Quarta-feira, 12 de Agosto de 2009

O carro vs o peão - o que interessa é o tamanho

Neste curioso artigo sobre a ditadura do automóvel em LIsboa escrito em 1926, sugerido aqui por um leitor, há um parágrafo interessante:

 

O transeunte não precisa andar descuidado para encontrar a morte sob as rodas dum automóvel. De resto é uma teoria errada e contraria a todos os princípios de colectivismo, defendidos sempre em todos os regimens, essa de que os peões, sendo maioria, é que devem andar preocupados com os veículos que estão ao serviço e comodidade duma minoria. Hoje não se pode atravessar certas ruas da cidade (...) sem se fazer um seguro de vida. (...)E actualmente é inegável que os automóveis constituem uma constante ameaça à vida da população. O publico não está educado, é certo; mas temos de afirmar mais uma vez que não é o publico que deve estar educado para os automóveis, mas sim os automóveis para o publico. Pelo próprio instincto de conservação, o publico defende-se e defender-se-há, sempre que o possa fazer, do perigo que o ameaçar; o mesmo, porem, não sucederá com os automóveis. . .

 

O primeiro sublinhado mostra como os argumentos mudam ao longo dos tempos. Há 80 anos, os peões é que tinham que se amanhar porque eram a maioria. Hoje o argumento  habitual diz que os peões é que têm que se amanhar porque são a minoria! (serão realmente?) Sejamos claros o que interessa é o tamanho, o peso e o status. Quando alguém está dentro de uma caixa metálica pesadíssima a grande velocidade, que lhe custou vários salários, esse alguém acha-se superior a quem caminha a pé. Depois embeleza-se a argumentação.

 

O segundo sublinhado é exactamente o que repito sempre. Se o peão se engana, quem morre é o peão. Mas se o automobilista se engana, quem morre é o peão. Qualquer regra de convivência tem que partir desta assimetria básica.

 


A ler: o número de infracções em Lisboa tem vindo a diminuir com os radares. Em dois anos baixou-se de 261.770 infracções por semestre para 55.081. Quem acha que a "caça à multa" - seja lá o que isso for - não altera comportamentos, tem aqui uma desilusão.

publicado por MC às 14:05
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De pedro santos a 13 de Agosto de 2009 às 02:05
bom... não sejas assim, em relação às multas o que se passa é que já toda a gente sabe onde estão os radares assim como também sabem quais são so 20m onde eles podem detectar as infracções. portanto, na realideda, há n vezes 20 metros onde se conduz mais devagar em lisboa...
já agora a solução é espalhar tantos radares que deixe de se justificar acelerar entre eles de forma destranbelhada como fazem hoje...
De MC a 17 de Agosto de 2009 às 18:26
ah claro, preferiria outro tipo de actuação dos radares.
só queria era chamar a atenção que o número de multas foi -se reduzindo, contrariando algumas expectativas de quem era anti-radar. desde o início que toda a gente sabia onde estão, mas houve uma melhoria ao longo do tempo
De anape a 13 de Agosto de 2009 às 04:42
Totalmente de acordo quer para os peões, quer para os animais!

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Acabou a maior vergonha n...

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

tags

lisboa(223)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(103)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006