Segunda-feira, 6 de Julho de 2009

Cá e Lá

Não percebo.

Há tanta, tanta gente que quando viaja pelo Europa do Norte adora as cidades humanas, com pouco trânsito e onde o peão é rei. Adora passear e viver uma cidade onde a vida acontece na cidade e não nas filas de trânsito e num qualquer centro comercial gigante dos subúrbios. Todos lamentam que as nossas cidades não sejam semelhantes, lamentam que não seja tão fácil viver sem carro (e sem as preocupações dele decorrentes) por cá, mas mal metem o pé no país esquecem-se de todo este discurso. De vez em quando ainda se ouve o argumento dos transportes serem maus, muitas vezes de quem nem os conhece.

Um amigo que viveu (reparem, não foi apenas turista) nos nortes regressou com o mesmo discurso inflamado. Mora perto de uma estação de metro, mas para ir à Baixa de Lisboa vai de carro e perde meia hora à procura de um lugar gratuito para estacionar. Possivelmente porque "precisa mesmo de ir de carro".

Não percebo.

 


A ler: as aventuras do redtuxer a tentar explicar a um automobilista que o passeio é para os peões no Uma bike pela cidade.

publicado por MC às 14:30
link do post | comentar | favorito
9 comentários:
De PMateus a 7 de Julho de 2009 às 02:00
O típico do povo português Fora de Portugal parece tudo possível e fantástico . mas em Portugal ninguém tomar qualquer acção , e esquece logo das "estrangeirices" do norte da Europa!
Uma mudança radical na cultura portuguesa seria necessária ! Mas quem da o primeiro passo?
Congratulo-me por viver em Amsterdam , longe do stress das cidades portuguesas cheias de transito e poluidas!
Parabens pelo blog!
De Tárique a 7 de Julho de 2009 às 10:01
Não é nada essa a percepção que tenho.

Os portugueses quando vão para o estrangeiro irritam-se de não poder usar o carro.

Ou bem que vão para o estrangeiro muito novinhos (e ainda não estão viciados no carro) ou acabam por ser tão estupidamente viciados no carro como quando estavam em Portugal.

Como sabes trabalhava numa agência internacional com pessoas de todas as nacionalidades. Da dezena de portugueses lá, havia dois que não tinham carro. Apesar de ser mais complicado naquela zona ter carro do que não ter.

Talvez por isso o país mesmo ao lado da Holanda e da Bélgica é um dos com maior densidade de popós da Europa (estar pejado de portugueses deve ajudar).
De MC a 9 de Julho de 2009 às 10:23
Eu falava dos portugueses com uma mentalidade menos novo-rica, que até percebem as vantagens de cidades com menos quando estão no estrangeiro - tanto em termos pessoais como sociais. Voltam maravilhados, mas esquecem-se rapidamente.

Eu também vivi 2 vezes no estrangeiro, e a minha experiência é exactamente a mesma. Exactamente no mesmo ambiente que os outros, os portugueses "precisavam mesmo" do automóvel mas os outros não.

Luxemburgo está apinhado de portugueses E de italianos do sul, os outros campeões do popó. Pior ainda, apinhado de portugueses e italianos cheios de dinheiro!

De CAV a 7 de Julho de 2009 às 10:40
Quem não anda de carro aqui é mal visto. É um pobretanas que não tem onde cair morto. Andar de carro é sinal de poder (pelo menos na cabeça deturpada de muitos). Para além de comodismo, os estereotipos e a vergonha de parecer pobre são os outros factores que levam os portugueses a andar de carro, quando na realidade muitos dos que têm carro andam a pão e água para o sustentar
De MC a 9 de Julho de 2009 às 10:24
Eu quando soube que havia pessoas a ir de carro buscar ajuda ao Banco Alimentar, perdi toda a vontade de contribuir como fazia todos os anos.
De PJ a 7 de Julho de 2009 às 21:47
[img]http://bp2.blogger.com/_pZBjin7S1cs/RiySzVkXsHI/AAAAAAAAAEQ/zPvXa5mg8-8/s1600-h/1.bmp[/img]

esse comportamento de português no estrangeiro e em portugal é deveras paradoxal (e n se cinge só à coisa do carro).

falando por mim, foi na verdade numa visita ao estrangeiro que me questionei «será que preciso mesmo de carro?» e vim decidido de mudar de hábitos, para recuperar os que já tinha antes de ter carro: a bicicleta é a mesma.

e não foi ao norte, foi bem ao centro/ sul da europa.

entretanto, vou tentando espalhar a mensagem, mas reconheço q está difícil.. :p
De CM a 8 de Julho de 2009 às 09:56
Já reparam que regra geral os automobilistas andam com o carro mais limpo por fora do que por dentro?

Se o carro está sujo, toca de lhe dar banho. Por dentro, onde realmente a sujidade nos afecta, assiste-se a autênticas lixeiras!

Este é um sinónimo claro sobre a preocupação para fora (para quem os vês) e não num bem estar próprio verdadeiro.
De Iletrado a 8 de Julho de 2009 às 14:31
Caro CM
Agradeço por mais esse comentário arguto, que é mais uma "arma" de arremesso contra os "carroholic" e esta mentalidade pelintra de novo-rico que existe em Portugal. Às vezes consideramos certos pormenores "tão normais" que, pela força do hábito, não conseguimos perceber que algo está mal. Eu utilizo muito pouco o carro, mas está sempre limpo e arrumado por dentro, inclusive a bagageira. Mas por fora o carro está meses sem ser lavado - excepto os vidros, que me preocupo em limpar antes de tirar o carro da garagem. Ora isto causa estranheza a muitos conhecidos meus, que se fartam de me dizer que é uma vergonha ter o carro tão sujo. E é verdade, os carros deles brilham por fora de tão limpos - mas por dentro é a maior javardice...
Boas pedaladas.
De CM a 9 de Julho de 2009 às 10:20
De facto, o senso comum diz que o exterior é que conta. Eu detesto o senso comum!
Mas o carneirismo em Portugal é uma doutrina cada vez mais enraizada.
Quanto aos carros lavados, o ponto alto são os casamentos e baptizados! :) Aí sim, assiste-se a um verdadeiro concurso de beleza, mas de carros! :D
O meu vai como estiver. Felizmente agora a chuva vai e volta mais vezes e a coisa vai-se compondo.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Não podemos estar indifer...

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(216)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006