Quinta-feira, 14 de Junho de 2007

Programa do BE e do PS para Lisboa

Mais dois programas, ambos com excelentes propostas. A parada está claramente alta em termos de mobilidade sustentável neste campanha.
Mais uma vez limpei o consensual e as frases vazias, reformulei as frases, e escrevo os meus comentários a azul.  Curiosamente estas duas candidaturas usam algumas ideias que a FPCUB enviou há umas semanas em comunicado.

Programa do BE (aliás pré-programa)

- Privilegiar no PDM os transporte públicos e a bicicleta
- 4 linhas de eléctricos de superfície
- Rede ciclável eixo ribeirinho Algés/Moscavide, eixo Alcântara/Jardim Zoológico/Carnide e eixo Benfica/Telheiras/Campo Grande/Parque Eduardo VII. Parabéns! São ciclovias que claramente pensam na bicicleta como meio de transporte e não como meio recreativo
- Parque municipal de bicicletas para utilização pública, com postos espalhados pela cidade. Excelente! Barcelona está a provar que é uma boa solução
- Campanha massiva de criação de parques de estacionamento para residentes, a custos reduzidos. Massiva? Preços reduzidos? Há que ter atenção aos falsos residentes, e à penalização que deve haver aos lares com vários automóveis.
- Estudo sobre portagens. Nem carne, nem peixe
- Funcionamento da Autoridade Metropolitana de Transportes + estudar a municipalização da Carris e do Metro. Ambas fundamentais, curiosamente a segunda é o oposto do que estranhamente a CDU defende.

Programa do PS


- Reforço da fiscalização e repressão do estacionamento selvagem com reforço o número de
bloqueadores de automóveis.
- Não às portagens porque já há bastantes. É preciso dizer que as portagens que existem neste momento são para financiar auto-estradas e não a cidade, e que o seu valor é bastante baixo no custo total do uso do automóvel. Em Londres a portagem é 12€
- Protecção dos bairros do tráfego de atravessamento através de lombas,  rebaixamento de passeios e sentidos proibidos,  proibição de circulação
- Criação de ciclovias Parabéns!
- Promoção da deslocação a pé junto das escolas. Em vários países europeus há pedibus ", algo como um autocarro humano, onde as crianças vão e vem em grupos grandes acompanhados por um adulto. Julgo ser esta a ideia.
- Instalação de estruturas de estacionamento para bicicletas junto à entrada de jardins, edifícios públicos, zonas de comércio e terminais/principais estações de transportes públicos. Ideia já apresentada pelo PEV e aprovada na AML
- Criação de caixas de paragem para bicicletas nos semáforos, para maior visibilidade
- Elaboração a execução do Plano Ciclável de Lisboa, ligando a ciclovia já existente entre Telheiras/Campo Grande/ Entrecampos, à zona da Baixa e ao Tejo, e ainda a Monsanto e à Alta de Lisboa, Olivais/Parque das Nações/Tejo e Belém/Parque das Nações. Igual ao BE , logo suponho venha do FPCUB . Parabéns pela inclusão!
− Criação de um projecto-piloto em certas zonas da cidade de aluguer de bicicletas municipais (as BicLis ) para utilização pública. Mesmo comentário
− Criação de uma webpage sobre Mobilidade em Bicicleta na Cidade de Lisboa que permita
informar sobre a utilização da bicicleta.
- Procurar-se-á reclamar maior protagonismo para a Câmara Municipal, no quadro da Autoridade Metropolitana de Lisboa. Primeiro é preciso que funcione
− Reactivar eléctricos (Cais do Sodré – Rato),  prolongamento do eléctrico 15 até ao Parque das Nações
− Continuidade e aumento dos corredores Bus e expansão da prioridade para autocarros e táxis nos cruzamentos com semáforos.
− Incentivar planos de transporte para os funcionários de empresas com mais de duzentos
trabalhadores que minimizem o uso do transporte individual. Boa ideia!
− Avaliar a possibilidade de criação de um serviço de transporte escolar. Isto é fundamental porque muitos lisboetas se "vêem forçados" a usar o automóvel devido ao transporte dos seus filhos.



Não resisto a copiar alguns interessantes parágrafos do programa que bem poderiam ser posts deste blog! (Para que não haja dúvidas, o meu voto nem vai para o PS)

A cidade viu degradar-se, nos últimos anos, os padrões de qualidade de vida urbana. Crescentes estrangulamentos na mobilidade de pessoas e bens - que repousa num sistema assente na primazia dada ao automóvel e ao transporte individual - geram ineficiência e desperdício. A qualidade do ar atinge níveis preocupantes em matéria de saúde pública. Os níveis de ruído ultrapassam os valores adequados. O espaço público vem escasseando, e a qualidade da sua manutenção vem decaindo.

A cidade do futuro não será a cidade do automóvel das últimas décadas  e nela os carros estarão ao serviço das pessoas e não o contrário. A política municipal deve ter como prioridade sarar as feridas causadas à cidade pelo automóvel.

Daqui tem resultado a degradação do espaço público pelo automóvel, a degradação da qualidade ambiental, e grandes ineficiências económicas, particularmente pelas perdas de tempo nos engarrafamentos.
publicado por MC às 01:23
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De António Cruz a 14 de Junho de 2007 às 10:09
Não tenho a certeza absoluta, mas a portagem em Londres penso que seja de 12 Libras e não de 12 Euros cada vez que o carro passa na zona paga. Ou seja, se no mesmo dia o carro entrar e sair várias vezes o valor multiplica-se...

Caso não se confirme as 12 Libras peço desculpa pelo comentário.
De António Cruz a 14 de Junho de 2007 às 10:22
Ok. Retiro o que disse.
Após breve pesquisa na internet verifico que o valor é de 8 Libras. Não sei porque tinha outra ideia na cabeça.
Todas as informações sobre esta taxa de congestionamento podem ser encontradas em: http://www.cclondon.com/

A haver portagem em Lisboa, sugiro um preço mínimo de 5 Euros

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

Comércio local cresce

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(215)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006