Quinta-feira, 25 de Outubro de 2007

Campus Universitário à Portuguesa!

Quando estava no meu 3º ano da Universidade, um professor durante uma aula perguntou quantos de nós usávamos regularmente o carro para nos dirigirmos até à Universidade.

Mais de metade levantou o braço.

Os abusos da utilização massiva do automóvel pela população Universitária, resultam em zonas totalmente descaracterizadas onde impera o estacionamento selvagem em cima dos passeios,  em segunda fila ou em qualquer lugar que dê para deixar o tão estimado carrinho.

Qualquer baldio é um parque, qualquer zona que poderia ser de lazer é ocupada por automóveis. Já conheci vários estudantes de muitos países europeus e muitos se mostravam surpreendidos quando lhes dizia que mais de metade dos meus colegas se deslocavam diariamente de carro para irem à Universidade. Afinal de contas quem é o pai desnaturado que não oferece um carro ao filho assim que este entra na universidade?
Familías, mais ou menos ricas à parte, vejam-se algumas fotos de duas zonas universitárias em Lisboa:



Vemos aqui a zona da antiga Escola Secundária da Cidade Universitária. Para quando restringir toda esta zona a lugares marcados e pagos?  Sim, deve ser uma situação  temporária, no entanto o terreno está a ser usado e ninguém é compensado por isso.

Pior mesmo é a situação que se vive no Instituto Superior Técnico:





O que será que podemos esperar de alunos de uma Universidade como o Instituto Superior Técnico onde se leccionam cursos de Arquitectura e Eng Civil, e onde existem diversos departamentos de estudos territoriais, mobilidade e transportes?

Será normal desenhar lugares de estacionamento em cima da calçada? Surreal? Não. É mesmo assim o parque dos automóveis no Instituto Superior Técnico, uma zona muito bem servida de transportes públicos, e onde existem ainda alguns parques subterrâneos.

Já agora deixo uma questão, não faria sentido aumentar a idade da autorização para tirar a carta de condução para 21 anos e oferecer transportes (ainda) mais baratos aos estudantes universitários?  Tendo em vista, claro, uma menor dependência futura deste meio de transporte.
sinto-me:
publicado por António C. às 16:30
link do post | comentar | favorito
30 comentários:
De MC a 25 de Outubro de 2007 às 17:09
O próprio IST tem um parque subterrâneo.
E agora já não apanhas, mas em tempos a famosa escadaria interna do Técnico acabava num parque de estacionamento em espinha que tapava completamente a passagem. Agora há uma pequena barreira - que comete o sacrilégio de suprimir um lugar - para os peões poderem chegar à escadaria.
De cadeiradopoder a 25 de Outubro de 2007 às 17:21
É a consciência ambiental dos portugueses no seu melhor. Que mais querem, se nesses locais estão bem servidos de transportes públicos?
De MC a 25 de Outubro de 2007 às 17:27
É mais que uma questão ambiental. É destruirmos as cidades e a nossa qualidade de vida por comodismo.
De Mário Lopes a 25 de Outubro de 2007 às 19:34
Boas, por um lado dou-lhe razão, é verdade que hoje em dia os pais logo que os filhos fazem 18 anos, dão-lhes a possibilidade de tirar a carta e depois de lhe dar um carro por mais simples que seja. Por vezes inutilmente visto que ha zonas bem servidas de transportes publicos, mas como o papa deu o popo da mais pinta. Mas veja-mos casos em que um carro de baixo consumo e ate se vive numa zona mal servida de transportes publicos, sera que estes devem ser condenados por causa dos outros?
Em relação, à idade da obtenção de carta de condução considero que como esta, esta muito bem, falo do meu caso em que acabei o 12º com 17 anos e comecei a trabalhar, ate ter carta tive que andar a boleia, pois nao havia transportes perto daquela hora, entre outros casos que ainda hoje tenho que me deslocar para diversos pontos do pais para trabalhar, e visto que so agora fiz 21 anos. Como seria este tempo?
Espero ter feito com entendam a minha ideia.
De Anónimo a 25 de Outubro de 2007 às 20:37
O problema é que muita gente possui um automóvel apenas porque é bom e está na moda...mas há quem realmente precisa, seja como for também cheira-me a hipocrisia, pois muitos comentam e dizem que há muitos automóveis e condutores etc etc, mas na verdade é que eles próprios conduzem um todos os dias para o trabalho...agora o que não compreendo é a proposta do aumento da idade da carta para 21anos, pois muitos jovens aos 18 vão para o mercado de trabalho e poderá haver a necessidade da aquisição de um automóvel, pois imaginemos um local mais resguardado onde há poucos transportes públicos...deveria o jovem ficar impossiblitado de trabalhar por causa de transporte? Eu acho que não seria justo...além disso o título deste blog pareçe-me um bocado extremista, mas é apenas a minha opinião...
De António C. a 25 de Outubro de 2007 às 20:58
Infelizmente em Portugal tudo está estruturado de forma a que seja necessário ter um carro desde muito cedo (18 anos).

