Quinta-feira, 12 de Julho de 2007

Menos Carros = Menos Pessoas? II

Umas das boas medidas de Santana Lopes foi o fecho ao trânsito dos bairros históricos, como o Bairro Alto e a Bica. Lembro-me que na altura a ideia foi criticada porque havia o receio de que menos acessos por automóvel prejudicariam gravemente o comércio. A argumentação era simples, dificultando o estacionamento a quem é de fora (os moradores saíram beneficiados), o público acabará por optar por outros destinos. Na zona do Bairro Alto é agora muito difícil agora estacionar de borla.
Infelizmente para os moradores, aconteceu exactamente o contrário. A vida nocturna nestes dois bairros teve um aumento que ainda hoje se mantêm, provando que até num dos países mais carro-dependentes da Europa menos carros significa mais vida e mais pessoas.
publicado por MC às 00:30
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De felisteus a 14 de Julho de 2007 às 16:33
Não sei como está esse Bairro Alto e outros locais da Capital com esses cortes de trânsito, mas, aí penso que pelo menos há transportes públicos que servem as pessoas.

Noutras cidades, criaram parques de estacionamento por todo o lado, forçando as pessoas a estacionar neles apenas com a finalidade que é o negócio para ricos. Para os mais pobres isto é uma discriminação!

A poluição aumentou porque com os programas Polis as Câmaras desbarataram dinheiro a mudar todas as ruas centrais e onde havia ruas e avenidas com dois sentidos e estacionamento, temos agora uns canudos de sentidos únicos de ruas muito apertadas onde carros de maior porte nem conseguem curvar nos cruzamentos dentro das suas faixas de rodagem.
Percorremos muitos mais Km para irmos aos mesmos locais e temos uma fluidez péssima de para e arranca causada pelo afunilamento de ruas onde antes tínhamos dois sentidos e boa fluidez.

Em cidades pequenas como Viana do Castelo onde já quase não há um lugar à superfície para estacionar. Só há parques pagos e caros que não estão ao alcance do poder de compra dos nossos péssimos salários.
Nesses canudos apertados de sentido único, a poluição aumentou com as bichas de para e arranca, por isso, aqui, embora haja passeios bonitos, os Vianenses que aqui vivem e trabalham têm pior qualidade de vida, maior poluição e muito mais stress. Seria bem melhor para os Vianenses que a Polis nunca tivesse existido.
De Anónimo a 14 de Julho de 2007 às 22:08
Lamento.. apesar de ser solidario com o blog não creio que possa concluir uma coisa a partir da outra. Não é conclusivo de maneira nenhuma.
De Zé da Burra o Alentejano a 18 de Julho de 2007 às 16:38
Constatam-se:

1.º) As queixas constantes dos comerciantes que dizem, e têm razão, que os clientes lhes fogem porque não têm onde estacionar para fazerem as compras. Não é por acaso que a generalidade dos cliente está a afluir cada vez mais aos Grandes Centros Comerciais, que oferecem estacionamento grátis;

2.º) A desertificação da cidade também não é alheia à dificuldade de um cidadão com um poder económico mediano de estacionar o seu carro.

Só os ricos têm esse problema resolvido, pois cada vez há mais condomínios fechados que têm os seus próprios locais de estacionamento. E quando saem com os seus Ferraris, Porches, Messarattis, BMW ou Mercedes (último modelo) ... não incomodam os "míseros" euros pagos para estacionar. O que incomoda é a "Empregada Doméstica" pedir mais 50 cêntimos por hora pelo seu trabalho e respondem frequentemente: - "Olhe que agora há aí muita gente que trabalha por menos..." .

Porque se continuam a construir dentro do centro da cidade edíficios sem parques de estacionamento para os seus moradores e para os seus utilizadores: sejam trabalhadores, fornecedores, clientes....???

Zé da Burra o Alentejano


Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Ferrovia vs Rodovia em Po...

Dieselgate, só por si, ca...

Emissões da rodovia aumen...

Emissões CO2 de baterias ...

Santos Populares vs Carro...

Documentário de 1973 da R...

Acabou a maior vergonha n...

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(68)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006