Quinta-feira, 22 de Março de 2012

Governo abandona o futuro

Governo abandona a alta velocidade "definitivamente" conta hoje o Público.

Os maiores desafios do século XXI vão ser a globalização, a energia e o ambiente. Por todo o mundo têm surgido, que nem cogumelos, novos projectos de ferrovia de alta-velocidade mesmo em países com os EUA e a China, tradicionalmente apoiantes da opção rodoviária. Falamos de um transporte rápido, que não está dependente de uma fonte de energia que se aproxima dos seus limites, que é o mais eficiente energeticamente, e que é por isso a melhor solução do ponto de vista ambiental e económico, num mundo onde a energia barata acabou.

A Galiza, com menos cidades grandes que Portugal, vai ter várias linhas. A China, bem mais pobre que Portugal, o mesmo. Por cá, uma ferrovia decente é considerada um luxo. Por cá, o futuro é um luxo.

 

.........................................................

A notícia de hoje é um pouco mais positiva. Santarém arrancou com um projecto de bicicletas públicas partilhadas. Parabéns!

publicado por MC às 10:23
link do post | comentar | favorito
19 comentários:
De Iletrado a 26 de Março de 2012 às 19:38
Caro Maquiavel
A tua indignação raia a imbecilidade. Nem percebeste que o meu meio de transporte é a bicicleta, pois não? Devias aprender a ler, ó Maquiavel. O MC não gosta que eu refira os quilómetros que faço, não sei porquê. Mas sempre te informo que faço mais quilómetros por ano na ginga que muita gente no seu carro a gasóleo. E, a julgar pela tua conversa, pedalo há mais anos que tu tens de vida.
Vives num mundo utópico, assim como outros que sonham com o dia em que não haja petróleo. Porque razão não esgotamos o nosso tempo e recursos a tentar modificar o estado caótico das nossas cidades e ruas, agora, neste momento, nestas condições? Porque preferimos sonhar acordados, à espera que o milagre aconteça e o petróleo acabe? Por acaso já reparaste que, mesmo hoje, com o preço do "petroil" a mais que um dinheirão, a malta continua a entupir o IC19? Ou a gasosa não está assim tão cara (e o MC, com as contas que fez, tentou demonstrar que afinal não, não está assim tão caro) ou afinal o carro é mesmo um bem de primeira necessidade, tão necessário que justifica os passeios e as passadeiras cheias de lata. E justifica a existência de mais e mais AE e mais e mais ruas sem passeios. E justifica que as pessoas estejam sujeitas a todos os perigos que o mundo exclusivo do carro provoca. E justifica que o estado invista só na rodovia, suprimindo de vez a ferrovia.
Na tua imbecilidade não percebeste que me estou a borrifar se as pessoas andam de carro movido a farinha Maizena ou a petróleo do Beato. Estou-me mesmo nas tintas para o facto de a extracção de petróleo ser cada vez mais difícil ou mais cara. O que é que isso importa? É isso que vai mudar o pensamento das pessoas? As pessoas deixaram de fumar devido ao preço do maço de cigarros, dos charutos, da erva para cachimbo? Deixaram de beber por causa do preço do tinto? A droga deixou de ser consumida devido ao seu preço?! Será que, na tua ideia, um carro a GPL provoca menos problemas que outro a gasóleo? Será que não ocupam os dois o mesmo estupidamente gigantesco espaço, criando os mesmos problemas com estacionamentos, engarrafamentos e outras miudezas?
Eu aceito a minha ignorância, ó Maquiavel. Como é que dizia o Sócrates, o grego? Qualquer coisa acerca do saber... Agora, ó Maquiavel, explica-me, no alto da tua sapiência, como é que as migalhas têm suportado um aumento constante do consumo desde 1965. Essa conta tem demasiada areia de Alberta para a minha camioneta.
Apesar de apostar que foi involuntário, demonstras ter percebido que o mundo tecnológico só evoluiu graças ao petróleo. É espantoso que reconheças isso. É pena que Vasco da Gama não o soubesse. Se calhar tinha demorado bem menos a chegar à India... Mas parece que nem tu próprio percebeste o alcance daquilo que escreveste. A tecnologia pode evoluir de maneira a que a fonte de energia do carro seja... a farinha Maizena. Pensaste nisso, ó Maquiavel?
Boas pedaladas.
De Maquiavel a 26 de Março de 2012 às 22:26
Ena tanta indignaçäo. Olha, quando acalmares dá uma vista de olhos a este filmezito:
http://www.youtube.com/watch?v=VOMWzjrRiBg&feature=player_embedded

É inegável que o petróleo proporcionou o desenvolvimento tecnológico exponencial do séc. XX. Cada gotinha tem uma quantidade de energia de quilos e quilos de carväo, e por aí fora. E por isso também criou habituaçäo, dependência, daí a cura de desintoxicaçäo ser täo difícil. A ressaca vai ser dolorosa!

No tempo do Vasco da Gama ainda näo havia tecnologia para aproveitar a nafta... só apareceu tecnologia para usar carväo após se usar a madeira intensivamente e as florestas desapareceremo, e para usar petróleo após se usar o carväo intensivamente e os filöes de antracite secarem. É uma pescadinha de rabo na boca, isto da tecnologia para se usar novas formas de energia. Mas só funciona quando se descobre uma fonte com mais energia/mm3 de material que antes... o átomo? Enquanto russos näo se importarem de levarem o lixo radioactivo para a Sibéria...

Os carros säo um problema, sejam a pitrol, sejam a farinha Maizena (o amido de milho tem alguma energia, mas o óleo tem mais...). É um problema de espaço ocupado (abusivamente). Mas isso säo outros 5 tostöes.

Em Portugal o pessoal pode passar fome mas lava o carro todos os dias (por fora), odeia comboios, e é natural que os seus representantes eleitos sejam iguais. Pessoas contra o atentado patrimonial à Linha do Tua e Douro Vinhateiro: 50.000
Pessoas contra portagens, SCUT ou näo: 5.000.000
É a tristeza de "país" que é Portugal.

Vai lá pedalar, e muito. Agora näo pedalas é a -10 e -20 como eu. Por acaso o pior é pedalar entre -10 e +10 por causa da humidade. E do gelo que se desfaz ao passar por cima!

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

Alegadas vantagens económ...

Alegadas vantagens económ...

É muito difícil discutir ...

Como os automobilistas vê...

Apanhado de Setembro, Out...

Outro minuto em Groningen...

tags

lisboa(219)

ditadura do automóvel(206)

ambiente(203)

bicicleta(154)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(72)

carro-dependência(67)

estacionamento(66)

transportes públicos(66)

bicicultura(59)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006