Sexta-feira, 20 de Maio de 2011

O pior de Lisboa

A CML aprovou há dias a proibição de circulação de carros muito poluentes (Euro 1) na Baixa, medida demagógica sobre a qual já falei aqui. Há algo que me aflige bem mais no centro histórica da cidade, que não será certamente a poluição, nem a falta de ciclovias ou de estações de metro. Nem é a falta de fiscalização do estacionamento ilegal ou legal, nem fiscalização do respeito pelos peões ou o respeito dos limites de velocidade.

O que me deixa chocado no centro da cidade é isto:

 

 

Ontem participei numa corrida/gincana nocturna com centenas de pessoas, e era ridículo ver aquele mar de gente a tentar esgueirar-se pelos pouco centímetrozitos que têm os passeios no centro. A grande maioria dos passeios nem espaço tem para uma pessoa poder caminhar normalmente, quanto mais um casal, uma cadeira de rodas, um idoso, um carrinho de bebé. Estes passeios são tão pequenos, que uma amiga lhes chama "os para-choques dos prédios", porque é esse o único propósito que têm: evitar que os carros não colidam com os prédios. Isto numa zona com duas linhas de metro, dezenas de autocarros, e um parque de estacionamento em cada esquina.

São ruas com traçado antigo, do século XVIII, dirão alguns. O problema não é esse, porque a rua teria espaço para carros e peões, bastaria que a CML quisesse que Lisboa fosse uma cidade em vez de um parque de estacionamento, aproveitando aqueles dois metros à esquerda como passeio em vez de estacionamento. São decisões do século XXI, não do século XVIII, que criam o problema. E choca-me que as pessoas passem ali sem estranhar, e que me avisem (palavras ou businadelas) que estou a caminhar fora dos centímetros reservados aos peões. Todos aceitam esta mentalidade do automóvel antes da pessoa. Todos os problemas começam aqui.

Se houvesse passeios, dignos desse nome, a cidade seria bem mais amiga dos peões e dos transportes, em vez de convidar o automóvel a entrar, disponibilizando-lhes milhares de estacionamentos. Até para quem está preocupado com a poluição seria melhor.

 

 

Graças às revoluções no mundo árabe, a televisão tem mostrado imensas imagens de cidades árabes. Tenho reparado que nem aí se vêm o triste espéctaculo de Lisboa. Tal como não se vê na Bolívia ou na Espanha, já para não falar do norte da Europa. 

 

 

..........................................................................

O "A Nossa Terrinha" tem quatro excelentes posts sobre isto, cheios de fotos que dizem tudo: 1, 2, 3 e 4.

 

 

publicado por MC às 21:18
link do post | comentar | favorito
14 comentários:
De Patricia a 20 de Maio de 2011 às 22:56
Parece-me uma medida injusta, porque quem anda com um carro velho é precisamente porque não quer (ou não pode) investir num novo. Aqui em casa por exemplo, o carro tem 20 anos..
De MC a 22 de Maio de 2011 às 15:58
Todas as medidas que, por falta de coragem política, atacam questões laterais em vez de a fonte do problema, são quase sempre injusta.
Dou-lhe outra injusta, que é outro exemplo do que escrevi: eu não tenho carro por escolha. É menos um carro a entupir e a destruir o bairro. Nas 2 ou 3 ocasiões por ano que preciso de trazer um carro emprestado para aqui (para carregar volumes grandes ou assim), tenho que pagar parquímetro (apesar de ser morador). Um casal, que tenha dois carros a entupir o bairro 365 dias por ano, paga menos de estacionamento do que eu!!
De Patricia a 28 de Maio de 2011 às 11:19
Apercebo-me que muitas das pessoas que moram em Lisboa são precisamente as mais preconceituosas com o uso de transportes. Ou seja, teriam todos os motivos para preferir andar de transportes, mas vão de carro porque é mais rápido (embora isto seja um mera ilusão na maioria dos casos)! :D
De José Pinto a 21 de Maio de 2011 às 23:38
A CM Lisboa esteve mal nesta medida.
Se querem reduzir a poluição, devem restringir o tráfego automóvel em geral e não a determinado tipo de veículos automóveis. Devem fechar ruas, reduzir velocidade, fomentar o uso de transportes públicos.
O meu carro tem 23 anos, e polui menos do que muitos carros novos dos que vejo em Lisboa (gama alta), simplesmente porque gasta menos litros de combustível em média.
E como o meu qualquer outro, basta que seja mantido em boas condições de funcionamento.
Parece-me que o que querem é afastar os carros velhos para poderem andar ainda mais depressa nos seus carros de serviço novos e de gama alta...
De MC a 22 de Maio de 2011 às 15:59
Digo o mesmo que escrevi acima:

