Terça-feira, 22 de Maio de 2007

Texto de Susana Fonseca sobre a carro-dependência

A Susana Fonseca da Quercus publicou há duas (?) semanas um interessante artigo intitulado "O automóvel e o (sub) desenvolvimento de um país" na revista Perspectiva que foi distribuída com o Expresso.
Fundamentalmente ela alerta para aquilo que eu já várias vezes escrevi: os portugueses, dado os rendimentos que têm, possuem um número estupidamente alto de automóveis.


O automóvel e o (sub) desenvolvimento de um país

 

Susana Fonseca

 

 

Não é à toa que com frequência em Portugal temos a sensação de estarmos rodeados por automóveis. Somos um dos países da UE em que o número de automóveis mais cresceu entre 1995 e 2004. Em 1995, segundo dados do Eurostat, por cada mil habitantes era possível encontrar em Portugal 374 carros, mas em 2004 já existiam 572.

Para alguns tal poderá justificar-se pelo aumento da qualidade de vida, do rendimento disponível e pelo desenvolvimento geral do país. Contudo, na UE25, Portugal é o 3º país com mais automóveis por cada mil habitantes (seguindo-se-lhe a Itália e o Luxemburgo), mas não é certamente o terceiro país mais rico, isto se quisermos entender que a posse de um automóvel é um símbolo de bem-estar económico. De facto, países como a Suécia, o Reino Unido, a Dinamarca e a Holanda são bons exemplos de como a um desenvolvimento económico elevado não tem que corresponder um consumo desenfreado deste “bem”.

Como bom termo de comparação podemos olhar para a média comunitária. Neste caso, quer consideremos o universo mais restrito da EU15 ou alargarmos para a UE25, Portugal excede a média comunitária de forma significativa. De qualquer modo, é importante sublinhar que nos Estados Unidos da América a média é um pouco superior, chegando aos 711 veículos por cada mil habitantes.

Obviamente, não é apenas o número de automóveis que conta. Os impactos podem variar muito consoante o modelo escolhido ou o uso que se faz do veículo. No que diz respeito ao primeiro aspecto, Portugal ganha alguns pontos em relação aos seus parceiros europeus. Segundo estudos recentes divulgados pela federação europeia Transports & Environment (T&E), no quadro da UE15, Portugal apresenta a menor média de emissões de dióxido de carbono quando analisamos os automóveis novos. Talvez devido ao custo elevado dos veículos e da sua manutenção que levam a que os portugueses tendam a adquirir veículos mais pequenos e económicos. Por outro lado, temos a tendência para percorrer mais quilómetros do que os nossos parceiros comunitários, eliminando eventuais benefícios que a contenção na aquisição pudesse trazer para o ambiente.

E no entanto, toda esta louca corrida aos automóveis acaba por causar inúmeros problemas ao país. Dependente da importação dos combustíveis fósseis, Portugal acaba por desequilibrar a sua balança comercial ao mesmo tempo que desequilibra a sua balança ambiental, contribuindo dia-a-dia para a derrapagem em termos do cumprimento do Protocolo de Quioto. E depois lá terão os portugueses (já endividados pela compra de um automóvel, ou mais) que procurar mais uns tostões nos seus bolsos para ajudar a pagar as compensações pela nossa incapacidade de cumprir os compromissos internacionais assumidos.

E por muito que nos custe perceber e aceitar esta inevitabilidade, falta ainda um outro passo, o de compreender que todos temos que ser parte da solução e que esta passa mais pela mobilidade alternativa e sustentável do que pela suposta panaceia dos combustíveis alternativos, dos quais os biocombustíveis são, hoje, o exemplo máximo. Mas este é outro tema que ficará para uma próxima oportunidade. Entretanto, experimente consultar as páginas na Internet de algumas das companhias de transportes públicos e explore o mundo de possibilidades que se lhe oferece. Muitas vezes uma mobilidade mais segura, relaxante, ecológica e económica está à distância de uma procura de informação e da coragem de dar o passo em frente.




publicado por MC às 18:24
link do post | comentar | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

Comércio local cresce

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(215)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006