Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

Mais 69 mil automóveis diariamente para Lisboa

Cá está a prova que a minha indignação para com a nova ponte sobre o Tejo era fundada. Segundo o JN a nova ponte trará mais 69 mil automóveis a entrar diariamente em Lisboa,  isto a acrescentar aos 500 mil que já entram todos os dias, e que há muito já rebentaram as costuras da cidade.
António Costa não se opõe, como deveria, fortemente à ponte, argumentando que apesar de não gostar da ideia não pode ser egoísta face aos anseios da população do Barreiro. Então e se amanhã Cacilhas, Trafaria, Monte da Caparica, Seixal e Montijo também quiserem uma ponte, seria ser egoísta dizer que não? António Costa defende sim a mitigação deste 69 mil (curioso número...) construindo mais vias circulares. Mas esta gente não aprende? Nos últimos 20 anos construiram-se literalmente dezenas de vias-rápidas pela cidade e arredores, e haverá alguém que diga que a cidade tenha ficado a ganhar com isso dados os enormes custos que acarretaram e acarretam?
publicado por MC às 09:47
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Osvaldo Lucas a 19 de Janeiro de 2008 às 17:04
Encontrei um estudo que me parece interessante sobre os movimentos pendulares em Lisboa
http://infoalternativa.org/autores/eugrosa/eugrosa014.htm

Agora MAIS (o artigo do JN não afirma "mais") 69 mil carros a ENTRAR em Lisboa a que propósito?
Admito que na nova ponte possam passar 69 mil carros/dia mas serão roubados a qualquer outro lado, possivelmente à via mais congestionada - Ponte 25 de Abril.
Além de que muitos carros vão SAIR de Lisboa Norte pois os empregos do NAL estarão na outra margem...
Ou seja, a nova ponte parece-me um paliativo para diminuir os carros em Lisboa!
Como não se prevê que a população em Lisboa passe para metade no médio prazo e onde se possa faxer uma remodelação de alto a baixo - demolir - para melhorar N mini-estrangulaemntos no interior da cidade, os melhores paliativos seriam a atribuuição de subsídios para que as empresas de serviços instaladas em edifícios passíveis de utilização como habitação saiam do centro e vão para a periferia... por exemplo ocupar os tereenos do futuramente extinto (?) aeroporto da Portela.
Transcrevo parte do link acima
"É urgente uma nova estratégia para a região da grande Lisboa (...) um novo modelo de desenvolvimento em que Lisboa terá de funcionar como motor de desenvolvimento de toda esta vasta região. Mas de um desenvolvimento equilibrado e integrado, que pressupõe também a desconcentração de serviços e empresas pelos concelhos vizinhos; a fixação efectiva de uma parte crescente das populações, em termos de emprego, nos concelhos de residência, deixando de funcionar os concelhos limítrofes de Lisboa fundamentalmente como concelhos-dormitórios; o desenvolvimento de um verdadeiro sistema de transportes colectivos baseado no metro (...)"
De MC a 21 de Janeiro de 2008 às 16:47
Obrigado pelo link.
Tem toda a razão, o artigo não diz explicitamente que vai haver mais 69 mil automóveis, apenas dá a entender que haverá 69mil a entrar por ali.
Agora, parece-me pelo que escreve que não conhece bem geograficamente a margem Sul. A ponte vai servir a zona do Barreiro e Pinhal Novo, onde neste momento há muita gente que vem de barco, porque as outras pontes estão ainda bastante longe.

Os carros que vão sair de Lisboa, não devem à nova ponte, mas ao novo aeroporto - que é servido por uma ponte que já existe!!; para sair têm que circular primeiro por Lisboa; estamos a falar de mais tráfego (fora do centro mas mais tráfego)...

Paliativo? Basta ir dar uma olhada aos barcos vindos do Barreiro para ver que a absolutíssima maioria do movimento é de entrada em Lisboa. Eles não vão sair.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006