadora torna-se mais barata porque é mais eficiente, utiliza menos recursos para o mesmo efeito. Mas o carro elétrico torna-se mais barato não só por ser mais eficiente em termos de recursos, mas principalmente por passar de um combustível fiscalmente muito penalizado para outro que é subsidiado. Para quem anda de carro, os ganhos ao km em euros, serão bem maiores que os ganho em eficiência. Os efeitos poderão ser bem piores que o efeito da lâmpada.

Há ainda outro efeito menor, através do chamado efeito rendimento. Como os combustíveis levam uma parte significativa dos orçamentos familiares, ter combustíveis baratos não só leva a mais consumo pelo preço baixo, mas leva também as famílias a terem um orçamento mais desafogado, logo a consumir mais de tudo - inclusivé viagens de automóvel.

 

 


 

Tendo o tema da dívida pública como pano de fundo, aconselho a leitura de uma série de postas no A Nossa Terrinha sobre os nossos gastos megalómanos em alcatrão:

Os campeões das auto-estradas (1)
Os campeões das auto-estradas (2)
Os campeões das auto-estradas (3)
Os campeões das auto-estradas (4)
Os campeões das auto-estradas (5)

publicado por MC às 16:52
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Segunda-feira, 11 de Outubro de 2010

Desmontando o greenwash da Euronews

Este vídeo da Euronews é mais um doirar da pílula ao carro elétrico.

1. Primeiro, um comentário mais geral às reportagens sobre carros elétricos. Por que raio é que associam estes carros às energias renováveis e vice-versa?! Por que não associamos outros objectos elétricos à energia eólica e solar, tal como os elétricos e os trolleys das nossas cidades (esses sim, amigos do ambiente), o ar condicionado, a lâmpada incandescente, o frigorífico ou a televisão em stand-by, deixando assim os combustíveis fósseis para o carro elétrico?

2. A reportagem aborda um sistema que torna a rede elétrica interativa, onde o preço varie durante o dia, e cada utente possa programar o seu carro eléctrico para ser carregado num período mais barato. Sendo que a produção e o consumo de eletricidade são muito irregulares, este é um processo imporante para aproveitar a eletricidade nos momentos onde há excesso de produção (e ela é vendida mais barata).

Esta é uma ideia boa, mas que mais uma vez já existe (com horário fixo em Portugal, e até com horário irregular em alguns países - mas de um modo pouco otimizado) e não se percebe porque vem associado ao automóvel. Termoacumuladores (para aquecer a casa ou a água), máquinas de lavar roupa ou loiça, bombagem de água, etc. são tudo aparelhos que também podem ser ligados a horas irregulares, mas não aparecem na televisão associados a projectos "verdes".

3. A reportagem diz ainda que o carro também pode ser utilizado para revender eletricidade à rede. Carregar e descarregar baterias é um processo muito ineficiente, mas a certa hora a procura da eletricidade pode ser tanta, que pode ser vantajoso ter o carro a devolver eletricidade à rede elétrica. Se a ideia é tão extraordinária, não se percebe por que é que então isto não é já feito pelas empresas elétricas e por quem faz micro-geração. Tendo baterias especialmente construídas para esta tarefa, seria muito mais eficientes e rentável.

 


Quem costuma ter bons vídeos e sem greenwash é a Streetfilms. Recomendo este vídeo (sobre a partilha do espaço urbano em Londres) com os comentários sobre ele no Bananalogic.

publicado por MC às 22:46
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Terça-feira, 21 de Setembro de 2010

O que está errado na imagem?

Esta é a imagem que a autarquia de Lisboa tem afixado em vários pontos da cidade, assinalando a semana de mobilidade. Não quero discutir a ideia de que a semana da mobilidade serve como uma semana de excepção ou de propaganda que posteriormente a própria autarquia não cumpre.

 

 

Haverá alguma coisa de errado na imagem?


