Quarta-feira, 30 de Maio de 2012

Adeus shoppings do subúrbio, olá cidades humanas

De entre os países desenvolvidos, Portugal e os Estados Unidos são daqueles onde o automóvel tem um maior peso na sociedade. As cidades e mesmo alguns bairros, estão cercados por mais e mais auto-estradas, o comércio local tem menos peso que os shoppings onde só se chega de carro, as cidades são parques de estacionamento e zonas de atravessamento de trânsito. há mais carros a passar do que pessoas, etc.

Mas há cada vez mais bons sinais de mudança nos dois países. Num artigo do NY Times (que já passou no nosso Facebook) mostra-se que nos últimos 15 anos, os americanos estão a procurar mais o centro da cidade para viver, e menos os subúrbios. Prova disso é o valor das casas, que subiu mais no centro.

De Portugal tem havido histórias de hipermercados a fechar e de falta de vontade em abrir mais shoppings. Esta poderia ser uma história da crise generalizada, mas hoje o Diário Económico conta que a procura de espaços comerciais no centro de Lisboa e Porto  (especial destaque para o Chiado) tem vindo a aumentar, apesar dos preços serem claramente altos.

Excelentes notícias!

 

............................................................

E da cidade mais europeia da América, mais uma notícia europeia: Nova Iorque também vai ter um sistema de bicicletas públicas partilhadas.

publicado por MC às 17:57
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 23 de Maio de 2012

Brussels Express

O ponto central deste documentário de 18 minutos é uma companhia de estafetas em bicicleta em Bruxelas (tal como a Camisola Amarela de Lisboa, e a HandBikeHand do Porto), mas ele acaba por falar de todo o trânsito na cidade, da maneira como a bicicleta era visto como algo marginal - incluindo a habitual "sim, gosto de passear ao domingo" - e foi entrando na cabeça das pessoas, como a cidade é irracionalmente dominada por automóveis, etc. 
E como Bruxelas também é uma cidade de várias colinas (até há uma cena de um estafeta a descer uma colina com a bicicleta no elevador), este documentário poderia ser sobre Lisboa ou Porto.
.................................................................
A ler, o estudo Infrastructure and cyclist safety feito pelo Transport Research Laboratory do Reino Unido.
Um cheirinho:

Of all interventions to increase cycle safety, the greatest benefits come from reducing motor  vehicle speeds. Interventions that achieve this are also likely to result in casualty reductions for all classes of road user. This may be achieved by a variety of methods, including physical traffic calming; urban design that changes the appearance and pedestrian use of a street; and, possibly, the wider use of 20 mph speed limits.  
Most cyclist injuries in multi-vehicle collisions take place at junctions. Reducing the speed of  traffic through junctions appears to be an effective approach to reducing cycle casualties, and  physical calming methods are a reliable means of achieving such a reduction. 
Providing segregated networks may reduce risks to cyclists, although evidence suggests that the  points at which segregated networks intersect with highways can be relatively high-risk, sometimes of sufficient magnitude to offset any safety benefits of removing cyclists from the  carriageway. 
publicado por MC às 16:44
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Maio de 2012

O preço justo para o estacionamento II

Tenho insistido várias vezes que o estacionamento automóvel não deve ter um tratamento especial no que toca ao seu preço. Se o preço de um bem essencial como uma casa segue uma lógica de mercado - quanto mais desejadas for, mais cara é - porque haveremos de tratar o estacionamento de uma maneira mais favorável? Uma casa no centro da cidade é muito mais cara, apenas pela sua simples localização. O estacionamento não deve tornar as nossas praças, o nosso espaço público, em parques de estacionamento, mas deve ser restrito a garagens - tal como é proibir acampar ou construir casas no meio do Rossio - e seguir uma lógica de mercado.

Nova Iorque é dos melhores exemplos desta política, e uma notícia de ontem mostra bem como estamos a desbaratar o nosso precioso espaço público para estacionar caixas de lata: em Nova Iorque há um lugar de estacionamento à venda por um milhão de dólares!

