Segunda-feira, 19 de Março de 2007

Utilizador Pagador ou Os 1315€ Que Me Roubaram

Há um princípio fundamental em economia (infelizmente maltratado) chamado utilizador-pagador ", que ganha o nome de poluidor-pagador " quando o aspecto central do utilizador é o facto de ele poluir.  A ideia central é que o preço de um serviço/bem a ser usado/comprado deve espelhar o custo total desse serviço/bem. Assim ao optar entre diferentes alternativas o utilizador vai ter em conta não apenas as vantagens que cada uma traz, mas também os custos para a sociedade de cada uma. Não faz sentido uma televisão ser tão barata como uma maçã, porque a produção da primeira acarreta obviamente mais custos. Se houver dois modos de produzir o mesmo produto, e imaginando que a única diferença é um dos modos ser amigo do ambiente e o outro poluidor, então o produto produzido através do método mais verde deve ser mais barato para que os consumidores tomem a decisão mais correcta para a sociedade.
Como é óbvio este princípio não se tem aplicado em plenitude no caso dos transportes. Por um lado é verdade que o transporte rodoviário privado para lá do seu custo (preço do automóvel e combustíveis) é altamente taxado (imposto automóvel, impostos sobre combustíveis, portagens, etc...) comparado com os transportes públicos (subsídios do estado) e as bicicletas (apenas se paga a bicicleta). Mas por outro é claro que esta taxação não é suficiente para cobrir todos os custos que a sociedade têm devido à utilização do automóvel: ambiente, construção e manutenção de estradas, fiscalização do trânsito, vítimas de acidentes, doenças causadas pela poluição, stress, ocupação do espaço urbano, instituições como os tribunais e a DGV para regular o trânsito, o sistema de seguros, o sistema de inspecções obrigatórias, etc...
Esta conversa toda vem a propósito dum relatório da Agência Europeia do Ambiente sobre os subsídios a cada tipo de transporte (notícia no DD). Segundo a notícia «"o transporte rodoviário - o principal contribuidor para os problemas ambientais dentro do sector dos transportes -" é o principal beneficiado pelos subsídios, destaca o documento». O transporte rodoviário recebe a nível europeu 125 mil milhões de euros por ano dos estados, ou 253€ de cada europeu. O mais escandaloso é que os custos que não são pagos pelos utilizadores em particular, mas pagos por todos, ascendem a 650 mil milhões de euros! Ou seja 1315€ por cada um de nós!! Assim dificilmente caminharemos para uma mobilidade sustentável.
publicado por MC às 16:58
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Ana Pereira a 19 de Março de 2007 às 19:33
É aquela treta das externalidades... Todos os produtos e serviços deviam ter todos os seus custos internalizados, fossem eles de carácter ambiental, social ou económico. Assim é sempre uma injustiça, e impede as pessoas de optarem por alternativas mais amigas do ambiente e das pessoas porque estes produtos ou serviços acabam por não conseguir competir com os outros em termos de preço... :-(
De José M. Sousa a 2 de Setembro de 2007 às 02:17
Quando confrontamos os custos para o OE de uma possível gratuitidade ou quase gratuidade dos transportes públicos com todos estes custos associados ao transporte rodoviário, se calhar chegamos à conclusão que seria uma pechincha.
Quanto à eficácia da gratuitidade, concordo que só por si não seria suficiente para atrair muitíssimo mais gente. Para além da qualidade, que referi, as portagens urbanas e outras formas de penalização do automóvel deveriam ser implementadas. O ponto é que sendo o transporte gratuito, não haveria mais desculpas. Por outro lado, tendo em conta o preço de alguns passes e outros factores, em muitos casos o transporte público não é competitivo com o automóvel.
De anape a 24 de Agosto de 2009 às 17:13
O princípio "utilizador poluidor-pagador " é efectivamente maltratado e deturpado no nosso país. Chega a ser perverso.
Serve não apenas para os automóveis e combustíveis, mas também para os consumidores de água, porque as taxas referentes ao saneamento estão dependentes do consumo de água (não são fixas).
O princípio em si é injusto - desde que não exista regulação/fiscalização/responsabilidade - porque engloba a obrigação geral de todos aqueles que necessitam (directa ou indirectamente) quer de combustíveis, quer de água.
Explico: A globalidade dos impostos já deveria envolver os custos com acessibilidades/educação/justiça, etc... Ora, parece que não chegam esses impostos e surgem mais outros directos e indirectos. Contudo, esquecem-se os custos (/benefícios) das auto-estradas e posteriores contratos com entidades privadas que sempre derrapam (e muito) os orçamentos iniciais e/ou o clausulado contratual foi "mal" redigido/interpretado/omisso. Isto para não mencionar sequer os ajustes directos por valores absolutamente inconcebíveis. Resultado: pagamos todos pelos “erros” de alguns.
No caso dos combustíveis, por exemplo, imaginemos que a matéria-prima custa 0, teríamos estes valores a pagar:
Gasolina/Matéria Prima - ZERO
Margem Distribuição+Retalho - 0.15 eur/litro
Imposto Sobre Produtos petrolíferos - 0.583 eur/litro
Total (antes do IVA) - 0.733 eur/litro
Total (com IVA) - 0.88 eur/litro

