Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011

Requiem por uma pistola

Quando estava a tirar a carta de condução, um dos meus professores disse o seguinte durante uma aula de código:

 

Vocês não estão a tirar uma licença de condução. Estão a tirar uma licença de porte de arma.

  

A brutalidade de um acidente de viação, visto ou vivido, lembra-nos o que o conforto da cabine do carro vai paulatinamente apagando: uma tonelada e meia a 50km/h ou mais tem efeitos mortíferos. A responsabilidade de um condutor perante a própria vida e a vida dos outros é enorme. Perante tanta publicidade automóvel na imprensa, nas rádios e nas televisões, deveria haver uma quota parte de prevenção rodoviária: metade a cada campo (ou, como já defendi, que se banisse a publicidade automóvel, como a do tabaco); os vendedores seduzem-nos para as curvas e velocidades; o estado alertar-nos-ia para o efeito da sinistralidade, e de forma violenta e chocante. Porque é essa a realidade: vidas acabadas subitamente e de forma absurda, cadeiras de rodas e mazelas emocionais que já não deixarão as vítimas e uma justiça complacente.

 

Não sei se é a própria língua portuguesa que contribui para o alheamento da responsabilidade dos condutores. Parece que por chamarmos acidente ao facto de um autómovel embater com outro ou com um peão tornamos a situação acidental. Se eu guiar um carro, posso controlar a probabilidade da ocorrência de acidentes através de uma condução defensiva. Devo ser incitado a fazê-lo e penalizado se não o fizer. Não há nada de acidental na ocorrência de um acidente se eu conduzir de maneira desleixada. Não há como desculpar o condutor porque ele controla, como ser humano com livre arbítrio, as probabilidades de ocorrência de acidentes violentos.

 

No actual estado de coisas, não é assim que acontece. Se quiserem matar alguém, usem um carro. Sairão ilesos. Mesmo que tenham guiado a 100km/h dentro de uma cidade. Mesmo que tenham vindo de uma festa. Mesmo que tenham morto duas pessoas inocentes.


Na quinta-feira, no centro social do Regueirão dos Anjos em Lisboa pelas 20h, haverá um jantar vegetariano com o apoio do GAIA, seguido de uma mostra de filmes sobre bicicletas e intervenções no espaço público.

 

 

E no Domingo pelas 15h (o cartaz diz 17h mas podem e devem aparecer antes) a ciclo-oficina de Lisboa muda-se para o mesmo espaço, onde estará abrigada do previsível mau tempo. É divulgar e aparecer para um serão ou uma tarde bem passadas!

 

 