Todas as medidas que, por falta de coragem política, atacam questões laterais em vez de a fonte do problema, são quase sempre injusta.
Dou-lhe outra injusta, que é outro exemplo do que escrevi: eu não tenho carro por escolha. É menos um carro a entupir e a destruir o bairro. Nas 2 ou 3 ocasiões por ano que preciso de trazer um carro emprestado para aqui (para carregar volumes grandes ou assim), tenho que pagar parquímetro (apesar de ser morador). Um casal, que tenha dois carros a entupir o bairro 365 dias por ano, paga menos de estacionamento do que eu!!
De José Pinto a 23 de Maio de 2011 às 12:29
Sobre esse assunto, li uma coluna de autor lisboeta que se queixava de gastar muito dinheiro em taxi porque evitava tirar o carro para não perder o lugar!
Será que não é possível convencer as pessoas a prescindir pelo menos do segundo carro, se realmente não necessitam dele numa base diária e frequente?
Um carro pode ser muito útil para circular, mas é um enorme estorvo na rua quando estacionado.
De Catarina G. a 22 de Maio de 2011 às 11:46
@Patricia, medida injusta e' permitirem haver tantos carros por tantos sitios da cidade que fazem com que esta seja um sitio sujo, desagradavel, poluido, e inibidor da pedonalidade.

A medida da CML nao e' injusta, e' insuficiente.
De CAV a 23 de Maio de 2011 às 10:33
E a Câmara sucumbiu ao lobby dos táxis... Sobram os "desgraçados" que não têm dinheiro ou não querem trocar de carro...
De Catarina G. a 23 de Maio de 2011 às 12:23
@CAV: Tem bom remedio. Estacione fora do centro, e va de transportes publicos que a Baixa de Lisboa e' muito bem servida deles. Vai ver que ate' usufrui a cidade de outra maneira. :-)
De Anónimo a 23 de Maio de 2011 às 13:07
Querida, eu nem carta tenho ;) Estava a ser irónico.
De Catarina G. a 23 de Maio de 2011 às 13:52
Nao sou querida. Nao o conheco e por isso nao lhe adivinho os humores.
De CAV a 23 de Maio de 2011 às 14:25
Simpatia e assertividade tb não são os seus fortes.
De Catarina G. a 23 de Maio de 2011 às 16:11
Acusa-me de falta de simpatia por nao achar piada ao seu "querida"? Essa e' boa... Falta de sentido de humor ainda va'... :P
De manuel rod a 27 de Junho de 2011 às 08:37
Só quero expor umas pequenas questões...
Um automóvel que independentemente dos anos , que nada tem a ver com poluição , mas sim com lei de dinheiros, ...dinheiros se bem entendi. Eu tenho um automóvel 1.9cc com 75 cv, que gasta 6,5 L aos 100 km, polui mais que um com 90, 100, 200, 300 cv?Talvés até poluía mas nem eu nem muita boa gente neste mundo acredita nisso. De fabrica os construtores de automóveis falam em alguns que gastam 3 litros, mas na realidade há poucos abaixo de 6 litros.
Seria muito mais e melhor para o ambiente, que automóveis com mais de 100 cv pagassem então uma taxa ou serem proibidos nestas áreas da baixa de Lisboa, pois mora nesta área muito boa gente que tem carrinhos velhinhos com pouca cilindrada e com poucos cv., é preciso é a manutenção dos mesmos.
Aí sim, carrinhos de alta cilindrada que entram num buraquinho chamado garagens , para esses Srs. , entrarem naqueles escritórios e gabinetes, já não contando o tempo que estes carritos estão horas em filas de transito.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Comércio local cresce

Ferrovia vs Rodovia em Po...

Dieselgate, só por si, ca...

Emissões da rodovia aumen...

Emissões CO2 de baterias ...

Santos Populares vs Carro...

Documentário de 1973 da R...

Acabou a maior vergonha n...

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(68)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006