Sexta-feira, 10 de Outubro de 2008

Proteger os mais fracos

Não faz sentido que se trate os automobilistas e os peões/ciclistas do mesmo modo no desenho das cidades. Para lá dos automobilistas ocuparem muito mais espaço e causarem mais incómodos a terceiros do que peões e ciclistas, logo a sua escolha deve ser desincentivada, há uma assimetria em termos de segurança que é inegável.

Se o peão/ciclista comete um descuido perto de um automobilista, quem se lixa é o peão/ciclista. Mas se o automobilista comete um descuido perto de um peão/ciclista, quem se lixa é o peão/ciclista.

 

Aqui ficam dois exemplos concretos do que isto significa na prática, ambos muito comuns em países onde existem estas preocupações.

 

1. Bike Boxes ou Advanced Stop Lines

 

roubada do Apocalipse Motorizado

 

A foto é tirada nos EUA, mas este tipo de "caixa" é muito comum nos cruzamentos na Inglaterra, Alemanha, Dinamarca, Holanda, etc. A ideia é permitir que todas as bicicletas sejam sempre as primeiras a arrancar no sinal verde. Evita-se assim o perigo de haver automobilistas que não reparam em bicicletas que vão cruzar o seu percurso.

Mais no Streetswiki

 

2. Leading Pedestrian Interval

 

O princípio é semelhante mas para o cruzamento de carros com peões. Quando os peões têm o semáforo verde, e os carros podem cruzar essa travessia com cuidado, há invariavelmente problemas, ou porque os automobilistas não respeitam a prioridade dos peões, ou porque não reparam nos peões que acabaram de sair do passeio. A solução simples, é dar alguns segundos de vantagem aos peões, e só  depois deixar os automóveis passar. (Aqui no meu bairro em Lisboa, há exactamente o contrário... alguns segundos de vantagem para os carros passarem antes dos peões, mas infelizmente não é nada que me espante). A Streetfilms tem como sempre um interessante vídeo sobre os LPI.

 

 

 


Estão prestes a arrancar os Cursos de Condução de Bicicleta em Meio Urbano organizados pela CM de Lisboa e FPCUB.


Vídeo recomendado: O excelente exemplo de mobilidade sustentável (mais bicicletas e autocarros e menos automóveis) em Almeirim, um vídeo da SIC Terra Alerta na QuercusTV.

publicado por MC às 19:46
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Portugabina a 11 de Outubro de 2008 às 12:58
O sistema LPI faz sentido nos EUA ou provavelmente em Portugal. Na Alemanha por exemplo seria quase ridiculo implementar tal sistema.E porque? Porque o próprio código da estrada regula a questao. Ou seja, em cruzamentos onde os semáforos para peoes e automóveis passam para verde ao mesmo tempo, o automoblista que tenciona virar à direita é sempre obrigado a deixar passar primeiro os peoes. A lei até diz, que o automóvel só pode cruzar a passadeira de peoes quando TODOS os peoes completaram a passagem. Isto porque existe sempre a possibilidade de haver um peao que a meio da passagem decide voltar atrás. E como o condutor nao pode prever estes comporatmentos a regra é: esperar até que as passadeiras estajam livres de peoes.

As imagens que aparecem no filme acima chocaram-me bastante: a maneira agressiva como os condutores atravessam as passadeiras ainda repletas de peoes é impressionante. Um comportamento tal na Alemanha representaria logo uma multa, senao mesmo a perda da carta de conducao. Nao me admira que a implementacao do sistema PLI seja necessário neste caso.

Mas a lei aqui na Alemanha nao existe só para chatear os condutores. Na maioria dos casos, condutores até podem virar à direita nos cruzamentos cruzando uma passadeira, mesmo com o sinal vermelho!!!! Com a condicao da estrada estar livre, tanto de peoes como de automóvies. Na seguinte foto ve-se um cruzamento onde tal manobra é permitida: http://www.fahrtipps.de/img/200/ampel-gruenpfeil-fussgaenger.jpg (a seta verda ao lado do sinal vermelho indica ao condutor, que - uma vez que a estrada esteja livre - pode avancar e virar à direta)

Suporto sistemas como o PLI e outros, mas penso que um pouco mais de civismo e respeito da parte dos automobilistas seria o fuficiente para evitar confrontacoes como as que se vem no filme.

cheers
De Ricardo Coelho a 19 de Outubro de 2008 às 17:22
Discordo completamente. É claro que se houvesse maior civismo da parte dos condutores não seria necessário recorrer a tudo isto, mas não há nem nunca haverá. Não podemos basear a nossa sociedade na fé no bom-senso dos outros.
Não conheço o caso da Alemanha mas conheço o caso de Portugal. Por cá o código de estrada também diz que os automobilistas são obrigados a deixar passar todos os peões antes de atravessar uma passadeira. Todos os dias milhares (ou milhões?) de automobilistas desrespeitam esta regra. Quantos são multados? Zero. Pior ainda, tanto quanto sei ainda estamos para ver um automobilista a ir preso por matar um peão com a sua condução negligente.
Duas questões:
1 - O facto de existir uma lei não significa que seja cumprida. Só será se existir uma possibilidade real de ser apanhado e se a pena for pesada. Caso contrário, o crime compensa. Basta ver como compensa financeiramente estacionar ilegamente o carro em vez de pagar o estacionamento.
2 - Mesmo com a correcta fiscalização, há sempre abusos. Daí que tudo o que possa ser feito para salvaguardar a segurança dos peões seja prioritário. Não acho portanto que este sistema seja desnecessário, seja na Alemanha, seja onde for.
De Hugo Jorge a 19 de Outubro de 2008 às 10:40
Mais informações sobre os cursos de condução de bicicleta

http://cenasapedal.com/site/
De efcm a 20 de Janeiro de 2009 às 20:22
Desconhecia em absoluto este sistema, concordo com ele. a aplicação do sistema em portugal em todos os cruzamentos que tem o sinal intermitente para os carros seria benéfica.

agora enquanto não existirem penalizações pesadas para quem não cumpre as leis os mais desprotegidos estarão sempre em desvantagem perante os condutores do enlatados...

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

Tuk-tuks e as bicicletas,...

Os peões e as bicicletas ...

O excesso de velocidade d...

A mobilidade sustentável ...

O lado "verde" do apoio a...

10 Dicas para a bicicleta...

A EMEL vai investir 40 mi...

tags

lisboa(222)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(204)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(112)

peões(102)

sinistralidade(74)

carro-dependência(67)

estacionamento(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006