publicado por TMC às 15:34
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Iletrado a 17 de Fevereiro de 2011 às 18:11
Caro TMC
Qual a relação existente entre as bicicletas e "jantares vegetarianos"?
Boas pedaladas.
De TMC a 18 de Fevereiro de 2011 às 02:03
Ninguém disse que os dois factos estavam relacionados. Qual é a relação entre comer um bitoque e andar de carro?
De Anónimo a 18 de Fevereiro de 2011 às 14:07
Caro TMC
Confesso que não percebo. Porque razão relacionaste logo o bitoque com o carro? Qual a relação entre comer um bitoque e andar de bicicleta? Ou comer um cozido à portuguesa e andar de bicicleta? Ou um leitão à Bairrada e andar de bicicleta? Eu faço 40 km na bicicleta só para comer uma sopa da pedra em Almeirim. (desculpa, MC, esta referência aos quilómetros...) E já tenho feito percursos superiores só para no fim poder comer um prato típico e bom, daqueles em que o nosso país é fértil. Aliás, conheço muito ciclista que só pedala para no fim do percurso justificar um opíparo almoço, regado com muito vinho. A parte do vinho dispenso, mas o opíparo almoço não. E não conheço ciclistas vegetarianos, embora devam existir.
Sendo este espaço dedicado à mobilidade e sendo o assunto em apreço bicicletas, estranhei que relacionasses o jantar vegetariano com a mostra de filmes sobre bicicletas. Porque razão não mencionaste só a mostra de filmes? A minha interpretação é que colaste o jantar vegetariano com a utilização de bicicletas. Depois de consultar a página dos organizadores de tal evento, pessoas que reclamam "justiça ecológica e social", a ideia de colagem ficou mais forte. E, na minha opinião, essa colagem é um abuso. Não sou vegetariano, não conheço ciclistas vegetarianos, como afirmei, e ando muito de bicicleta. Se calhar mais que estes tipos que reclamam "justiça ecológica e social". Pelo que percebi, esta organização promove jantares "ecológicos e socialmente justos", seguindo-se depois debates ou mostras de filmes relacionados com aquilo que defendem. Repito, quem lê o cartaz e os temas em debate, associa cada jantarada ao tema em debate. E discordo frontalmente que tentem associar bicicleta com uma suposta vida vegetariana saudável. Já é difícil tentar mudar hábitos de locomoção mais racionais e responsáveis numa sociedade estupidificada pelo abuso do carro, não é preciso colar a bicicleta a um pretenso e mais que duvidoso modo de vida saudável vegetariano.
Se a minha interpretação também foi abusiva, desde já as minhas desculpas.
Boas pedaladas.
De Iletrado a 18 de Fevereiro de 2011 às 14:08
Caro TMC
Confesso que não percebo. Porque razão relacionaste logo o bitoque com o carro? Qual a relação entre comer um bitoque e andar de bicicleta? Ou comer um cozido à portuguesa e andar de bicicleta? Ou um leitão à Bairrada e andar de bicicleta? Eu faço 40 km na bicicleta só para comer uma sopa da pedra em Almeirim. (desculpa, MC, esta referência aos quilómetros...) E já tenho feito percursos superiores só para no fim poder comer um prato típico e bom, daqueles em que o nosso país é fértil. Aliás, conheço muito ciclista que só pedala para no fim do percurso justificar um opíparo almoço, regado com muito vinho. A parte do vinho dispenso, mas o opíparo almoço não. E não conheço ciclistas vegetarianos, embora devam existir.
Sendo este espaço dedicado à mobilidade e sendo o assunto em apreço bicicletas, estranhei que relacionasses o jantar vegetariano com a mostra de filmes sobre bicicletas. Porque razão não mencionaste só a mostra de filmes? A minha interpretação é que colaste o jantar vegetariano com a utilização de bicicletas. Depois de consultar a página dos organizadores de tal evento, pessoas que reclamam "justiça ecológica e social", a ideia de colagem ficou mais forte. E, na minha opinião, essa colagem é um abuso. Não sou vegetariano, não conheço ciclistas vegetarianos, como afirmei, e ando muito de bicicleta. Se calhar mais que estes tipos que reclamam "justiça ecológica e social". Pelo que percebi, esta organização promove jantares "ecológicos e socialmente justos", seguindo-se depois debates ou mostras de filmes relacionados com aquilo que defendem. Repito, quem lê o cartaz e os temas em debate, associa cada jantarada ao tema em debate. E discordo frontalmente que tentem associar bicicleta com uma suposta vida vegetariana saudável. Já é difícil tentar mudar hábitos de locomoção mais racionais e responsáveis numa sociedade estupidificada pelo abuso do carro, não é preciso colar a bicicleta a um pretenso e mais que duvidoso modo de vida saudável vegetariano.
Se a minha interpretação também foi abusiva, desde já as minhas desculpas.
Boas pedaladas.
De TMC a 19 de Fevereiro de 2011 às 14:59
Hoje fiz a barba depois de tomar banho. Qual é a relação entre tomar banho e fazer a barba? Uma acção precedeu a outra, simples. Em nenhum lugar do texto foi dito que havia mais alguma relação entre um jantar vegetariano e andar de bicicleta. A descrição do texto é factual e informativa: foi o que aconteceu; juntar-lhe uma qualquer interpretação, como a tua, já é intencional e claro abusiva.

Eu sei que a pergunta tinha água no bico :), daí ter logo associado alguém que come um bitoque a andar de carro. Era o que estavas à espera de ouvir.

Pode haver grupos de pessoas que adoptem estilos de vida em que a carga de escolhas éticas envolve a alimentação e o meio de transporte; pode haver outras que restringem a escolha a apenas uma delas; pode haver outros que têm as mesmas escolhas mas sem quaisquer motivos éticos.

O facto de ter havido um jantar com essa dieta seguido de filmes de bicicletas é talvez suficiente para dizer que há grupos de pessoas com uma opção de escolhas de vida mais abrangentes; mas não significa de modo nenhum que é exclusiva de outras perspectivas de encarar a bicicleta...ou a vida.
De joao a 28 de Fevereiro de 2011 às 20:31
Vejam o que aconteceu no Brasil no dia 25-02

http://vadebike.org/2011/02/tentativa-de-assassinar-ciclistas-em-porto-alegre/

Absurdo!!!!

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

Comércio local cresce

Ferrovia vs Rodovia em Po...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(214)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006