Terça-feira, 29 de Julho de 2008

Andar de carro é coisa de pobre

Um casal jovem amigo nunca teve automóvel, nem sente falta dele.

Ele trabalha, ela trabalha, não têm falta de dinheiro, têm até dois filhos bebés (o argumento supostamente mais forte para a "absoluta necessidade" do automóvel). E não são fanáticos ambientalistas nem acérrimos defensores de uma cidade sem automóveis

 

São pura e simplesmente um casal sueco, que mora em Estocolmo. Vive num país onde ter automóvel não dá status, onde não há uma cultura sedentária, onde as cidades são pensadas para as pessoas, e onde há menos 20% de automóveis por habitante do que em Portugal apesar das óbvias diferenças de rendimento.

 


Leitura recomendada: as tristes prioridades de uma comissão de moradores de um bairro lisboeta. Ler também o segundo comentário. (Por acaso, e para quem não conhece a zona, é um bairro onde as poucas garagens de estacionamento que havia nos prédios foram convertidos em lojas e oficinas para dar algum lucro aos proprietários... alguns dos quais exigem agora estacionamento da câmara. Mas mesmo que assim não fosse, aquele texto é triste.)

publicado por MC às 23:38
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De Anónimo a 30 de Julho de 2008 às 23:40
esqueceu-se de dizer que a suécia é um pais riquissimo e que se desenvolve
De sushi lover a 31 de Julho de 2008 às 12:48
Não tem nada a ver com riqueza material!

A vantagem dos suecos é que a cidade é bem mais pequena que lisboa, tem uma rede de transportes eficiente e provavelmente esse casal amigo mora perto (ou a uma distancia ciclavel ou de trans. public) de onde trabalha e das escolas dos miúdos. Também gostava de referir que na Escandinávia a licença de maternidade é de cerca de um ano.

Os passeios devem ser largos o suficiente para passear carrinhos de bebés e cadeiras de rodas e todos os transportes devem estar adaptados à entrada dos carrinhos.

Em Lisboa ainda há muito caminho a percorrer!

Tb n tenho carro e ontem enviaram-me um mapa sobre como chegar a uma empresa onde vou ter uma entrevista e claro... só carro, nenhuma indicação sobre qq tipo de transporte publico.
Eu confesso q senti q se perguntasse qual era o autocarro is passar por uma pobretanas...
De MC a 17 de Agosto de 2008 às 20:50
Queria escrever um post sobre isso, as páginas das empresas que apenas nos indicam como lá chegar de carro (mesmo quando os transportes abundam).
De Nuno a 31 de Julho de 2008 às 23:18
Somos uma pequena familia com um carro usado que está na garagem e que serve para sair longe e tarde -sai da garagem uma vez por semana.
Não é por militância mas por falta de necessidade devido ás condições da cidade em que vivemos (não é em Estocolmo).

Não tem a ver com o grau de riqueza ou de cultura mas simplesmente com o hábito de, antes de se consumir algo (neste caso gasolina) se pensar 10 segundos sobre a sua necessidade real.
Apesar da mencionada pobreza do país os preços ainda não obrigam ao pragmatismo.
A mudança é inevitável mas não me agrada a ideia das pessoas se resignarem a andar a pé e em TCs sem verem a sua importância inerente de antemão.

A iniciativa de cidadãos mencionada é um verdadeiro tiro no pé e estranhamente ao lê-la achei que era ao mesmo tempo hilariante e assustadora- por esta ordem.
Apesar dos atentados ao bom-senso não o necessitarem a argumentação contra nos comentários é aniquiladora.
Os signatários tomaram conhecimento dessa crítica?
De Luis a 3 de Agosto de 2008 às 23:24
pois e são o pais que tem uma media de 1 barco para cada 2 habitantes.

e esta emmmmmmmmmmm!!!!!!!!!!

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Ferrovia vs Rodovia em Po...

Dieselgate, só por si, ca...

Emissões da rodovia aumen...

Emissões CO2 de baterias ...

Santos Populares vs Carro...

Documentário de 1973 da R...

Acabou a maior vergonha n...

Nova rede ciclável de Lis...

Caça à multa ou ao dispar...

O estacionamento como fun...

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(211)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(113)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(68)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(57)

espaço público(57)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006