Sábado, 27 de Outubro de 2007

Menos Carros = Menos Pessoas? VI

Regresso a um dos argumentos contra a restrição da entrada de automóveis no centro da cidade. Defendem muitos - baseando-se em wishful thoughts, e não em dados reais - que isto levaria ao afastamento das pessoas, dos empregos e do comércio, matando de certa maneira a cidade.
aqui escrevi que em Londres aconteceu exactamente o oposto, mas há também exemplos disso em países mais pobres. Refiro-me concretamente a Bogotá, capital da Colômbia, que nem Metro tem, onde houve uma forte aposta por parte do antigo presidente da Câmara Enrique Peñalosa em afastar os automóveis da cidade, criar melhores condições para os peões e criar os seus famosos autocarros expresso, etc...
Neste video (encontrado no Cenas a Pedal) ficamos a saber que foram eliminados dezenas de milhar de estacionamentos à superfície, o que num primeiro momento levou à ira dos comerciantes. Na realidade, além da óbvia melhoria na qualidade de vida, houve um aumento do preços dos imóveis (sinal de que há mais procura), o crime diminui e as vendas no comércio subiram.
Um outro sinal de que estas políticas são agora bem acolhidas, é que ainda não houve um retrocesso apesar de Peñalosa ter perdido a Câmara há 6 anos.
publicado por MC às 16:08
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Anónimo a 27 de Outubro de 2007 às 19:50
Havias de transportar 15kgs em cada mão, diáriamente, que são os meus instrumentos de trabalho, que logo vias o que era andar de transportes públicos.
De Afronauta a 28 de Outubro de 2007 às 10:27
Nota-se que em Portugal, NAS CIDADES onde essas medidas foram aplicadas o desenvolvimento disparou: Freixo de Espada à Cinta, Ranholas, Salvaterra de Magos, Vidago...
A transposição directa de medidas de uns países para outros pode dar origem a resultados díspares. As condições de partida são distintas e cada caso deve ser analisado e solucionado tendo em conta as especificidades do mesmo em termos culturais, sociais, de desenvolvimento...
De Anónimo a 28 de Outubro de 2007 às 15:12
Eu geralmente uso esse tipo de frases quando não quero que algo vá para a frente - por diversos motivos. É por isso que ainda não se fez, por exemplo, o raio de um aeroporto novo.. que se fala há 20 anos, porque continuamos a pensar, a examinar, a ver... enfim.. a não decidir.
Parece-me por demais evidente que manter a solução dos automoveis como está é argumento suficiente para se experimentar alternativas. Fechem então o centro da cidade e vejamos!
De Rato Orelhudo a 28 de Outubro de 2007 às 17:59
Também acredito que condicionar ou circunscrever a circulação de automóveis no centro das cidades seria uma medida com grande impacto ao nível da recuperação do comércio tradicional, aumento dos índices de habitação e reinstalação de equipamentos (cinemas, teatros, discotecas, restaurantes, bares, escolas), tudo coisas de que as cidades carecem para se tornarem de novo atractivas e habitadas. Há muitas fórmulas que poderiam ser pouco a pouco experimentadas: circunscrever áreas livres de trânsito, limitar horários de circulação, criar transportes com bilhete diário sem limite de viagens, transformar ruas em galerias cobertas como os centros comerciais, levar os locais de diversão novamente para o centro das cidades aproveitando os cinemas antigos e os inúmeros casarões ao abandono, fixar as populações estudantis com residências, cantinas, bibliotecas, etc. Mais do que dinheiro e investimento, são necessária imaginação e coragem para combater os que acham que tudo deve continuar na mesma, apesar dos resultados deploráveis que estão à vista de todos e do desastre que ameaça a vida e os negócios no centro das nossas cidades. Falo do Porto e de Lisboa, que são as que melhor conheço mas não faltam outros exemplos. Parabéns pelo blog!

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006