Quinta-feira, 20 de Agosto de 2009

Ainda mais subsídios para os popós? Tirem-me deste filme

Queres andar a pé. Anda.

Queres andar de bicicleta? Compra e anda.

Queres andar de transportes públicos? O Estado paga uns euritos ao mês do teu passe e vais com sorte.

Queres andar de popó? Depois de descontos no IRS, ISP, 100% de desconto no IAutomóvel e IÚnico de Circulação, apoio à sua produção, incentivos extra no abatimento do carro anterior e IRC, o governo vai dar 5000€ a quem comprar um popó eléctrico! Eu e todos os outros que apenas usam as três primeiras opções, vão estar a oferecer uma batolada de dinheiro ao pessoal para andar de popó.

 

Que mentalidade saloia. Apoiar uma solução de mobilidade que poucas vantagens traz quando as soluções que já provaram resultados por essa Europa fora são abandonadas.

 


A ler: 101 atropelamentos nas passadeiras em Lisboa em apenas 4 meses no Observatório da Baixa. Será que a culpa é dos peões? Será que se fossem popós eléctricos não haveria atropelamentos?

publicado por MC às 16:23
link do post | comentar | favorito
20 comentários:
De Fuschia a 20 de Agosto de 2009 às 17:10
Não estou contra os subsidios para o carro electrico, acho que são lutas diferentes. Mas eu, que gasto tanto dinheiro em transportes porque acho que não tem lógica vir para Lisboa de carro, acho que os transportes deveriam ser dedutiveis no IRS.
De Gonçalo Pais a 20 de Agosto de 2009 às 17:14
É sempre a mm chulice...dar dinheiro aos donos dos popós é visto como investimento (só se for em votos) e para transportes públicos ou suaves é um desperdício.

Em relação aos atropelamentos, com os veículos eléctricos vai ser uma história bonita de se ver. Não quero ser negativista, mas com a diminuição da emissão de ruído que, por vezes é o que ai safando o peão, quero ver como vai ser...e claro que a culpa vai ser, mais uma vez, do mexilhão! OUVISSEM BEM !

A ver vamos...
De MC a 21 de Agosto de 2009 às 12:38
Viva,
o comentário aos atropelamentos era uma brincadeira, era só para mostrar que os eléctricos pouco ou nada resolvem dos problemas da ditadura do automóvel.
Eu também acho que pode haver alguns problemas inicialmente, mas será transição. Pensa em quem vai pela primeira vez a uma cidade com ciclovias. Também está constantemente a apanhar sustos com as bicicletas (bem mais agradáveis que com os popós eléctricos, obviamente!), mas quem mora lá, ou fica lá uns dias, não tem esses problemas.
De BB a 20 de Agosto de 2009 às 17:20
acrescentava --

Queres andar a pé. Anda. -- e não te queixes de ter os passeios ocupados, os caminhos cortados e as passagens dificieis

