Domingo, 1 de Junho de 2008

Só para Lembrar!

Em inglaterra é comum usar-se este tipo de acalmia de tráfego:

 

 

É uma tentativa persuasiva para as pessoas não carregarem no acelerador e abrandar, mesmo sem recorrer a lombas ou outro modo.

 

Sabemos que a sinalização vertical, como por exemplo, a usada perto de escolas, é por vezes ignorada... que tal escrever no centro da via a letras garrafais:

 

DEVAGAR

tags:
publicado por António C. às 21:17
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Carlos Martins a 3 de Junho de 2008 às 16:27
Por cá? Seria de rir...

Até podiam escrever:
"Abismo a 100m, perigo de morte, abrande!"
Que o pessoal passava por lá a acelerar feliz e contente...

Por muito que eu preze a privacidade, acho que a única maneira era mesmo fazer o controlo por videovigilância em todas as estradas - que cá em Portugal só quando sai do bolso é que as pessoas parecem levar a sério.
De António C. a 3 de Junho de 2008 às 17:56
Carlos, não concordo consigo pela mesma razão da pena de morte nos estados unidos não impedir que se dêem assassinatos.

Ou seja, defendo mais qualquer medida preventiva do que as reactivas. Depois de uma criança morrer não há consolo que uma multa ou mesmo prisão possa dar.

É por isso que são preciso estratégias de desenho urbano que obriguem os condutores a reduzir a sua velocidade, principalmente em zonas residenciais.

Ruas de ambos sentidos mas com largura apenas para um carro, estrangulamentos da via, lombas, gincanas, tudo isto se usa também aqui por Inglaterra. Futuramente tentarei postar umas fotos.

Abraço
De Carlos Martins a 3 de Junho de 2008 às 18:09
Certo, nada contra isso.

Mas e o que dizer das cenas diárias a que assisto, em estradas correctamente concebidas e sinalizadas, com a maioria dos automobilistas a desrespeitar continuamente e inpunemente todas as regras?

Por muito bom que seja querer acreditar no espírito cívico dos condutores, não me parece que isso funcione.

Num sítio onde havia lombas, foram arrancadas ao fim de poucas semanas; onde colocaram um semáfaro para os peoes, toda a gente passa no vermelho (e até ja me buzinaram várias vezes por eu ter parado) - e o limite de 50Km/h então.... esse parece ser invisível.

Uma coisa não invalida a outra - o que é preciso é que toda a gente assuma a sua responsabilidade; quer seja um engenheiro que concebeu mal uma estrada e que provoca acidentes, ou um condutor que ia ao telemóvel a 100Km/h numa zona de 50Km/h e atropela uma dúzia de pessoas.

Mas lembre-se, aqui estamos num país onde as pontes caem, vitimando dezenas de pessoas, e a "culpa"... essa... nunca é de ninguém.
De MC a 4 de Junho de 2008 às 22:19
Eu estou com o Carlos Martins. Obviamente que acho fundamentais todas as medidas que o António referiu, mas há diferença em comparação com a pena de morte nos EUA:
Todos sabemos que matar é errado, mas a vasta maioria dos automobilistas não vê "mal nenhum" em conduzir a 80 nas cidades, estacionar em cima dos passeios, etc.. porque não se põe no papel de quem acarreta com as consequências. Quando isto aconteça, só nos resta penalizar o comportamento fortemente.

Aproveito para citar um post antigo sobre uma reportagem na RTP:
Um especialista holandês faz o contra-ponto logo a seguir, dizendo que o essencial é o sentimento de impunidade e a credibilidade da mensagem das autoridades. Todos os condutores em qualquer país acham que só acontece aos outros, por isso sem uma ameaça credível contra o desrespeito das regras, nada feito


(Nota: sou visceralmente contra penas de morte e tenho muito orgulho por termos um limite máximo de 25 anos de prisão)

Comentar post

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

É fisicamente impossível ...

Se o estacionamento não f...

O planeamento urbano cent...

Mais estradas não resolve...

E também não, um carro em...

Não, um carro estacionado...

Até na OMS há preocupaçõe...

Os supermercados que cobr...

Até as multas ao estacion...

Comércio local cresce

tags

lisboa(224)

ditadura do automóvel(215)

ambiente(208)

bicicleta(157)

cidades(114)

portugal(113)

peões(103)

sinistralidade(74)

estacionamento(71)

carro-dependência(67)

transportes públicos(66)

bicicultura(62)

economia(58)

espaço público(58)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(39)

trânsito(33)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Setembro 2016

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006