Sexta-feira, 4 de Abril de 2014

Alegadas vantagens económicas do automóvel: os empregos criados

O sector automóvel emprega milhares de pessoas, desde a produção à manutenção, passando pelos seguros e os postos de combustível. Reduzir o uso do automóvel é criar desemprego.

Os transportes públicos, as bicicletas e os peões criam muito menos emprego, logo não devem ser tão subsidiados.

 

Vamos ser claros, criar emprego artificial é fácil. O que é difícil é criar emprego cujo trabalho crie realmente valor para a sociedade. Se proibirmos a maquinaria têxtil, e voltarmos às tecelagens manuais, criaremos milhares de empregos. Sendo que o produto final é mais ou menos o mesmo, estamos a empregar muito mais gente que acaba por não criar mais valor. Vale a pena voltarmos aos métodos do século XVIII?
O mesmo poderia ser feito nos transportes públicos, com um revisor em todos os autocarros como alguns países com salários muito baixos têm; ou nas bicicletas, obrigando-as a revisões certificados de 1000 em 1000km, e a pagar seguro. Na prática, seriam empregos novos cujo contributo é duvidoso, e forçado artificialmente. Faz sentido fazê-lo?

Como estão organizadas as nossas cidades hoje, com uma predominância do automóvel e uma rede de transportes pouco eficiente (em parte devido ao congestionamento e ao planeamento centrado no automóvel), o automóvel é como a tecelagem manual: emprega muita gente mas os benefícios que traz à sociedade, apesar de importantes, poderiam ser feitos de maneira bem mais eficiente. Uma organização urbana como acontece no norte da Europa, com transportes com uma eficiência superior ao que automóvel tem cá, seria sim uma indústria têxtil moderna.

Entre a tecelagem do século XVIII, e a indústria de ponta de hoje, a escolha é simples.

 

......................................................................................

A Universidade de Aveiro e a ABIMOTA têm um projecto em comum, que tenta mostrar a importância económica que a bicicleta já tem e que ainda pode crescer: Promoção do valor económico da bicicleta

 

tags:
publicado por MC às 22:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 31 de Março de 2014

Alegadas vantagens económicas do automóvel: as externalidades positivas

Um argumento habitual a favor do uso do automóvel, é a ideia segundo a qual não é só o automobilista que ganha, mas a sociedade no seu todo. Ao chegar mais cedo ao emprego, posso trabalhar mais horas. Se for mais facilmente ao hipermercado, poderei fazer mais compras. Etc. Por a minha escolha de transporte não me beneficiar apenas a mim, mas toda a sociedade, ela seria uma "externalidade positiva". A consequência lógica seria contabilizar estes benefícios como parte integrante da minha escolha, e assim ela deveria ser incentivada.

Mesmo sem entrar em definições económicas, é fácil de perceber que este raciocínio é falacioso. Poder-se-ia igualmente argumentar que ao escolher andar de bicicleta, poupei alguns euros que depois vou poder usar na compra de produtos nacionais, logo positivo para a economia. Ou que hoje, ao ir almoçar uma bela pizza fora, não me beneficiei só a mim mas também aos empregados e aos donos da pizzaria, tal como os agricultores que produziram os ingredientes. Ou até - o meu exemplo preferido - que as viagens luxuosas que os grandes empresários nacionais fazem, são importantes para eles mas também para o país por os ter mais frescos e descansados para novas ideias de investimento.

Será que estes benefícios (que existem certamente) serão razão para apoiarmos financeiramente a minha ida de bicicleta, o meu almoço ou os passeios do João Pereira Coutinho? Seguindo este raciocínio dificilmente encontraremos algo que não merece ser apoiado, e depois sobra a questão: se tudo deve ser apoiado, quem é que resta para nos apoiar?

Em economia é claro quais são as escolhas que devem ser apoiadas ou desincentivadas, sendo aquelas onde há realmente uma externalidade positiva (ou negativa). Existe uma externalidade quando há consequências para terceiros que não são tomadas em conta por quem toma a decisão. O benefício que a sociedade tem em eu poder trabalhar mais umas horas já está reflectido no salário extra que eu vou receber, logo eu já tomo isso em consideração. Quando eu escolho almoçar a pizza, e o cozinheiro escolhe cozinhá-la para mim, ambos já estamos a pensar nos benefícios e custos causados aos outros: eu sou forçado a pensar no custo que lhe causo porque vou ter de pagar, ele pensa na minha satisfação porque vai receber. Estes casos não têm portanto externalidades.

