Sábado, 21 de Julho de 2007

O Forreta e o Pobre de Espírito

Há uns anos numas férias, conheci um imigrante português em Amesterdão, empregado num restaurante. A conversa, como seria de esperar, foi parar à comparação entre nós e eles. Dizia-me o português que os holandeses eram muito forretas. Forretas como? "O meu patrão, por exemplo, tem muito dinheiro, tem vários restaurantes e tem um grande Mercedes em casa. Mas mesmo assim vai de bicicleta para o emprego."

--------------------------------------------------------------------------------------------

Às vezes questiono-me se a melhor maneira de incentivar uma mobilidade mais sustentável no Portugal novo-rico e sedento de ostentação, não seria atribuir preços altíssimos aos transportes públicos e bicicletas e oferecer automóveis por vinte tostões.
publicado por MC às 01:38
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De joanito@iol.pt a 21 de Julho de 2007 às 02:41
É a mentalidade típica do Zé Portuga!!
De tiago a 21 de Julho de 2007 às 12:35
É um belo retracto do que somos... apesar de anedótico !

Continuação de excelente blogue!
De papy a 21 de Julho de 2007 às 14:40
eu tambem tenho casais amigos que são forrentas e
para se ir comer alguma coisa com eles não querem
eu sou poupada mas assim não o forrenta não é boa
companhia acha tudo caro.

tive muito prazer dar a minha opinião.

até breve sempre que queiram escrever.

nelapipocas
De filipe campos ferreira a 21 de Julho de 2007 às 16:02
Caros Amigos,
Penso ter chegado a hora de termos um papel mais interventivo.
Nunca se falou tanto no uso das Bicicletas nas Cidades (não só em Lisboa), por isso penso ter chegado a altura para tentarmos fazer uma grande reunião magna convidando todos os grupos e indivíduos interessados neste assunto para discutirmos entre nós aquilo que achamos que é fundamental para que os diversos Poderes sejam eles nacionais regionais e/ou locais, passem à acção e que deixem de nos usar só nos períodos eleitorais.
Teríamos que pensar num local para esta reunião, a FPCUB deverá ter um papel de liderança (como tem tido ao longo da sua existência) nesta luta. Depois de chegarmos a conclusões deveríamos fazer uma grande iniciativa nas ruas para chamarmos à atenção de que, de uma vez por todas, os diversos Poderes têm que passar à prática aquilo que têm prometido e nós temos que ser mais actuantes.
Gostaria de saber se estão de acordo e o que acham de marcarmos uma reunião.

Um Abraço
Filipe Campos Ferreira
De Quadrado da Hipotenusa a 21 de Julho de 2007 às 19:03
Hummmmmm bela teoria!

Será que resulta?
De João Sepúlveda de Sousa a 21 de Julho de 2007 às 19:35
Não percebo porque razão deve a FPCUB ter a liderança. Não me parece uma organização com técnicos especializados em questões de mobilidade, coerente e que saibam o que querem. Actualmente existem tantas pessoas a trabalhar pela promoção da bicicleta, que a FPCUB já não é o centro. Hoje a promoção da bicicleta passa por dezenas de blogs, como este, por algumas empresas, por grupos, e sobretudo por aqueles que andam de bicicleta com frequência, alguns até diariamente como meio de transporte ou lazer. Duvido que na FPCUB andem de bicicleta regularmente. Por vezes parece que o mais importante na FPCUB não é a bicicleta, mas a angariação de sócios que vão atrás do seguro, no fundo o sucesso financeiro. Reconheço contudo o papel percursor da FPCUB na introdução deste tema em Portugal. Felizmente, existem cada vez mais caminhos. No fim, vamos todos dar ao mesmo local, embora as paisagens e percuros tenham sido muito diferentes.

Um abraço,
João Sepúlveda de Sousa

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Não podemos estar indifer...

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(216)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006