Quarta-feira, 7 de Outubro de 2009

Cidades anti-peão: nem os cruzamentos do centro se safam

 

Finalmente fiz um video sobre um problema que existem em quase todos os cruzamentos das nossas cidades. Um problema invisível a todos, mesmo a quem se preocupa com os peões. Quando um cruzamento é desenhado, ele é pensado de modo a minimizar o tempo de espera dos automobilistas. Só depois se pensa no peão, e inventa-se uns percursos para ele atravessar o cruzamento. Pouco importa se o percurso é longo e tem muitas esperas.

o vídeo tenho um exemplo de um cruzamento muito simples, uma avenida estreita com uma rua secundária de um só sentido, numa zona muito comercial de Lisboa. Em alguns casos, o peão tem que esperar por 3 semáforos diferentes para atravessar apenas uma via. O automóvel nunca espera mais de um semáforo. Vejam o video que diz tudo.

 

 


Post a ler: uma cicovia atabalhoada no Porto no De Bicicleta no Porto. O carro nunca foi sacrificado, e o que não falta são situações "estranhas".

publicado por MC às 16:16
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Joana a 7 de Outubro de 2009 às 16:36
Estes são os casos em que se tem de fazer 3 atravessamentos para chegar ao outro lado da rua que se queria atravessar.
Também existem casos - mais perigosos - em que somos obrigados a atravessar uma rua "a prestações": o sinal fica verde para atravessar metade da rua, depois ficamos na "ilha", normalmente estreita, à espera que o semáforo da outra metade fique verde, a levarmos com o CO2 e a rezarmos para não sermos atropelados (como no tristemente célebre caso que aconteceu há tempos perto da Praça do Comércio). Há vários exemplos assim em Lisboa - por exemplo, para atravessar a Av. Álvares Cabral, junto ao Rato (onde o semáforo para os peões nunca está verde simultaneamente nos dois lados da rua).
Os tempos de espera dos semáforos chegam a ser desesperantes (tudo para facilitar o trânsito automóvel, claro!) e há quem perca a paciência e arrisque passar com o vermelho. Mas quanto a tempos de espera, ainda não vi pior do que Cascais, onde os peões são tratados abaixo de cão.

O vídeo é bom!
De MC a 9 de Outubro de 2009 às 14:53
Obrigado!
E como dá para ver no video há muitos peões que também acham uma estupidez esperar por estes semáforos ridículos.
De Catarina a 7 de Outubro de 2009 às 18:26
Esta é uma das fortes razões que me levam a atravessar o semáforo mesmo quando está vermelho.
Quando em Copenhaga no início não atravessava a estrada no sinal vermelho porque queria perceber as regras se era hábito se não. Depois apercebi-me que não é hábito atravessar o sinal vermelho (atravessar no meio da estrada fora da passadeira é frequente) mas nos sinais todos esperam e para mim agora é algo natural que não me custa. Pela razão que apresentas, a sinalização é feita a pensar nos peões. Até o noto ao andar de bicicleta que em Lisboa andava muito mais rápido porque quase sempre estava verde... coisa que já não acontece em Copenhaga tirando nalgumas estradas que estão feitas a pensar na bicicleta a velocidade média de 20km/h.
De MC a 9 de Outubro de 2009 às 14:56
Catarina, eu não me lembro bem como é em Copenhaga, mas em Estocolmo, Amesterdão, etc. também acaba por haver menos semáforos em comparação a Lisboa (por haver menos carros). Logo mesmo que se espere sempre pelo verde, é uma espera que não se tenha de fazer frequentemente.
E como dizes, é muito comum atravessar-se fora da passadeira e sem sinal. Algo que a maioria das pessoas desconhece
De sushi lover a 10 de Outubro de 2009 às 19:49
o rato é um dos casos mais terríveis para peões. vivi lá anos e era perita em atravessar com todos os vermelhos possíveis que n pusessem a minha vida em (demasiado) perigo. atravessar respeitando toda a sinalização era desesperante!
eu tb detesto os travessamentos em duas fases e aquela espera no meio da estrada!
De MC a 15 de Outubro de 2009 às 12:06
Em duas fases?? Estás a ser simpática. Há atravessamentos em 3 e em 4 fases no Rato!
E claro que é desesperante. Daí eu achar uma hipocrisia sempre que se critica o peão por desrespeitar as leis. Está tudo feito contra ele, o peão é esmagado pelo desenho urbano, não se pode esperar deveres semelhantes quando os direitos são diferentes.
De alien3065 a 7 de Outubro de 2011 às 11:57
Excelente vídeo. Por acaso já não circulo muito por essas bandas, nem pelo Saldanha, mas por exemplo, quando vou ao CC Amoreiras, vindo de Campolide (não sei bem o nome dessa rua), os semáforos ali existentes não dão tempo para que alguém, com problemas de mobilidade, especialmente idosos ou pessoas com canadianas, tenham tempo para atravessar as duas vias de circulação auto, tendo de o fazer em passo acelerado (!) porque senão chega ao meio da estrada e já está vermelho! Mas não é só neste local. Existem outros locais em que acontece o mesmo o que significa que para esta gente, peão é = a NADA! Por isso - e cada vez mais -, vimos latas atrás de latas (QUAL CRISE?) estacionadas em cima dos passeios, em cima das passadeiras, nas paragens dos transportes públicos, a passarem sinais vermelhos, circulando em vias BUS ou com sinais de sentido proibido ou a mais de 80 Km/h e tudo isto nas barbas da polícia que indiferentemente assiste e assobia para o lado! Quem se deslocar ao Largo do Calvário/Alcântara, onde existe uma Divisão/esquadra da PSP, constata transgressões a todo o minuto mesmo em frente à porta da esquadra, o que significa que leis são apenas para quando alguém está mal disposto e lembra-se de autuar só porque sim... Acabem com a porcaria do Código da Estrada e com os exames de código se eles não valem nada, na realidade do dia a dia, pois ninguém cumpre as regras de trânsito sem estas se fazem cumprir por quem tem ordenado pago com o dinheiro dos nossos impostos!

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006