 

..............................................................................

Link recomendado de hoje, um texto no Boinb Boing sobre o custo que o estacionamento grátis acarreta: Free Parking costs a Fortune.

publicado por MC às 17:42
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quarta-feira, 16 de Maio de 2012

Alertar a vítima e apenas a vítima

 

 

Na "ciclovia" ao longo do rio Tejo em Lisboa, reparei que havia o seguinte desenho em vários pontos:


 

Sempre que a "ciclovia" se cruza com o trânsito, o ciclista que conduz um veículo de 15Kg, é alertado do perigo eminente. E do lado do condutor, que conduz um veículo 100 vezes mais pesado, logo 100 vezes mais perigoso e 100 vezes menos ágil e é por isso uma potencial arma em movimento? Nada. Absolutamente nada.

É mais um caso da habitual inversão de valores, que põe a responsabilidade do lado da potencial vítima em vez de o colocar no potencial agressor. Tal como em alguns países islâmicos se obriga as mulheres a usar burqa para não serem violadas.

 

.............................................................................................

Repesco aqui um post antigo do De Bicicleta no Porto para quem torce o nariz a dinheiro gasto em infra-estruturas para bicicletas: a DR Educação do Centro gastou 138 mil euros só para tapar o sol aos automóveis.

 

 

publicado por MC às 14:16
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Maio de 2012

Miguel Barroso: "Sobre o real custo da hipermobilidade automóvel"

Voltamos a ter o prazer de ter um texto escrito por alguém de fora, logo melhorzito que os nossos. O texto de hoje é do Miguel Barroso, autor do inspirador Lisbon Cycle Chic (que está a organizar o segundo encontro Cycle Chic em Lisboa no dia 19 de Maio) e um membro activo da FPCUB.

Obrigado Miguel!

 

Sobre o real custo da hipermobilidade automóvel

 

Para quem diz que os automóvel e os combustíveis estão sujeitos a muitos impostos,  vejam esta reportagem, e comecem a somar os nºs...

Não há IA nem ISP juntos que paguem tamanha factura!... E isto é apenas uma ponta do véu - os custos conjuntos de construção e manutenção das Ex-SCUTS e AEs, cujo tráfego é cada vez menor, são simplesmente assustadores. Juntem a isto todos os nós viários, variantes, viadutos e afins, construídos nos arredores (e no interior!!!) das cidades. Não defendendo o TGV, que nos dias de hoje é uma carta fora do baralho, vejam quantos seriam possíveis de construir com estes montantes aqui falados.

Sim, a mobilidade automóvel é brutalmente financiada pelo estado! 

E as redes de transportes colectivos saem penalizadas, pois a "fuga" para o transporte individual resultante deste financiamento, traduziu-se em menos utilizadores dos transportes públicos, e por conseguinte, menor sustentabilidade económica destes...

É urgente inverter esta lógica, trazer seriedade a estas negociações, e tentar minimizar o estrago que já foi feito (temos o país rasgado por autoestradas sobredimensionadas e em quantidade exagerada, cuja manutenção é impossível de comportar). A reportagem já não é nova, e não sei em que ponto estará esta situação agora. 

Para o comum cidadão, o real custo da mobilidade automóvel está longe de ser compreendida... Todos continuam a protestar, pois é cada vez mais caro, mas na realidade, esse custo é ainda uma fracção do custo global - o resto, continua a ser pago pelo erário público, ou seja, somos todos a pagar . A tendência será para que os utilizadores do automóvel paguem uma fatia cada vez maior dessa factura global.

Claro que serão sempre necessárias infraestruturas rodoviárias - a questão aqui reside na quantidade pornográfica que foi construida nas últimas décadas. O país foi desfigurado em nome de um suposto progresso, em nome de um modelo de desenvolvimento distorcido e com contornos financeiros pouco claros e muito perversos. 

 

publicado por Menos Um Carro às 17:50
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

Comércio local cresce

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(215)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006