Segunda-feira, 17 de Setembro de 2007

Entrevista a Hermann Knoflacher I

Aqui ficam alguns excertos de uma excelente entrevista a Hermann Knoflacher, professor de Transportes na Universidade Técnica de Viena, à revista Die Zeit :

Qual é a influência que a motorização tem na nossa sociedade?

Uma influência inimaginável. O carro é como um vírus , que se estabelece no cérebro e altera totalmente o código comportamental, o sistema de valores e a nossa percepção. Um homem normal caracterizaria o nosso habitat actual como totalmente maluco. Nós mudamo-nos mais ou menos voluntariamente para casas vedadas com vidros especiais, de modo a deixar o barulho, o pó e as emissões dos automóveis lá fora. Isto é uma inversão total de valores, que já nem nos salta à vista.

Como chegou a essa opinião?

(...) No carro precisamos apenas de um sexto da nossa energia corporal [para nos movimentarmos] e temos a impressão de ser imensamente rápidos e fortes. Isto é uma componente. A outra é partir-se do princípio no planeamento urbano, de que o carro deve ser levado a uma enorme proximidade de todas actividades. Assim destrói-se o nosso habitat, o transporte público, o comércio tradicional e por último as redes sociais, que foram construídas pelo homem no correr dos milénios.

O carro destrói a evolução?

Não, mas as conquistas humanas das últimas gerações foram destruídas pelo carro.

A era do automóvel representa o nosso declínio cultural?

Eu não diria isso assim, porque o declínio cultural  não é um verdadeiro problema na minha opinião.  Apenas quebra uma camada de evolução mais tardia. Muito piores são os futuros danos estruturais, que são trazidos pelo automóvel.

O andar de automóvel é um vício?

Com certeza! O automóvel apodera-se das pessoas. Os automobilistas distinguem-se mais dos homens do que os insectos.

O que quer dizer com isso?

Os insectos têm em comum com os homens, o facto de vencermos a mobilidade com a nossa energia. O automobilista não. E não existem insectos, que destruam o habitat dos seus descendentes por comodismo, ou que se movam tão rápido que se possam matar.

(...)

É um crítico das entidades de transportes e ao mesmo tempo planificador. Como é possível?

No início da minha carreira descobri que a ciência dos transportes estava baseada em meras suposições. As consequências para a sociedade ou o ambiente não eram então tomadas em conta. Ninguém se preocupava se haveria problemas de ruído ou emissões, se haveria mortes, se a economia se alterava ou se criaria desemprego.

(...)

Assumia-se que o aumento da motorização levaria uma melhoria na mobilidade. Entretanto sabe-se que o número de viagens de automóvel cresce, mas a soma das viagens efectuadas é a mesma, porque diminuem as viagens por transportes públicos e a pé ao mesmo tempo. A segunda suposição errada é aquela da poupança de tempo com um aumento da velocidade. Esta tese faz parte da base de muitas análises económicas no planeamento de transportes. Na realidade não há nenhuma poupança de tempo através de velocidades mais elevadas. Aumentam apenas as distâncias para o mesmo tempo de viagem.

Como se sabe isso?

Ao analisar-se criticamente o nosso orçamento temporal. Curiosamente o tempo gasto diariamente para mobilidade é mais ou menos constante em todo o globo. No entanto as distâncias envolvidas são diferentes.(...)

publicado por MC às 23:51
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De jogo da sueca a 18 de Setembro de 2007 às 10:14
viva!

depois do seu comentário vim cuscar o seu blog, e tem aqui uma iniciativa louvável!

continue com o bom trabalho de informação e sensibilização!!!
De Rubens a 29 de Maio de 2008 às 23:09
OTIMUUU TEXTU !!!!!!!!!!!
TOTALMENTE ACESSIVEL !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
BEIJUUUUUUX !!!!!!!!!!!!!!!

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006