Quinta-feira, 2 de Abril de 2009

A carapaça e o autocolante

Uma amiga inventou um conceito que ajuda muito a explicar o estranho relacionamento que muita gente têm com o automóvel ("estranho" do ponto de vista de quem deu um passo atrás para ter um ângulo de visão maior). Diz ela que o automóvel é como um  exosqueleto, tal como a carapaça de muitos insectos, tartarugas, cágados, etc. A carapaça é o seu refúgio, fora dela sentem-se vulneráveis e frágeis. Compreendem que não podem controlar o mundo à sua volta, que o mundo é feito por todos, mas a sua carapaça é um local único e pessoal. Um ataque à carapaça é tido como uma ameaça à própria vida. Aliás, muitos destes animais nem podem viver fora dela.

 

Lembrei-me desta analogia ao ler a discussão sobre o autocolante do Quero andar a pé! Posso? Há discussões em vários blogs e em vários jornais sobre o acto de colar o autocolante. Chegou-se ao ponto de um jornalista ter contactado várias polícias para indagar sobre a legalidade da colagem. Muitas pessoas adoram a iniciativa, mas não se associam por discordarem do autocolante.  Outras alertam para a possibilidade de processos judicias, mesmo sabendo que um autocolante pode ter sido colado por qualquer um. Pessoalmente não me agrada a ideia de ser autocolante, não por uma questão de dolo (estamos a falar de quem obriga terceiros,  por mero egoísmo, a pôr a sua vida em risco caminhando pela rua), mas porque o cágado não é capaz de pensar duas vezes sobre as intenções de uma mão estranha que se aproxima. E eu queria que os cágados pensassem.

 

Contudo, hoje lembrei-me das portas dos prédios de todo o país. Todas elas têm vários autocolantes, muitos há anos. Quem o cola, fá-lo por mero interesse financeiro, não o faz para pedir respeito por uma norma legal e social. É tão fácil identificar o responsável pela colagem, é mesmo essa a ideia, ao ponto de ele deixar o contacto lá escrito. Alguém se lembra de alguma polémica? De ameaças de processos judiciais ou ameaças de violência física bem explícitas como tem havido no caso do estacionamento? Claro que não, o cágado só se preocupa com a carapaça.


A ler e ver, ruas da frenética Tóquio transformadas em jardim, no Carfree France. Como sempre relembro, as cidades só não são assim porque não queremos.

publicado por MC às 01:54
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Margarida Barroso a 3 de Abril de 2009 às 00:53
Viva,

só para deixar aqui uma pequena tira de banda desenhada alusiva aos popós:
http://abstrusegoose.com/89

Quanto às carapaças: os cágados têm predadores... :-)
De CM a 3 de Abril de 2009 às 13:51
Portas de prédios, isso era dantes. Agora é tudo o que não-mexe! Portas de prédios, contadores, postes, caixas técnicas da PT, etc.
São Mudanças a 25€/hora, são Desintupidores, Casacos de Pele, Canalizadores, etc. Eu acho que já devem existir campanha de marketing organizada e tudo. Tudo na bela fotocópia A4, claro.

Sempre me irritou este comportamento, desde criança.
A grande diferença é que as portas (etc) não estão mal estacionadas! :)

Colo autocolantes pela sociedade e não por interesse próprio, que quase não ando a pé no dia a dia, infelizmente.
De Nuno a 3 de Abril de 2009 às 13:58
Para além do autocolante adoraria uma Multa Popular para por no pára-brisas.

http://www.flickr.com/photos/foxtongue/2491004588/
De MC a 6 de Abril de 2009 às 22:20
A multa já foi usada noutros locais, e chegou a ser pensada.. mas falsificação de documentos é um crime mais chato.
De MC a 6 de Abril de 2009 às 22:22
A porta do prédio (que muitas vezes é mesmo a porta de uma casa só) tem uma particularidade, é propriedade privada. Não estou a dizer que deva ser mais ou menos respeitada, mas é o paralelismo ideal com o automóvel.

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Não podemos estar indifer...

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(216)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006