Quinta-feira, 11 de Novembro de 2010

Obituário: a linha do Tua

A avalanche de ataques ou, em linguagem moderna, justificações para o encerramento da linha do Tua constituiu-se por vários argumentos, todos eles bastante fracos. Podemos agrupá-los no par "factos/interpretação unívoca desses factos".

 

1- acidentes com vítimas mortais desde 2008/a linha não é segura

2- poucos utilizadores/a linha não é viável 

3- o modelo de negócio da linha do Tua é oneroso e insustentável/uma linha de comboio só deve ser mantida se houver sustentabilidade financeira

4- a auto-estrada de Trás-os-Montes vai ser feita/quem tem uma auto-estrada pode dispensar uma linha de comboio

5- a linha do Tua não é fundamental para garantir o direito à mobilidade das populações/o direito à mobilidade em meios rurais pode ser garantido pelo automóvel e por táxis

6- ou a linha do Tua ou a barragem do Tua/o futuro são as energias renováveis, por isso devemos fechar a linha do Tua

 

 

Os argumentos 1 a 3 baseiam-se numa análise simplista porque sincrónica; ignoram que a situação actual de insegurança, de relativamente poucos passageiros e de insustentabilidade financeira devem-se a políticas anteriores do governo e à incúria da CP e REFER que conduziram precisamente ao actual de estados de coisas; a situação da linha do Tua é diagnosticada como se o seu estado estivesse desligado das condições que o provocaram. Ora, quase todas as linhas de comboio em Portugal são insustentáveis financeiramente, mas não é por isso que devem ser tomadas como dispensáveis; além do mais, quase todas elas sofrem manutenção frequente da REFER (no caso do Tua, a última foi em 1991) e têm horários adequados porque são indispensáveis para a mobilidade das pessoas que prescindem ou preferem não usar o automóvel para as suas deslocações.

 

E com isto chegamo aos argumentos 4 e 5. Em 1991, a linha do Tua foi fechada entre Bragança e Mirandela. O argumento da altura, além da falta de passageiros, consistia na construção da alternativa rodoviária do IP4. Vinte anos e cerca de 200 mortos depois, a situação repete-se com a auto-estrada transmontana a servir agora de bode expiatório para a sangria das ligações ferroviárias. O número de passageiros, assim que trasladados para os autocarros caiu abruptamente. E, estranhe-se, não há agora cenários analíticos que equacionem o desenvolvimento da região com a auto-estrada & com a linha de comboio; ambos os modos de transporte parecem confrontar-se por exclusão e nunca servirem como complementares ao serviço das populações. Para além do mais, o direito à mobilidade é muito diferente da democratização pelo automóvel, algo que o estado assume implicitamente: eu não sou obrigado a tirar a carta, mas devo ser capaz de ter acesso em condições satisfatórias aos serviços mínimos. Ponto. Se não gostam, mudem a constituição.

 

Por último, o ponto 6. A barragem do Tua dará cerca de 0,4% de acréscismo à produção de energia eléctrica nacional; por sua vez, o crescimento do consumo de energia eléctrica tem crescido 3% ao ano.  Equacionar a perda de uma estrutura centenária como necessária ao futuro do país e misturá-la com o misto de publicidade masturbatória da EDP e deste governo cada vez que falam nas energias renováveis deveria chocar.

 

Hoje nada disto interessa porque o último reduto de defesa da conservação da linha foi arquivado. O Ministério do Ambiente e a REFER já tinham lavado as suas mãos; só faltava ao Ministério da Cultura a sentença final para abrir o caminho à EDP.

 

Claro que o que se passa em Trás-os-Montes é quase indiferente a muitas das elites lisboetas que à mínima causa da moda dão o peito às balas: oxalá um dia o aturem.

 

tags:
publicado por TMC às 22:43
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Iletrado a 14 de Novembro de 2010 às 23:50
Caro TMC
É interessante esse ponto 1. A ser aplicado com coerência, impediria a circulação de veículos motorizados em quase todas as estradas e cidades do litoral do País.
Boas pedaladas.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006