Quarta-feira, 18 de Julho de 2007

Lisboa é para carros não para pessoas - prova #78

Provavelmente nenhum leitor alguma vez reparou nisto (o que em si é a prova #79 de que Lisboa é para carros não para pessoas): a quase totalidade de cruzamentos em Lisboa tem o menor número possível de passagens de peões. Não é que isto seja feito de propósito, os cruzamentos são é pura e simplesmente pensados de modo a incomodar os automóveis o menos possível. Não é ao peão, que é quem dá vida à cidade, que é atribuída a prioridade máxima. Sejam cruzamentos sem semáforos (logo com passadeiras) ou com semáforos, isto acontece mesmo nas zonas da cidade onde há mais peões, mais vida e mais comércio: Av. Liberdade, Av. Fontes Pereira de Mello, Av. Roma, Baixa, Av. República, etc... E quem diz Lisboa, diz provavelmente todas as cidades do país.

Por exemplo:

Cruzamento com apenas 3 passagens de peões

Para passar de D a C, o peão é forçado a cruzar 3 vezes a rua, esperando por isso durante 2 ou 3 mudanças de sinal. De D a B , ou A a C espera por 1 ou 2 mudanças de sinal. Os veículos, seja qual for a chegada e a partida, esperam apenas por 0/1 mudanças de sinal.

E isto não se fica pelos cruzamentos com 4 entradas, aplica-se também aos com 3 ou 5, onde o caso consegue ser mais aberrante.

Da próxima vez que andar na cidade repare. E espante-se.
publicado por MC às 21:45
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Zé da Burra o Alentejano a 19 de Julho de 2007 às 11:51
Este blog te o título "Menos 1 carro em Lisboa". Será que é o seu e que você está disposto a prescindir dele?

Quem terá sido o ilustre decisor que deixou de fora a quarta travessia? Deve ser um daqueles políticos que está a ajudar este país a evoluir e a aproximar-se dos nossos parceiros da UE!

Porque é que em Lisboa devem haver travessias em diagonal, à semelhança das grandes metrópoles, como: Nova York, Tóquio, São Paulo, etc... , com mais do dobro dos habitantes de Portugal inteiro. Não encontra diferenças? Já reparou na largura e número de vias dessas avenidas? Convença-se que Lisboa é uma pequena cidade, se a considerarmos a nível mundial.

Os peões deveriam ser também ensinados a atravessar uma rua e multados nalguns casos, como acontece nalgumas grandes cidades. Há casos de autentica loucura no atravessamento de ruas: fora das passadeiras; nas passadeiras, mas com o sinal vermelho para os peões; nas passadeiras sem semáforo, aparecendo repentinamente e a correr; pessoas que vão circulando ao longo da rua e que quando chegam à passadeira fazem quarto de volta e que repentinamente a atravessam de imediato, sem repararem se vem algum veículo muito próximo, fiando-se apenas no seu direito de passagem.

Zé da Burra o Alentejano




De MC a 24 de Julho de 2007 às 23:51
"será que é o seu e que você está disposto a prescindir dele?"

Quer realmente quer saber? É que já reparei que desvalorizou um comentário de outro leitor, porque ele não tinha carro. Ou seja, se alguém tem é incoerente, se não tem não merece opinião!! Preso por ter cão e preso por não ter.

Mas se quer mesmo saber, não tenho carro há 10 anos. E mesmo esse foi durante um período transitório.
De MC a 24 de Julho de 2007 às 23:53
De qq modo, ão é isso que está em causa. Eu não quero proibir NINGUÉM de andar de carro. Quero apenas mostrar as inúmeras consequências deste abuso.
Mesmo que tivesse carro e o usasse no dia-a-dia, não mudaria uma linha do que escrevo aqui.
De Zé da Burra o Alentejano a 23 de Agosto de 2007 às 10:40
Não! não estou disposto a prescindir do carro enquanto o puder suportar e usar. Tenho também a felicidade de não morar em Lisboa e por isso pouco me afectam os problemas dos automobilistas da capital, que, aliás, são também peões.

Mas também lhe digo: cada vez mais o automóvel é mais imprescindível, senão repare: Os transportes públicos regem-se cada vez mais pelo lucro, sendo eliminadas as carreiras menos rentáveis. Isto passa-se até na capital com a recente alteração das "Sete Colinas". Juntamos a isto o facto dos Centros de Saúde, Hospitais, Escolas, e, quiçá em breve, os próprios Tribunais estarem a ficar cada vez mais afastados das populações. Assim, quem não tiver meio de transporte próprio está a ficar mesmo em "maus lençois".
Quanto ao comentário que alegadamente terei desvalorizado, não sei qual é, pois julgo ter sido o primeiro a comentar o seu "post".
Cumprimentos,
Do Zé da Burra o Alentejano
De MC a 28 de Agosto de 2007 às 09:10
"não estou disposto a prescindir do carro enquanto o puder suportar e usar"

A questão está aí! Claro que o carro é confortável,mas é impossível todos usarmos o carro. Todos gostariamos de poder fazer barulho a qualquer hora, todos gostaríamos de ter uma casa sobre a praia (e que ela fosse a única na zona), todos gostaríamos que houvesse um caminho livre para os nossos percursos, etc... Mas isso é impossível.

Por alguma razão inexplicável só o automóvel tem escapado a esta regra óbvia: a nossa liberdade acaba onde começa a dos outros.
De felisteus a 25 de Julho de 2007 às 00:58
Acho que o "Zé da burra" tocou num ponto muito interessante que é o péssimo comportamento dos peões em qualquer cidade portuguesa.
O peão não considera que o automóvel tenha qualquer direito e mesmo com carros a chegar às passadeiras sem semáforos, sem qualquer respeito por este, atira-se para cima da passadeira como sendo uma propriedade apenas sua.
Penso que se um carro estiver a cerca de 20/30 metros duma passadeira sem sinais de controle automático, a prioridade é do carro e não do peão.
Como será que um juiz julgará um acidente em que o peão seja agressivo demais na entrada da passadeira?
De José Amoreira a 24 de Julho de 2007 às 17:52
Não é só Lisboa. Até numa pequena cidade como a Covilhã encontramos sinais de que ordenamento, se há algum, é pensando nos carros, não nas pessoas. Olha para este artigo do Cântaro Zangado
http://ocantarozangado.blogspot.com/2007/07/desordenamento-urbano.html
Abraço!

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Não podemos estar indifer...

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(216)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006