Para quem apenas agora visitou este blog os próprios autores têm carta de condução, mas acreditam que o uso deste meio de transporte deve ser feito como excepção e não de uma forma abusiva e normal. Eu por exemplo, quando preciso de um carro, alugo um.

A qualidade de vida dentro das cidades aumentaria certamente com menos automóveis a circular nas suas ruas.

A minha questão no final do post é um pouco provocativa e tem o intento de fazer pensar um pouco, nomeadamente em mecanismos de persuasão do uso do carro em Portugal, uma vez que somos neste momento o 3º país da Europa com mais automóveis por habitante.

É necessário associar mais e melhores transportes públicos a melhor qualidade de vida e não a defesa irreflectida e irresponsável da política "um carro por haitante". Como tal o nome do blog não parece nada extremista, porque pelo menos em relação aos autores significa "menos 3 carros" e não apenas 1.
De Ricardo Morais a 25 de Outubro de 2007 às 21:17
Bom blog, e um grande Post!!! Visita o meu também http://tudonogeral.blogs.sapo.pt/
De Transtago a 25 de Outubro de 2007 às 22:27
Primeiramente quero cumprimentá-lo..
Depois digo-lhe sinceramente que este me parece ser mais um daqueles posts em que se mandam para o ar (neste caso para a Net ) umas frases feitas verdades por tanto serem repetidas mas sem um mínimo de fundamento e muitas vezes escondendo a realidade que é por demais vergonhosa.
Se há tantos carros na cidade, é porque os transportes públicos são a desgraça que são e os sucessivos governos nada fazem para os melhorar.
Se tem dúvidas passeie seja em que transporte publico quiser, mas por favor em horas de ponta..
Depois não percebo, o senhor afirma, "...no entanto o terreno está a ser usado e ninguém é compensado por isso..." então se a EMEL cobrasse já não havia problema?
E quanto às fotos dos lugares pintados nos passeios, será que foram os automobilistas que os pintaram? Ou são antes lugares pagos, e portanto (como junto ao colégio Francês) que se lixe o trânsito e o perigo de acidentes, é preciso é arranjar mais lugares para encher os bolsos à EMEL ?..
Quanto aos 21 anos, só queria lembrar que no tempo do homem das botas era assim sim senhor...Se quer regressar a esse tempo é consigo...Eu não..

De MC a 25 de Outubro de 2007 às 22:40
Caro Transtago
Leia este post: http://menos1carro.blogs.sapo.pt/67566.html
A pessoa X trabalha no IST.

De Gringa a 26 de Outubro de 2007 às 10:30
Comentário de valor!

Estou consigo a 100%! Frases feitas, transportes em hora de ponta, EMEL...parece-me muito bem!!
De rafael a 22 de Novembro de 2008 às 18:13
A zona do instituto é bastante acessivel no que toca a transportes publicos, e a emel la dentro nao conta, nao me parece que esse seja o problema.

quando ao excesso de carros, em lisboa podiam prescindir de um lote de construção e criar 1 arranha ceus para estacionar carros, visto que a média de veiculos automobilizados em protugal (pais que tem uma média de 3 pessoas por familia), 2 carros em média e algumas 3 ...



