Terça-feira, 23 de Outubro de 2007

Multas de estacionamento mais altas s.f.f.

Dado o eterno problema do estacionamento ilegal nas cidades portuguesas (que é quase diariamente referido nos blogues sobre Lisboa), julgo ser necessário lançar o debate sobre o valor da multa que considero demasiado baixa por três razões.


1. Custo de fiscalização
Basta somar dois mais dois para perceber que os custos de fiscalização (policiamento, equipamento, administrativos, reboque, cobrança, etc...) excedem largamente as receitas cobradas através da multa e o eventual reboque. E isto acontece admitindo que as multas são todas cobradas, o que obviamente não se sucede. O mínimo dos mínimos do tolerável seria que este custo recaisse sobre os prevaricadores e não sobre as vítimas, a saber os peões, os utentes dos transportes públicos e os automobilistas cumpridores.
2. Dissuasão
Num Estado de Direito a multa deve ser encarada como uma meio de dissuasão para possíveis incumprimentos à lei, e não como uma penalização ou uma vingança. Nesse sentido não faz sentido argumentar que quem estaciona mal não é um criminoso que mereça uma punição alta. Sejamos honestos: qual é a dissuasão que é induzida por uma multa de 30€ que é passada em 1% dos incumprimentos?
3. Estacionar nos locais próprios e não pagar sai mais barato que o parquímetro
Faça as contas! Nunca pagar o parquímetro e pagar as ocasionais multas (uns 30 euros uma vez por mês) é bem menos do que pagar regularmente o parquímetro. Há aqui portanto um incentivo a não cumprir a lei e por consequência a aumentar os custos de fiscalização e o incómodo provocado a terceiros.

Por curiosidade, a multa em Londres é de 100 libras, mais de 140 euros.

(Adaptado do meu post no CidadaniaLx)
publicado por MC às 18:59
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Ulisses Adirt a 24 de Outubro de 2007 às 23:43
Adorei a reflexão... vale o mesmo para o Brasil...
De lol a 25 de Outubro de 2007 às 11:43
Que treta. Nem concordo nem nunca concordei com parquímetros. Os impostos pagam TODAS as obras de urbanização. Parquímetro é um "imposto" sobre um imposto, apenas um meio das CM se financiarem para desfalcarem mais. Não existem transportes públicos decentes para metade da cidade de Lisboa, além de que não existem sítios alternativos onde deixar o automóvel. Não se vai conseguir tirar os carros das cidades, é algo que já deveria ser previsto há mais de 50 anos. E a tentativa de fazer passar o carro como um luxo não pega, a se não ser que tenham as classes altas e políticos sem poderem também usar carro.
Ou seja, as cidades vão ter de se adaptar aos carros, e passa por garagens obrigatórias nos prédios, carros menos poluentes, melhores serviços públicos e espaços gratuitos para estacionar.
De Anti MC e Anti Emel a 9 de Maio de 2008 às 21:35
oh palhaço quando começares a andar de carro até te vai apetecer morreres quando veres a merda que escreves
De omg a 18 de Dezembro de 2008 às 14:09
vai po caralho

ou tens muito dinheiro ou não andas de carro, se tivesses uma vida normal não falavas assim
De fábio a 16 de Fevereiro de 2009 às 11:50
Bem, tu ou és do governo e nem tu acreditas na merda que estas a dizer, ou então és mais um atrasado mental que vêm pros blogues partilhar a merda que têm na cabeça. os impostos que os automoveis pagam é para varias finalidades nomeadamente o espaço que o veiculo ocupa na via publica, o resto é pa encher o cu de dinheiro ás autarquias e mais a alguns gulosos que pra lá andam como por exemplo a emel. para reduzir os carros nas cidades deviam era não dar a carta a qualquer palhaço que saiba dizer pão e depois andam na estrada a empatar o transito e a causar acidentes
De MC a 16 de Fevereiro de 2009 às 15:19
são as duas coisas, sou do governo e sou um atrasado mental que vem partilhar a merda que tem na cabeça

:)
De texa.. a 25 de Outubro de 2013 às 02:43
M (mente) C (capto), acho que os demais intervenientes neste espaço de debate ja disseram tudo..serás certamente uma criaturazinha aberrante que nunca teve o prazer/necessidade de conduzir e ter que estacionar no centro de uma grande cidade como Lisboa ou Porto..enfim

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006