Talvez a figura do transporte de crianças devesse ser um transporte público. Mas nem é por aí. Sem querer ser mais papista que o papa, a questão da imagem poder transmitir uma mensagem errada do que deve ser a aposta na mobilidade nas cidades relaciona-se com a presença do carro eléctrico na imagem (identificável através de uma enorme tomada). Substituir 10% do parque automóvel comum de Lisboa por automóveis eléctricos resolveria alguns problemas de mobilidade, mas não todos. Isto, por exemplo, continuaria a acontecer. Porque a mobilidade não é só uma questão de racionalizar o uso para a melhoria do ambiente; é também uma racionalização do espaço, e nisso o automóvel eléctrico continuará a ser tão desajeitado como o automóvel com motor de combustão. Confundir que a mobilidade sustentável é apenas ambiente poderá inclusivé levar a um sobrestímulo da compra de automóveis eléctricos que tornaria a mobilidade em Lisboa pior do que antes. Pode gerar-se uma febre que ponha em risco a aposta na mudança modal para transportes públicos e modos suaves.

publicado por TMC às 13:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 14 de Agosto de 2010

Carros elétricos, multas, capacetes, economia e faixas BUS

O Liberation levanta várias dúvidas sobre os benefícios do carro elétrico, a propósito do Salão Automóvel de Francoforte. As emissões de CO2 são semelhantes ao carro com motor de combustão (dado o mix energético europeu), as baterias são muito caras, e há falta de matéria prima para as produzir.

 

Na Suiça, onde as multas de trânsito dependem da riqueza de cada um, há quem corra o risco de pagar 800 mil euros por excesso de velocidade.

 

O Ma Fyn Bach apanhou um artigo científico de saúde pública, onde se defende que as desvantagens do uso do capacete na bicicleta são 20 vezes piores que os benefícios. A ideia já a mencionei, obrigar ao uso do capacete passa a ideia que a bicicleta é perigosa, desincentivando fortemente o seu uso e os seus benefícios para a saúde pública.

 

O Greg Mankiw recomenda um artigo de Holman Jenkins onde se explica porque é que o aumento dos combustíveis é uma medida mais sensata e eficaz do que regulamentar a eficiência ambiental do automóvel.

 

Petição a assinar: Aumento de corredores BUS em Lisboa

publicado por MC às 15:34
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2010

A falácia do uso das renováveis

A propósito da discussão sobre o uso de electricidade de fonte renovável há uma falácia que é irritantemente repetida.

Quando se diz que 40% da energia usada por um automóvel eléctrico é de fonte renovável, está implícito que esses 40% não têm impacto ambiental (admitindo por momentos que as renováveis não têm impacto ambiental, não sendo por isso indesejáveis). Este raciocínio só faz sentido quando é impossível evitar o uso desta electricidade. Na realidade é necessário pensar naquilo que em economia se chama o custo de oportunidade, ou seja é necessário comparar com as alternativas. Se a deslocação de automóvel nem fosse feita ou fosse feita de modos energeticamente mais eficientes, esses 40% de poderiam ser usados para reduzir a produção a partir de fontes não-renováveis. Quando um carro eléctrico consome 1 kWh, esse kWh vem assim a 100% de energias não-renováveis (90% dele se pensarmos que a deslocação seria feita de transporte público).

Por exemplo, se todos formos de Lisboa ao Porto de carro eléctrico cada um consume 100 de electricidade, 60 virão da carvão/petróleo e 40 virão de hídricas/eólicas. Dito deste modo, parece que apenas os 60 são negativos ambientalmente. Na realidade se fóssemos de comboio apenas teríamos gasto 10 de electricidade, menos 90 do que com o carro. A produção eléctrica nacional poderia ser baixada em 90. E onde iríamos baixar? Não nas renováveis, mas nas poluentes. Ao optarmos pelo comboio e não pelo carro, estaríamos a poupar 90 de electricidade não-renovável e não apenas 60.


 

 


Cartoon apanhado na mailing-list da World Carfree Network:

publicado por MC às 01:03
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Impacte ambiental do carro eléctrico

A Agência Ambiental Europeia publicou uma análise a vários estudos sobre automóveis eléctricos (resumo aqui). Dados importantes:

 

Entre 1990 e 2006 o sector dos transportes na UE aumentou as suas emissões de Gases de Efeito de Estufa em 35,8%, enquanto todos os outros sectores desceram -13,4% em média. 61% do aumento deveu-se à rodovia.

