Quarta-feira, 4 de Julho de 2007

"Túnel do Marquês é bom para Lisboa"

A primeira capa do último Expresso tinha um "Túnel do Marquês é bom para Lisboa" que remetia para um "Túnel do Marquês dá razão a Santana" no interior. Quem lesse apenas as letras gordas ficava convencido de tal título, mas com mais atenção é óbvio que isso não é assim. As novidades (que não são propriamente novidades, apenas confirmações das previsões dos críticos do túnel em termos de trânsito) podem ser resumidas a: mais fluidez ao longo do percurso do túnel, menos fluidez nas restantes vias e mais automóveis a entrar na cidade. Quando é consensual que Lisboa precisa de menos automóveis é curioso que estes dados sejam "bons para Lisboa".

Número chave: de 88 mil automóveis por dia a circular no Marquês, antes do túnel e antes das obras passámos para 102 mil por dia!

Curioso que o excerto com citações de técnicos e da polícia é remetido para o fim e contrasta com as citações dos populares que aparecem em destaque:

O túnel atrai trânsito e vias próximas do Marquês de Pombal têm trânsito como nunca tiveram. É o caso dos últimos dois quarteirões, no sentido ascendente, da Avenida da Liberdade. “Actualmente, ocorrem intensidades jamais observadas”, reconhece a Divisão de Tráfego. O recorde atinge os três mil veículos/hora, no período de ponta da tarde. Há várias leituras. E é junto de especialistas que se ouvem as primeiras críticas ou, então, avaliações menos encomiásticas. “O túnel gerou maiores engarrafamentos na Avenida da Liberdade, pois há menor capacidade de escoamento à superfície”, afirma Fernando Nunes da Silva, professor do Instituto Superior Técnico. “O mesmo acontece para quem desce a Fontes Pereira de Melo e pretende dirigir-se para a Baixa ou para o Largo do Rato”, acrescenta.
Vasco Colaço, consultor na área dos transportes, coloca o dedo na mesma ferida. “Quem perde é quem circula em Lisboa, pois a Fontes Pereira de Melo ficou estrangulada. Os tempos semafóricos foram muito alterados e isso nota-se. E hoje circula-se pior na Avenida da Liberdade, sobretudo no sentido ascendente”.

Pode também deprender-se dos destacados comentários dos populares que estes estão a comparar 2006 - quando havia obras que atrapalhavam toda a zona - com o trânsito hoje, o que é claramente uma comparação abusiva.

Resta ainda acrescentar que 2 meses em termos de tráfego é muito pouco para se poder tirar conclusões. Primeiro porque os dados são ainda pouco precisos. Segundo porque a adaptação ao fluxo de trânsito aquando da abertura de uma nova via demora muitos meses (basta pensar nas auto-estradas que quando abrem estão vazias durante meses), sendo que os primeiros meses são sempre marcados por uma fluidez melhor do que aquela que acontece em equilíbrio.
publicado por MC às 20:31
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De tiago a 5 de Julho de 2007 às 23:25
:( e quem sofre é quem anda em cima de duas rodas... mas pronto... é preciso força para vencer esta adversidades, grandes adversidades...
De Mario a 6 de Julho de 2007 às 02:03
Ainda hoje tornei a ter a mesma conversa com um taxista e a confirmar o que afirma Vasco Colaço: os serviços camarários alteraram os semáforos tornando mais demorado a Fontes Pereira de Melo (descendente) e Av. da Liberdade (ascendente) de forma a fazer fluir o corredor Amoreiras-Marquês. Isto denota uma cumplicidade do corpo técnico da câmara com o poder político - de maneira a que se possa concluir que com o túnel se entra muito melhor em Lisboa - seria de qq forma verdade temporariamente e mesmo sem alterar os tempos dos semáforos até à saturação de equilíbrio, mas a campanha eleitoral precisava de um efeito espectacular.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006