Queres andar de bicicleta? Compra e anda. -- se és temerário

Queres andar de transportes públicos? O Estado paga uns euritos ao mês do teu passe e vais com sorte. -- e não te esqueças de comprar os vários bilhetes e passes bem confusos e incompatíveis
De MC a 21 de Agosto de 2009 às 12:39
:)
De Rogério Leite a 20 de Agosto de 2009 às 19:26
É incrível! Pensei que o povo de PT estava mais antenado. Será que eles não veem que o espaço ocupado por um "popó" eletríco ou a gasolina ocupa o MESMO ESPAÇO?! e que em algum momento vai se ter de produzir mais energia elétrica! E como fica isto com a matriz energética de Portugal? Daqui a pouco vai o Governo dizer que precisa por a funcionar USINAS TERMOELÉTRICAS porque as alternativas já estão no máximo e os milhares de carros elétricos estão CONSUMINDO MUITO! HAHAHAH...
De MC a 21 de Agosto de 2009 às 12:44
Rogério,
lamento desiludir-te... mas tens toda a razão! :)
De Rogério Leite a 21 de Agosto de 2009 às 13:07
MC... no último comentário deixei me levar pela "fúria", desculpe-me, creio que não fui realmente entendido. Que eu saiba, carros eletrícos precisam de energia, porque não foi dito se seria carros movidos a energia solar ou apenas elétrica. Este energia é produzida pela MATRIZ ENERGÉTICA de um país. No Brasil, nossa matriz é HIDROELÉTRICA em grande parte, mas no "APAGÃO" alguns anos atrás, por conta do aquecimento global e da seca nestas usinas, tivemos de apelar para as TERMOELÉTRICAS Á ÓLEO DIESEL! Ou seja, uma alternativa bem suja! Agora estamos convivendo com a idéia MIRANBOLANTE de ga$$$tar bilhõe$$$ de reai$$$ para construir usinas NUCLEARES, tendo ao mesmo tempo uma das maiores INSOLAÇÕES e VENTOS do planeta. Tudo para evitar um FUTURO APAGÃO. Tem sempre alguém querendo LUCRAR com a ignorância do povo, creio que aí tb deve ser assim. Pergunta, quem está realmente LUCRANDO com esta transferência de consumidores de gasóleo para consumidores de energia elétrica em seu país? Não sei, mas creio eu que este INCENTIVO para troca tem outro papel: FAZER COM QUE A SOCIEDADE PRECISE DE MAIS ENERGIA ELÉTRICA E ESTEJA ABERTO A CONSTRUÇÃO DE NOVAS FORMAS DE PRODUÇÃO, INCLUSIVE AQUELAS QUE PRECISAM DE GRANDES OBRAS, COMO USINAS ATÔMICAS E HIDROELÉTRICAS! Quem iria lucrar com isto? Político é igual a todo mundo, só que mais esperto, pensa longe, e pensa com o bolso dele! Esta troca ABSOLUTAMENTE SEM SENTIDO, como TODOS percebemos, TEM de ter um OBJETIVO BEM ESCUSO por ai, escondido nas brumas... Fiquem atentos!
De MC a 21 de Agosto de 2009 às 14:02
Rogério,
da minha parte não foste mal entendido! Concordo com tudo o que dizes, e de facto não consigo perceber estes apoios aos carros eléctricos.
Mas não acho que seja para meter dinheiro ao bolso (acho que estás a ser optimista quando falas na esperteza), a saloice habitual no que toca ao automóvel explica todas estas palermices... Dalo de Portugal, claro. Não conheço bem a situação brasileira.
De Mario a 20 de Agosto de 2009 às 19:39
A troca de carros a combustão por carros eléctricos poderia resolver um dos grandes problemas de Lisboa, e que também é um problema dos peões: a poluição ambiental. Concordo portanto num apoio à adopção do carro eléctrico.
No entanto acho uma completa cretinice o apoio ser dado de raiz, deveria sim ser dado contra abate de carro antigo a combustão.
No caso que se analisa, em caso de abate de carro, o alegre condutor terá um apoio não de 5000€, mas sim 6500€. Pelo dinheiro que vai sair dos cofres públicos com esta medida, compravam-se bicicletas para milhares de portugueses...
Enfim...
De MC a 21 de Agosto de 2009 às 12:41
Bem, resolve-se a poluição ambiental local, não a poluição global.
Depois a poluição é uma pequeníssima parte dos problemas dos peões. Atropelamentos, passeios ocupados, cidades desumanas e vazias, fim do comércio local, falta da espaço para outras actividades que não o alcatrão e o estacionamento, impossibilidade de se andar a pé devido às barreiras rodoviárias, congestionamento, stress, custos elevados do sistema de transporte, etc. tudo isso é independente do motor do carro ;)
De MC a 21 de Agosto de 2009 às 12:43
Já agora Mário,
não são 6500 mas 6800€.
Foi aumentado recentemente
De T a 21 de Agosto de 2009 às 15:17
O desconto actual pode ir até 1500€ em ISV. O valor efectivo de desconto pode chegar aos 1800€ porque também se paga IVA sobre o ISV (dupla tributação em vigor em Portugal). Ora, o popó eléctrico já está 100% isento de ISV portanto à luz da lei actual não tem direito a mais este incentivo..
De MC a 24 de Agosto de 2009 às 11:05
T,
é verdade. Bem visto!
De Mario a 21 de Agosto de 2009 às 14:56
Completamente de acordo.
Estava só a dizer que o gesto em si, embora mal enquadrado, teria ainda assim algumas vantagens ;)
De PJ a 20 de Agosto de 2009 às 21:12
tenho uma questão, que sinceramente não sei a resposta.
será q os políticos acreditam mesmo q estão a cometer uma acção benévola, quase santa, até?
ou será q até têm consciência q estão a ser injustos, para não dizer ladrões?

juro q não sei a resposta. não sei se estamos perante uma cambada de lorpas, se de cretinos.
seja como for, uma ou outra não é boa para ninguém.

desculpem o desabafo, mas normalmente até costumo usar palavras mais "dignas" :p
De MC a 21 de Agosto de 2009 às 12:43
PJ,
eu não gosto de ver os políticos como uma classe à parte. Cada população tem os políticos que merece, porque os políticos são cidadãos como os outros.

Nessa perspectiva, eu acho que eles acham mesmo que é uma boa solução. Basta ir ao café do bairro e perguntar se acham bem que se dê esse dinheiro para o popó eléctrico :(
De Nuno a 21 de Agosto de 2009 às 15:27
O governo incentiva o carro electrico porque ganha mais em impostos sobre a manutenção do mesmo no futuro e não pões o chapéu de burro por ter feito tantas auto-estradas.
Com esta solução, além da óbvia injustiça para quem usa meios de transporte verdadeiramente amigos das cidades e do ambiente, os restantes efeitos negativos da mobilidade individual "enlatada" não são resolvidos....
Há ainda um pequeno senão a isto tudo - se toda a gente optar por trocar o carro a combustão por um electrico quem garante que a rede suporta a carga adicional.... E postos para toda a frota? E o que fazer às baterias usadas...
A grande vantagem é que se mantém a clientela política já existente satisfeita e a pagar campanhas e outras palhaçadas que tal....
De TMC a 21 de Agosto de 2009 às 15:37
Não suporta. Portugal não tem capacidade para suportar o seu parque automóvel actual a energia eléctrica. Além de que dizer que os carros eléctricos são verdes é um engodo. Mesmo que descontássemos o ciclo de vida que inclui o fabrico de material e se só tivéssemos em conta o abastecimento, apenas 30% da energia eléctrica portuguesa vem de fontes renováveis, sendo a restante proveniente do carvão; mesmo nesses 30% existe a energia hídrica, que não é propriamente renovável no sentido mais completo da palavra.

Resumindo: o carro eléctrico é desejável mas prolonga o paradigma do transporte rodoviário individual enquanto anulando aposta noutros modos e à custa dos contribuintes. Chama-se a isso banha de cobra.

De André a 26 de Agosto de 2009 às 03:19
Quero um subsídio para comprar a minha bicicleta nova...ou é subsídios a mais neste país já...?

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006