Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007

Destruam-se as vias-rápidas

Parece que o caso de Seul, onde uma via-rápida foi desmantelada, não é único. No Carfree USA fiquei a saber que em Seattle se está a discutir a hipótese de acabar com uma via-rápida ao longo da costa, para devolver a beira-mar à cidade.
Há até uma página com vários casos de remoção de vias-rápidas urbanas nos EUA. O caso mais famoso é a Embarcadero Freeway em São Francisco, que originalmente foi destruída por um sismo em 1989 e mais tarde se decidiu que não seria reconstruída.

Antes:

e depois:


A Central Freeway de São Francisco antes

e depois:



Dão ainda o exemplo da via-rápida ao longo do Sena em Paris que foi convertida na famosa praia de Paris (veja-se contudo comentário a este post de Strider de 15 de Maio):

É interessantíssimo ler cada uma das histórias porque mostra como as cidades ficaram a ganhar com a mudança.

A principal mensagem aqui é a necessidade de ter coragem de admitir que houve erros no passado que custaram milhões. Mas só o facto de terem custado milhões não pode servir de argumento para não os corrigirmos. Ao ver estas fotografias fico cheio de esperança de vir a ver no futuro as nossas cidades mais humanas e agradáveis.
Em Lisboa há tantos, tantos casos destes que é difícil decidir. Há a segunda circular, o eixo Norte-Sul, etc... que são especialmente gritantes por estarem no meio do tecido urbano.  Mas acho que votaria em acabar com os túneis da via-rápida avenida da República no Campo Pequeno e Entrecampos. A zona mais parece a A1 do que uma cidade.

Como dizia o outro, deixem-me sonhar.
publicado por MC às 17:29
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Anónimo a 15 de Maio de 2008 às 16:53
É muito giro e sou a favor das bicicletas em Lisboa mas, antes de haver os tais túneis da Av da República, chegava a demorar mais de 1 hora da Praça de Espanha ao Areeiro. Isto fechado dentro de um autocarro...
De MC a 16 de Maio de 2008 às 11:44
1. Alguém falou em bicicletas?? Eu também sou a favor do Tratado de Lisboa, se é que isso interessa a alguém.
2. Não podemos ser simplistas e olhar apenas para um grão de areia no meio do deserto. Eu também fiz esse percurso muitas vezes antes do túnel, e é óbvio que o túnel ajudou a circulação, tal como qualquer túnel ajuda a circulação nesse percurso específico. Só que temos que ver os custos que isto acarreta.
a) pode ajudar a circulação naquele percurso específico mas leva a um aumento da circulação automóvel na zona. Muitos que conheciam bem o trânsito no Marquês de Pombal afirmam que o túnel melhorou o trânsito ao longo do túnel, mas piorou em todo os outros, inclusivé toda a zona da Avenida da Liberdade.
b) Ao aumentar o trânsito, estamos a criar novos problemas noutros cruzamentos, onde eles não existiam. A solução será mais um túnel aí, que causará problemas noutro local, etc... A conclusão a que todas as cidades do Norte da Europa já chegaram, foi que facilitar o trânsito não é uma solução sustentável. Esta tem que passar por diminuir a circulação automóvel.
c) Não nos podemos esquecer dos enormes custos que essa construcção teve. Não teria sido melhor um túnel para metro com a mesma dimensão, noutro local?.
De Strider a 15 de Maio de 2008 às 19:54
Nota: "O Paris-Plage" em Paris não é todo o ano. Durante o resto do ano circulam automóveis nessa via.
Aliás, é preciso atravessar uma via de 2 fachas para chegar à margem onde se encontra o tal evento.

De mencionar que no entanto todos os domingos fecham várias zonas de Paris à circulação automóvel....e é uma das cidades (tal como Bruxelas) que organiza passeios de RollerBlading em que fecham vários túneis na cidade.
De MC a 16 de Maio de 2008 às 11:53
Strider,
obrigado pela informação. Vou indicar o teu comentário no texto do post.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

Alegadas vantagens económ...

Alegadas vantagens económ...

É muito díficil discutir ...

Como os automobilistas vê...

Apanhado de Setembro, Out...

Outro minuto em Groningen...

Apanhado de Agosto no FB

tags

lisboa(219)

ditadura do automóvel(206)

ambiente(202)

bicicleta(154)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(72)

carro-dependência(67)

estacionamento(66)

transportes públicos(66)

bicicultura(59)

espaço público(57)

economia(56)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006