Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2012

Pagar 372 milhões pelo que é público

As esplanadas, os contentores, uma banca na rua, etc. são tudo exemplos de ocupação do espaço público que é paga por quem dela usufrui. Pagar pelo estacionamento de um automóvel no espaço público não é, assim, uma aberração como os carrocratas nos querem fazer crer, mas um pagamento justo pela privatização de algo público que é feito em tantas outras situações. É acima de tudo uma ferramenta indispensável para uma boa gestão do espaço público que é um bem escasso numa cidade. Se as esplanadas fossem gratuitas, todos os cafés e restaurantes ocupariam abusivamente o espaço à sua frente. Estacionamento pago garante que o espaço não seja ocupado ad aeternum por alguém, mas que haja rotação e possibilidade de todos o usarem.

Hoje descobri o valor de outra ocupação por algo público... o ar. Ou melhor, uma pequeníssima parte do espectro electromagnético (as frequências das emissões rádio), pela qual as três operadoras de telemóvel pagaram 372 milhões de euros! O ar é de todos, mas se o seu uso fosse gratuito, seria impossível ver televisão ou telefonar.

 

...............................................

E para nos lembrar a importância dum espaço público livre de automóvel, o A Nossa Terrinha compara algumas praças em localidades portugueses e espanholas.

publicado por MC às 22:46
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De AMarta a 24 de Janeiro de 2012 às 16:31
Há apenas um pequeno pormenor da argumentação que me parece menos correcto: não é apenas o facto de se pagar que limita este tipo de utilizações. A utilização destes espaços poderia até ser gratuita, mas tem de ser é regulada (e a regulação cumprida!)!
De MC a 25 de Janeiro de 2012 às 18:14
pois, tens razão. isto é vício de economista, que pensa logo em estabelecer mecanismos económicos, em vez de legislativos.
de qualquer modo, até me parece preferível que a utilização seja paga em vez de gratuita, porque é um modo de quem é beneficiado compensar os restantes. neste caso o café paga à cidade pela esplanada.
De Anónimo a 26 de Janeiro de 2012 às 11:23
Concordo, concordo! Era só uma pequeno reparo à argumentação. Queria apenas referir que algumas actividades, por serem estimadas como "benéficas" de alguma forma, poderão até fazer uma utilização gratuita do espaço público, desde que regulada.
Não acho que o estacionamento em cidade caiba de forma alguma nesta categoria!
De leitor a 24 de Janeiro de 2012 às 23:34
Porque é que se paga o uso da frequência, porque é escassa, ou tem alguma consequência para as pessoas?

No caso dos automóveis é espaço que deveria ser usado para outros fins, e tem pesadas consequência para o ambiente.
De MC a 25 de Janeiro de 2012 às 18:16
Exacto! Tanto nas frequências como no estacionamento, são "espaços públicos" escassos.
No caso dos automóveis há a razão extra das consequências para o ambiente e qualidade de vida na cidade.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006