Quarta-feira, 7 de Abril de 2010

Homicida ao volante condenada a 3 anos de prisão

A condutora que assassinou duas mulheres que atravessavam a rua com verde no Terreiro do Paço em Lisboa, e que deixou gravemente ferida uma terceira, foi hoje condenada a três anos de prisão efectiva. Julgo que esta é a pena máxima prevista para este tipo de crime. A justiça está de parabéns.

 


A ler no A Nossa Terrinha: uma comparação entre Chartres e Évora, ambas pequenas cidades turísticas.

publicado por MC às 11:55
link do post | comentar | favorito
11 comentários:
De PJ a 7 de Abril de 2010 às 14:41
se por um lado podemos dar os parabéns à justiça, por outro há que admitir que esta ficou-se pelos mínimos exigíveis.. três anos para completar o julgamento? três anos de prisão quando o homicídio tem uma pena até 25 anos? X€ para a vítima sobrevivente e Y€ para a família dos falecidos? e que tal ter a humildade de reconhecer que as cidades estão feitas para automóveis e se fossem cometidos vários projectos de acalmia de tráfego o problema resolvia-se pela raiz?

mas gostei também do tique manifestado pela condutora que, segundo essa notícia, «Pretendeu dar uma imagem segura de si própria, realçando as suas capacidades intelectuais e sociais». pois são estes mesmos os tiques dos políticos (principalmente) e de todos os que abusam na estrada. de repente sentem-se grandes senhores, grandes capacidades, boas pessoas mesmo, e por isso, com ares arrogantes, dizem que não estão para se sujeitar a essas regras dos 50 à hora que só lhes atrapalha a vida..

cumps,
De Joana a 7 de Abril de 2010 às 19:24
A pena máxima é de 3 anos para o homicídio negligente e de 5 anos quando a negligência é grosseira.
Neste caso, o tribunal não deu a pena máxima. Eram 3 crimes, dois de homicídio e um pelos ferimentos provocados à terceira sinistrada. Pelos dois homicídios foi condenada em 4 anos (2 anos por cada morte) e pelo 3.º crime foi condenada em mais um ano de prisão. O total foi 5 anos de cadeia. Mas com o "cúmulo jurídico" imposto por lei a pena foi reduzida para 3.
Portanto, não levou a pena máxima por nenhum dos dois homicídios. Mas já não é mau não levar com pena suspensa, como é hábito. Seria demasiado chocante, mas não seria a primeira vez. E não está excluído que em recurso não venha a ser decidida a suspensão da pena...
De TMC a 7 de Abril de 2010 às 21:50
No telejornal da RTP foi a notícia da abertura precisamente por a pena não ser habitual. E o apresentador e um advogado de uma vítima disseram que o ministério público só tinha pedido 2 anos e meio de pena; o colectivo de juízes é que não teve dúvidas em subir a pena.

Este caso era demasiado flagrante, por isso penso que é uma vitória com sabor amargo. Casos destes são demasiados frequentes. E aqueles nas autoestradas saem ilibados: no acidente que vitimou, salvo erro, 17 passageiros na auto-estrada para Castelo Branco (é um lisboeta que escreve) a culpa morreu solteira.
De CAV a 8 de Abril de 2010 às 10:12
"Pretendeu dar uma imagem segura de si própria, realçando as suas capacidades intelectuais e sociais" Assim como os serial-killers.
De António C. a 8 de Abril de 2010 às 10:59
claro que os recursos podem adiar tudo por tempo indeterminado...

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1538536&seccao=Sul
De Rogério Leite a 8 de Abril de 2010 às 12:23
3 anos apenas?!? Bem, pelo menos vai ter alguma punição. Mas acho 3 anos muito pouco para quem matou 2 pessoas. O código de trânsito de vcs [e creio que o nosso tb] precisa ser mais duro com quem comete erros assim! Pelo menos deviam ter caçado a licença de direção dela para toda a vida, nem motocicleta devia poder usar. Era na bike ou no pé para sentir na carne o que é ser civilizado no meio da massa carrocrática!

Depois um marido ou pai de uma das vítimas mete 2 "azeitonas" entre os olhos de uma doida destas e vão condena-lo a 30 anos de cadeia! Irônico não?!
De Miguel a 8 de Abril de 2010 às 16:27
Assassinos deste país, não percam a esperança! Matar com um carro já começa a ser mal visto?! Não há problema: soltem os cães!

http://www.publico.pt/Sociedade/proprietario-de-rottweillers-condenado-a-pena-suspensa-por-homicidio-de-mulher-em-sintra_1431373

Isto só mesmo gozando com estes absurdos é que se consegue lidar com eles.
De Pedro a 8 de Abril de 2010 às 18:32
vamos a ver o que acontece se ela recorrer..

ainda hoje estavam a dizer que no passado houve casos semelhantes em que foram condenados a 2/3 anos, recorreram e no fim tiveram pena suspensa.
De Joana a 8 de Abril de 2010 às 19:26
É porque tem sido essa a triste regra, Pedro. A questão é um bocadinho delicada - casos semelhantes deviam ser julgados de maneira semelhante - é um princípio elementar de justiça relativa. Se os tribunais por regra dão pena suspensa em casos tão graves como este, porque é que este deve ter tratamento diferente?
Claro que esta senhora merece passar uns anos na cadeia e o acidente é tão grave que no mínimo devia ficar sem carta, porque é claramente incapaz para conduzir - e nem sequer mostrou qualquer tipo de arrependimento, o que é ainda mais repugnante. Provavelmente, é esta pequena diferença que a vai mesmo meter na cadeia. Porque o arrependimento é normalmente tido como uma atenuante e perante ele entende-se que a pena de cadeia é menos "necessária". A esta triste alma nem lhe ocorreu fazer o choradinho. Quem num caso destes não se mostra arrependido tem de ir para trás das grades para perceber melhor o erro que cometeu...
De CAV a 9 de Abril de 2010 às 12:27
Sugestão para a família/amigos das vítimas. Quando essa vaca saír da cadeia arranjem um par de rotweillers em jejum há dois dias.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006