Quarta-feira, 30 de Junho de 2010

A primeira cidade sustentável e inteligente da Europa?

Portugal vai ter em Paredes a primeira cidade sustentável e inteligente da Europa. Vai?

 

Segundo a imprensa, é o caso. Terá o DN ido a reboque do empolamento necessário a este tipo de eventos e criado pelos assessores das empresas promotoras? Aparentemente, não há razões explícitas que digam porque será a futura cidade "sustentável e inteligente". No jornal i, parece haver contudo algumas razões:

 

[...] a multinacional prevê desenvolver milhões de sensores para esta cidade inteligente, um projecto único no mundo. É aquilo a que chama de "smart connected communities". "O que teremos é a próxima geração da internet, que é a internet das coisas e teremos tudo interconectado"

 

Nesta cidade haverá informação em rede e toda a comunidade estará ligada em tempo real. E deu um exemplo: "Poderemos ter um médico por telepresença e isso também é melhorar a qualidade de vida das pessoas."

 

Atenção. Não estou contra este investimento. Os números são ambiciosos e prometedores: 12 mil empresas, 20 mil empregos, um investimento até 2015 de 10 mil milhões de euros e um modelo de negócio integrado que pode vir a significar 5% do PIB.

 

O que questiono é a relativa e imediata equivalência com que o assunto é mediatizado e a habitual confusão entre tecnologia moderna e "inteligência" de cidades ou de outros artefactos.

 

Uma cidade não precisa de ser criada de raiz para ser inteligente. Tampouco de uma febre tecnológica que a conduza a melhores destinos. Nem a reconstrução de algumas das suas partes, por ser mais recente, implica mais inteligência e sustentabilidade. Pelo contrário. Foi precisamente a trapalhada da construção de subúrbios desagregados e da sua conectividade à cidade já existente que tornaram Lisboa e Porto pouco sustentáveis e inteligentes. Foi a incúria de arquitectos e urbanistas que criaram uma cultura de residências e edifícios sem qualquer sustentabilidade e respeito pelos usos do espaço. Temos a ideia habitual de que na história humana acumulamos mais conhecimento ao longo dos anos, o que não deixa de ser verdade. Mas esse conhecimento, usado para a resolução de problemas, aumenta por sua vez a magnitude e a complexidade dos problemas criados pela introdução das novas soluções, que nunca são definitivas.

 

O que estou a tentar dizer é que já existem soluções para tornar as cidades mais sustentáveis e inteligentes. Não tenho nada contra a tecnologia mas acho excessivo estarmos sempre a usá-la como se fosse uma panaceia para todos os males do mundo. Não é e não faz sentido estarmos a esperar apenas por mais soluções tecnológicas para os problemas actuais.

 

Concretizando:

 

- A arquitectura bioclimática é hoje uma das soluções arquitectónicas que se baseia no enquadramento do edifício com o lugar e as redondezas. Este nome pomposo é só um chavão para aquilo que os nossos antepassados, por serem obrigados a usarem os recursos da melhor maneira possível, usavam nas suas casas. Um exemplo simples são as portadas das janelas das casas alentejanas, cuja cor, estrutura e materiais permitem uma gestão da temperatura consoante a época do ano. Hoje constrói-se à toa e os problemas de clima interior são remediados  pelo ar condicionado. Ver, a este respeito, a comunicação sobre Arquitectura Tradicional e Sustentabilidade.

 

- O bairro de Vauban em Freiburg, Alemanha, é livre de carros. Ver aqui imagens e aqui um testemunho. Isto porque a sua estrutura, compacta, também proporciona a rejeição do automóvel. As lojas de bens essenciais estão perto, não havendo por isso a necessidade de criar deslocações desnecessárias a centros comerciais. Tudo isto é...inteligente e exequível sem tecnologias impossíveis ou onerosas. E no entanto, em Portugal os subúrbios expandem-se na dependência do automóvel e dos seus centros históricos com tectos. O estacionamento é com frequência gratuito ou muito barato.

publicado por TMC às 14:58
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 25 de Junho de 2010

Não há portagens grátis

Com alguns avanços e recuos, começa finalmente a instalar-se a ideia de que as SCUTs devem acabar. Cobrar portagens ou aumentar impostos sobre os combustíveis é me mais ou menos indiferente, o que é importante é que este custo enorme (mais de 600 milhões por ano) para o Estado seja cobrado a quem o usa.

