Domingo, 8 de Março de 2009

Custo do ruído

O Tiago subestimou aqui a mania dos economistas de quantificarem tudo em termos de custos monetários.

O ruído automóvel, por exemplo, leva a inúmeros problemas de saúde física e psíquica (stress, dificuldade de concentração, insónias) etc. E pura e simplesmente diminui a nossa qualidade de vida, dentro e fora de casa.

Disto tudo que acabei de referir, eu sabia que havia vários estudos sobre o último de todos, a qualidade de vida dentro de casa. No estudo Modelling Environmental Influences on Property Prices in an Urban Environment da Univ de East Anglia e Univ College of London, foi quantificado quanto é que uma casa vale a menos devido ao ruído do trânsito, na zona de Glasgow. Concluiu-se que por cada 1dB de ruído a mais, que uma casa valia menos 1.07%.

Para ter uma ideia do que isto significa, 40dB é o ruído num bairro à noite, 50dB um escritório calmo, 60dB uma conversa, 70dB um automóvel a passar e 80 dB é trânsito intenso. Uma casa que custe 200 mil euros, mas que esteja numa zona onde o ruído é 20dB acima do normal, valerá menos 38 mil euros. O importante não é saber se o vendedor ou o comprador ficam a ganhar ou a perder dinheiro, o que interessa aqui é que quem vai comprar uma casa estaria disposto a pagar mais 38 mil euros pela mesmíssima casa, se ela não estivesse numa zona  ruidosa. E isto sim dá uma excelente ideia da qualidade de vida que perdemos por causa do trânsito automóvel. E estou a falar apenas de um único custo do ruído, como disse no início.

 


Cartoon sobre o greenwashing to Andy Singer roubado aqui:

publicado por MC às 20:27
link do post | comentar | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Não podemos estar indifer...

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(216)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006