De Transtago

acha que isto é progresso???
tenha pena

é a estupidez ....
De Tárique a 26 de Outubro de 2007 às 15:39
E quanto às fotos dos lugares pintados nos passeios, será que foram os automobilistas que os pintaram? Ou são antes lugares pagos, e portanto (como junto ao colégio Francês) que se lixe o trânsito e o perigo de acidentes, é preciso é arranjar mais lugares para encher os bolsos à EMEL ?..

Isto são passeios dentro da própria escola e o estacionamento não é pago, não senhor! Pelo contrário, fez-se mais um lugar de estacionamento em cima do passeio, dentro do IST para evitar que um pobre automobilista a tivesse que pagar (coitadinho) para ocupar o espaço público com o seu automóvel. Afinal, só já havia umas centenas de lugares dentro da escola, porque não ocupar também as salas de aulas com carros?

ps: para não falar dos ginásios de pós graduação, ao lado do estacionamento, onde quem quer fazer desporto tem que fazê-lo respirando o monóxido de carbono do parque de estacionamento subterrâneo.
De PiP a 31 de Janeiro de 2008 às 19:08
Eu concordo em grande parte com o autor do post e devo acrescentar, para maior informação, que os lugares pintados por cima da calçada, no Instituto Superior Técnico, não são pagos. São lugares dentro do Instituto, reservados para o pessoal docente e não docente e alguns alunos. Mas o que mais me choca é isto: NÃO há passeios para os peões dentro desta faculdade, mas se vai a andar pelo meio da estrada (o passeio está apinhado de carros!) o mais provável é ouvir uma valente buzinadela (dentro do recinto, perto de salas de aula!) para deixar passar o senhor professor que vai com pressa!
De OLima a 25 de Outubro de 2007 às 23:48
Parabens, António, pelo destaque do Sapo. É sinal de que aqui se trabalha a sério e com muita qualidade. Um abraço.
De António C. a 26 de Outubro de 2007 às 00:20
Obrigado Octávio,

no entanto, o grande responsável por este trabalho e manutenção do blog é mesmo o MC.

eu sou apenas mais um co-autor interessado em melhorar a vida nas cidades.
De lol a 26 de Outubro de 2007 às 00:58
não faria sentido aumentar a idade da autorização para tirar a carta de condução para 21 anos

QUE IDIOTICE PEGADA! Só hipocrisia... e já agora, os estudantes têm tanto direito a usar carro como qualquer cidadão!
De blogdaping a 26 de Outubro de 2007 às 16:06
Quem fala assim, não é gago....
De João a 26 de Outubro de 2007 às 02:29
É a primeira imagem que vejo da zona onde se situava a antiga Escola Secundária da Cidade Universitária depois da demolição... Um fim pouco digno para a que já foi das melhores escolas de Lisboa.... Quanto ao assunto em questão é curioso a referencia a essa zona, à qual eu me deslocava diariamente de carro apesar de estar relativamente bem servido de transportes públicos. Pelos menos na altura em que fazia esse percurso ele era extremamente inseguro, sendo muito comuns as histórias de violência e assaltos na zona, isso conjugado com a sobrelotação dos transportes públicos (se ninguém usa não sei como estão sempre a abarrotar....) tornava inviável a minha utilização dos mesmos.... Ia gastar mais no passe social pelo puro prazer de ser assaltado, comprimido contra a porta do autocarro e ainda por cima demorar o triplo do tempo? Não Obrigado. Quanto ao caso do IST apenas dá para rir, mas acho uma abordagem sincera à questão do estacionamento! Acredite que (julgo que não será o caso do IST) existem muitos locais pessimamente servidos pelos transportes colectivos e que os moradores após estacionarem nas ruas sobre lotadas e sem condições acordam diariamente para encontrar a bela da multa ou do bloqueador na roda... Ora se não há estacionamento legal nem cobertura pela rede de transportes, não será hipócrita multar esses condutores? Tanto que se fala na falta de civismo dos portugueses, mas se calhar dever-se-ia falar mais na pouca qualidade dos serviços rodoviários públicos e na escassez e má qualidade do "estacionamento legal"....

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006