Terça-feira, 16 de Outubro de 2012

Gaspar e Companhia, cobrai multas senhores!

Ligo a rádio de manhã: aumento de impostos e cortes em prestações sociais.

Abro a janela: em poucos segundos, contabilizo centenas ou milhares de euros por cubrar em multas.

Se o governo quer aumentar a sua receita, porquê virar-se contra os trabalhadores ou quem tem um negócio? Porque não penaliza comportamentos anti-sociais, e muitos até criminosos?

Portugal prevê arrecadar apenas 90 milhões de euros em multas de trânsito este ano, mas o Ayuntamento de Madrid sozinho pensa cegar aos 175. A Holanda, onde até é mais difícil topar infrações, cobra 40 vezes mais multas por habitante que Portugal.

É difícil cobrar multas em Portugal? Que se associe o seu pagamento às outras contribuições pagas ao/pelo Estado. Um exemplo, quem não pagou uma multa, verá esse valor descontando na devolução do IRS.

Sim, estou a defender uma caça à multa generalizada. Entre isso e penalizar quem trabalha, não tenho dúvidas na escolha.

 

...................................................

Para ficarmos no tema da política e dos números, a recomendação de hoje vai para a comparação entre a evolução da ferrovia em Portugal e na Espanha, feita pelo A Nossa Terrinha.

publicado por MC às 10:40
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Zuruspa a 16 de Outubro de 2012 às 12:50
Näo, näo estás a defender uma "caça à multa" generalizada.
Estás, e muitíssimo bem, a defender uma "caça à infracçäo" generalizada!

Há uma pequena ENORME diferença! Só no Tugal existe esse conceito torpe de "caça à multa", até porque näo me lembro de ninguém ser multado sem infringir!
De CAV a 18 de Outubro de 2012 às 10:05
Isto não é possível acontecer. Em Portugal só se penaliza quem é honesto, esqueceram? Iamos agora estragar este belo hábito.... tss tss...
De leitor a 18 de Outubro de 2012 às 22:46
Apesar de concordar inteiramente que em Portugal existe uma grande impunidade que tem de acabar, não concordo com a sua ideia de alternativa: aumentar impostos ou intensificar as multas.

Não faz sentido pensar em multas, que têm como objetivo reduzir infrações, como uma receita que pode ajudar reduzir o défice. Se os portugueses se tornassem muito civilizados e cometessem menos infrações, seria muito positivo, mas ouvirúamos o Gaspar dizer "devido ao comportamento imprevisível dos portugueses, que deixaram a receita com multas aquém do esperado, anunciamos medidas extraordinárias".
De André a 20 de Outubro de 2012 às 12:05
Outro dia ia de carro com a minha família e pararam-nos numa operação STOP ao lado do estádio do Sporting (estavamos a ir buscar a minha mãe a Lisboa porque ela teve de fazer serão, infelizmente àquela hora já não havia autocarros para onde nós vivemos e ela só conseguiu apanhar o metro até ao Campo Grande). Confesso que ficámos escandalizados com a operação. Depois de nos mandarem parar e se limitarem a verificar os documentos, não viram se o meu pai estava a conduzir sob o efeito de álcool nem se tinhamos todos aqueles objetos necessários num carro (triângulo, colete, caixa de primeiros socorros). Não me interpretem mal, eu não sou contra a operação, mas acho que a polícia devia ter feito um trabalho melhor e verificar tudo. O meu pai não bebeu nada para além de água, até tem os objetos todos que são necessários por lei, mas quem é que disse isso ao polícia? Ninguém lhe disse.
Por outro lado, acho que há uma forma melhor de tirar carros das estradas do que cobrar as multas no IRS, é não fazer nada e se a pessoa é apanhada nalguma operação STOP, fica imediatamente sem carta de condução e sem hipótese de a recoperar. Para ir para casa, dirija-se à paragem de autocarros mais próxima. Assim o problema é resolvido de vez.
De Mariana Carvalho a 26 de Outubro de 2012 às 15:09
Defendo o mesmo ponto de vista, todos os dias e hoje em particular, estou revoltada com os estacionamentos abusivos e comportamentos anti sociais e até criminosos (acabei de ser "razada" por tres automoveis em menos de 1 km, enquanto conduzia uma bicicleta com uma criança atras). Não há forma de apresentar queixas, de organizar um movimento de cidadãos no sentido de aplicar estas leis (principalmente o estacionamento, é uma vergonha)?! Tambem sou automobilista ocasional e tenho orgulho e prazer em cumprir as regras, que fazem sentido por estarem enquadradas numa sociedade da qual faço parte, independentemente do transporte que escolho para me deslocar. Sinto me frustrada por nao poder ter mais força neste âmbito, gostava mesmo que houvessem mais acções individuais ou colectivas que pudessem ter impacto.
De MC a 26 de Outubro de 2012 às 15:59
Mariana,
do pouco que existe, a minha preferida (e que faz um bom trabalho) é o Passeio Livre, mais centrado no respeito ao peão: passeiolivre.org/
Mas digo-lhe já que o problema é que as próprias polícias não percebem as queixas. A página acima está cheia de relatos de polícias que ficam espantados quando lhe chamam a atenção de que há carros a ocupar passeios e passadeiras :(
De Mariana Carvalho a 26 de Outubro de 2012 às 16:14
Pois, eu sei. Tambem tenho tido essa experiência... Quando tenho mais disponibilidade fico a argumentar com os policias sobre o papel deles, e eles próprios às vezes até são sensiveis mas não têm ou não querem ter poder de actuação. Deixo bilhetes nos carros, tenho dois filhos objectores que se permitem dizer em voz alta "Ó mãe, aquele carro nao pode estar estacionado ali!", mas mesmo assim fico revoltada q.b. gostava de poder fazer mais. Enfim, hoje MC para contribuir como posso...

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Não podemos estar indifer...

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(216)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006