Quinta-feira, 3 de Maio de 2012

Miguel Barroso: "Sobre o real custo da hipermobilidade automóvel"

Voltamos a ter o prazer de ter um texto escrito por alguém de fora, logo melhorzito que os nossos. O texto de hoje é do Miguel Barroso, autor do inspirador Lisbon Cycle Chic (que está a organizar o segundo encontro Cycle Chic em Lisboa no dia 19 de Maio) e um membro activo da FPCUB.

Obrigado Miguel!

 

Sobre o real custo da hipermobilidade automóvel

 

Para quem diz que os automóvel e os combustíveis estão sujeitos a muitos impostos,  vejam esta reportagem, e comecem a somar os nºs...

Não há IA nem ISP juntos que paguem tamanha factura!... E isto é apenas uma ponta do véu - os custos conjuntos de construção e manutenção das Ex-SCUTS e AEs, cujo tráfego é cada vez menor, são simplesmente assustadores. Juntem a isto todos os nós viários, variantes, viadutos e afins, construídos nos arredores (e no interior!!!) das cidades. Não defendendo o TGV, que nos dias de hoje é uma carta fora do baralho, vejam quantos seriam possíveis de construir com estes montantes aqui falados.

Sim, a mobilidade automóvel é brutalmente financiada pelo estado! 

E as redes de transportes colectivos saem penalizadas, pois a "fuga" para o transporte individual resultante deste financiamento, traduziu-se em menos utilizadores dos transportes públicos, e por conseguinte, menor sustentabilidade económica destes...

É urgente inverter esta lógica, trazer seriedade a estas negociações, e tentar minimizar o estrago que já foi feito (temos o país rasgado por autoestradas sobredimensionadas e em quantidade exagerada, cuja manutenção é impossível de comportar). A reportagem já não é nova, e não sei em que ponto estará esta situação agora. 

Para o comum cidadão, o real custo da mobilidade automóvel está longe de ser compreendida... Todos continuam a protestar, pois é cada vez mais caro, mas na realidade, esse custo é ainda uma fracção do custo global - o resto, continua a ser pago pelo erário público, ou seja, somos todos a pagar . A tendência será para que os utilizadores do automóvel paguem uma fatia cada vez maior dessa factura global.

Claro que serão sempre necessárias infraestruturas rodoviárias - a questão aqui reside na quantidade pornográfica que foi construida nas últimas décadas. O país foi desfigurado em nome de um suposto progresso, em nome de um modelo de desenvolvimento distorcido e com contornos financeiros pouco claros e muito perversos. 

 

publicado por Menos Um Carro às 17:50
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De trufas a 7 de Maio de 2012 às 18:52
ótimo blog, parabéns...
De leitor a 15 de Maio de 2012 às 14:32
Apesar de concordar com a ideia geral, facilmente pode ser contraposto por isto http://www.jn.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=1922382

De Miguel Barroso a 17 de Maio de 2012 às 06:34
Mas um não é consequência do outro?... Mais gente a andar de automóvel particular, significa menos clientes do serviço de TP. Além disso, há que perceber bem a dívida dessas empresas, as políticas por detrás dsa mesmas, etc...

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006