E é aqui que oiço as coisas mais disparatadas por aí. Parece que a opção é entre ter portagens ou ser gratuito, como se alguma alma caridosa pagasse os 600 milhões. A verdadeira opção é ser pago por quem tem carro e usa auto-estrada, ou por todos nós. Colocando as coisas nos verdadeiros termos, a resposta parece-me óbvia.

 


A ler na BBC: a Nokia lançou um kit para recarregar o telemóvel com o dínamo da bicicleta!

tags:
publicado por MC às 11:09
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
Segunda-feira, 21 de Junho de 2010

Publicidade vista por aí

 

O meu metro não se mete em engarrafamentos

 

Evitar o acidente, resume-se a uma simples ação

 

O meu metro deixa-me dormir mais um pouco

 

Na estrada somos todos frágeis.

Respire, sorria, abrande

 

 


A ler no Lx Sustentável, uma posta sobre Brasília e o automóvel.

 

publicado por MC às 22:40
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Junho de 2010

Qual o transporte mais eficiente à face da Terra?

via Boston Biker

A escala vertical mede a eficiência energética (energia gasta por cada km percorrido por cada gama transportada) de cada transporte. A bicicleta deixa a concorrência a milhas! Repare-se que o caminhar de um homem, um sistema de locomoção primitivo e aparentemente ineficiente - por não ser contínuo, mete-se uma perna à frente, para-se, passa-se a outra para a frente, etc. - fica ligeiramente em melhor posição do que o automóvel!

Atenção ao ler o gráfico, ele mostra o total do peso transportado. Quando andamos de carro o objectivo é transportar as pessoas dentro dele, a deslocação do carro é apenas um meio para atingir o fim. O gráfico diz-nos que mesmo imaginando que tínhamos como objectivo transportar toda uma tonelada, o sistema da bicicleta seria mais eficiente. Se o objectivo for apenas transportar a pessoa, a derrota do carro é ainda mais humilhante.


Foto roubada ao Uma bike pela cidade:

publicado por MC às 12:36
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Quarta-feira, 2 de Junho de 2010

Carros, as vacas sagradas das alterações climáticas

 

Fonte: AEA
A União Europeia há vários anos que tem política ativas na redução da emissão de gases do efeito de estufa. Foi a principal defensora do protocolo de Kyoto, onde se comprometeu (na altura a 15) a reduzir as suas emissões de 2008-2012 em 8% face a 1990. Como se vê na parte de cima do gráfico, a Europa reduziu 11% das suas emissões em 2008 face a 1990. Esta redução teve obviamente um custo, nova legislação, nova tecnologia, indústrias que tiveram de ser convertidas, novos hábitos, etc. De lembrar que a economia cresceu mais de 40% neste período, de modo que a redução de 11% é realmente um sucesso.
O transporte rodoviário é no meio disto tudo uma vaca sagrada na Europa. Este setor aumentou as suas emissões em 26%. Em 1990 era responsável por 12,8% do total, em 2008 por 18,2%. A UE ficou-se por meros objectivos de melhoria de eficiência (e mesmo estes foram sendo retirados por enorme pressão da indústria), nunca tendo havido a intenção de reduzir o transporte rodoviário. Bem pelo contrário, o apoio a construção de infra-estruturas rodoviárias continua a merecer milhões em apoios comunitários todos os dias.

 

 

E não, o carro eléctrico (mesmo com electrões provenientes somente! da energia eólica) não é uma solução para isto.

 

 


 

A comprar esta semana em Lisboa, a Time Out dedicada à bicicleta na cidade.

publicado por MC às 13:14
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Terça-feira, 1 de Junho de 2010

Programa para a manhã de 5 de Junho

 

 

 

Nota: Só peca por ser tão curto..

publicado por António C. às 02:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Acabou a maior vergonha n...

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

tags

lisboa(223)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(103)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006