 

Para o mix energético europeu, o carro eléctrico representa uma poupança de 50% a 65% nas emissões de CO2 por km, havendo mais previsões para o lado dos 50%. É sempre importante lembrar que com preços mais baixos por km haverá um aumento da distância percorrida, e logo a poupança será menor.

 

O documento é muito interessante para quem tiver paciência, eu voltarei a ele nos próximos posts.

 


A ler no Velo Mondial: a introdução de Zonas 30 na Inglaterra levou a uma redução de 41,9% no número de vítimas de acidentes rodoviários.

publicado por MC às 00:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 16 de Novembro de 2009

Veículos Eléctricos - Energia Limpa

A propósito do último Post do MC e porque uma imagem pode valer mais que muitas palavras deixo este simples Cartoon que mostra como os Carros Eléctricos não são movidos a energia Limpa!

 

 

 

Fonte: http://www.thedoghousediaries.com/

publicado por António C. às 13:11
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sábado, 14 de Novembro de 2009

Carros eléctricos, CO2, Jevons e contas em cima do joelho

aqui alertei para o perigo dos carros eléctricos poderem provocar um aumento das emissões de CO2 devido ao paradoxo de Jevons. Este paradoxo diz-nos que quando temos um ganho de eficiência na utilização de um recurso - neste caso quantidade de energia por cada km - podemos ter uma situação onde gastamos mais desse recurso do que inicialmente. Ou seja, tendo um carro mais eficiente e mais barato por km, acabaremos por o utilizar mais., e isto pode anular totalmente os ganhos iniciais.

Lembrei-me desta tema porque esta semana surgiram notícias a alertar para o perigo dos carros eléctricos estarem sujeitos a menos regulamentação ambiental, o que poderia também levar a um aumento das emissões do CO2.

Mas voltando ao Jevons, façamos umas contas. Segundo a Visão da semana passada, um km  num eléctrico é 10 vezes mais barato que num convencial, mas eu vou tomar esta estimativa mais conservadora, 3 vezes. A elasticidade do consumo de combustíveis em relação ao preço é no longo prazo de -0,9, logo esta diferença de preço implica 2,7 vezes mais km percorridos. Segundo esta estimativa a poupança de CO2 por km anda nos 30%, e por isso a mudança de um carro convencional para um eléctrico mantendo-se a situação fiscal actual, causaria um aumento das emissões de CO2 na ordem dos 90%!

Claro que são contas feitas em cima do joelho* mas elas mostram o perigo de introduzir um paradigma - que é à partida melhor - sem penalizarmos devidamente o seu uso em termos de preço.

 

Adenda: Kenneth Small e Erik Verhoef no The Economics of Urban Transportation fazem notar que a maior parte da variação de longo prazo do consumo de combustível advem da troca de veículos (mais eficientes se a gasolina sobe, mais SUVs se a gasolina desce), e não tanto da distância percorrida. A elasticidade face ao custo por km (mais apropriada neste caso, já que já estamos a tomar em conta com a mudança do automóvel) é geralmente de -0,3. Com este valor, a distância percorrida aumentaria 40% devido ao preço menor do carro eléctrico. Estes 40% ainda estão acima da poupança em CO2, logo ainda temos um aumento das emissões.

 

* Assumir uma elasticidade constante é um pouco abusivo - embora continue a haver um aumento das emissões se usarmos as estimativas mais conservadoras para a elasticidade de longo prazo. Outra questão que ignorei: o combustível não é o único custo por km mas por acaso a maioria dos automobilistas comportam-se como se fosse).

 


Uma excelente posta a não perder no Passeio Livre, centros históricos turísticos com ou sem carros. Quantas receitas do turismo não estaremos a perder por as nossas aldeias históricas serem assim

e não assim:

publicado por MC às 23:14
link do post | comentar | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Primeiros carros eléctric...

À rasca?

Uma ideia não tão brilhan...

Desmontando o greenwash d...

O que está errado na imag...

Carros elétricos, multas,...

A falácia do uso das reno...

Impacte ambiental do carr...

Veículos Eléctricos - Ene...

Carros eléctricos, CO2, J...

tags

lisboa(219)

ditadura do automóvel(207)

ambiente(203)

bicicleta(154)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(73)

carro-dependência(67)

estacionamento(66)

transportes públicos(66)

bicicultura(59)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006