Gasóleo/Matéria Prima - ZERO
Margem Distribuição+Retalho - 0.15 eur/litro
Imposto Sobre Produtos petrolíferos - 0.364 eur/litro
Total (antes do IVA) - 0.514 eur/litro
Total (com IVA) - 0.62 eur/litro

Até o biodiesel é taxado com ISP.
«a obrigatoriedade de incorporação de biocombustíveis surge como uma forma de dar cumprimento à Directiva 2003/30/CE sobre a utilização de bicombustíveis nos transportes rodoviários, Directiva essa que Portugal NUNCA cumpriu desde a sua entrada em vigor em 2005. como sempre, as gasolineiras, não querendo ser elas a suportar esse novo encargo, fizeram reflectir sobre os consumidores o acréscimo de custo derivado da obrigação, e não tiveram nenhum pejo em 'responsabilizar' na praça pública os biocombustíveis por essa subida de preço, sem explicar convenientemente todo o enquadramento desta acção.» http://caldeiraodebolsa.jornaldenegocios.pt/viewtopic.php?t=63993&postdays=0&postorder=asc&start=1675

No saneamento passa-se praticamente a mesma coisa, ou seja os autarcas e demais responsáveis aprovando urbanizações a torto e a direito, na ânsia do volume de negócios que o imobiliário envolve, esquecem (?) todos os custos estruturais e de manutenção. No final e depois das urbanizações prontas todos os custos estruturais (cuja principal fatia já foi paga pelos construtores/promotores e clientes finais) voltam a ser descarregados nas facturas mensais de todos os consumidores de água da zona. Nem menciono o IMI…

Quanto aos meios, obviamente onerosos e nem sempre eficazes de controlo da poluição - ETAR - nem sempre estão implícitas e a poluição nos cursos de água é a que todos conhecemos.

O problema, a meu ver, reside na organização estrutural do país, nas políticas inerentes e numa tremenda falta de JUSTIÇA. Afinal, todos nós pagamos e muito como utilizados/poluidores e não vemos para quê.

De MC a 26 de Agosto de 2009 às 10:10
anape,

1) os impostos deveriam cobrir o quê, afinal? Pelo que percebo, quase tudo.
2) há diferença gigantesca entre o consumo banal (seja algo fundamental como comida ou banal como uma hora de solário) e os tipos de consumo que caem no princípio do poluidor pagador. No caso dos primeiros não afecto terceiros pelo meu consumo. Nos transportes afecto em muito os terceiros.
O fundamental está aqui, em vez de proibir comportamentos que afectam terceiros, cobra-se mais por eles para eles serem desincetivados.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Não podemos estar indifer...

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(216)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006