O uso do automóvel tem sim fortes externalidades negativas. Ao optar pelo uso do automóvel, não tomo em conta o impacto que vou criar nos outros, em termos de poluição sonora, poluição atmosférica, horas perdidas em congestionamentos, etc. porque isso não está reflectido em nenhum benefício ou custo, monetário ou intangível, que eu venha a ter. Aqui a teoria economia é clara: o que não é resolvido a bem, deve ser feito a mal: todos as escolhas com externalidades negativas devem ser taxadas de acordo com o impacto que causam. No caso do congestionamento, pode chegar quase aos 2€ por km percorrido.

 (texto emendado a 1.4.14)

....................................................................................................

As leituras recomendadas de hoje são exactamente sobre isto: um Prémio Nobel a explicar que o automóvel deve pagar portagens urbanas, e uma estimativa das externalidades negativas do automóvel em Portugal pelo Vera Veritas.

publicado por MC às 22:16
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
Quarta-feira, 19 de Março de 2014

É muito díficil discutir mobilidade urbana racionalmente (corolário do post anterior)

No último post contei quatro histórias pessoais que tinham uma coisa em comum: a mesma pessoa perante uma situação onde um automobilista causa mais mossa que um ciclista, aponta o dedo exclusivamente ao ciclista desculpando o automobilista.

A recente obsessão da CML e da ANSR com as transgressões dos ciclistas urbanos - que convivem ao lado de automóveis que circulam a 80km/h no centro da cidade, que tapam a passagem dos peões estacionando no passeio, que fazem razias ao ciclistas não respeitando os 1,5m legais, etc. - são mais um exemplo disto. Aliás são mais graves, porque são posições institucionais. Uma visita pelo Facebook da ANSR é algo assustador: grande parte da energia é gasta em educar o peão, e não quem se passeia com 2 toneladas a 80km/h pela cidade.

Há um corolário triste desta discriminação. É muito difícil discutir racionalmente a mobilidade dos peões e das bicicletas com leigos ou mesmo com as autoridades. A maioria das pessoas cresceu e viveu durante décadas em cidades onde a posição do automóvel era um dado adquirido, e todas as restantes necessidades da cidade vêm a seguir. É muito difícil obriga-las a dar um passo atrás e ver as coisas em perspectiva. Mas só obrigando-as a fazer isso, é que poderemos falar.

 

.................................................................................

A leitura recomendada é um texto de alguém que faz exactamente isso, o Miguel Barroso no CodigoDaEstrada.Org lembra-nos que o problema não é o ratinho mas o elefante na loja de loiças.

 

publicado por MC às 15:58
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Janeiro de 2014

Como os automobilistas vêem os ciclistas, e por consequência o espaço urbano

São 4 pequenas histórias pessoais recentes, semelhantes a outras que todos os ciclistas e peões terão.

 

1. Av. Prof. Egas Moniz, uma avenida com 2 faixas daquelas onde a velocidade facilmente chega aos 80. Eu desço a avenida de bicicleta pela direita a uns 30-35km/h, mesmo ao meu lado na esquerda uma carrinha vai à mesma velocidade (à procura de estacionamento, caminho?). Formam-se filas nas duas faixas. Durante umas centenas de metros, buzinam-me incessantemente. Como sempre mantenho-me. No semáforo seguinte o automobilista, que "até" anda de bicicleta, queixa-se de eu ter impedido a passagem dele (ele ia em frente, nem virava à direita...). A carrinha, que ia lentamente pela esquerda, não tinha culpa segundo ele.

 

2. Uma rua de bairro, larga, de sentido único, com uma faixa apenas. Do lado direito carros estacionados ilegalmente em segunda fila. Do lado esquerdo vem um ciclista ilegalmente em contra-mão. O espaço no meio é demasiado estreito para passar e o amigo que me dá boleia, tem de abrandar. Diz-me então "o teu amigo ciclista aqui a cometer uma ilegalidade não me deixa passar". Os carros, que ocupam o triplo do espaço ilegalmente, não tinham a culpa segundo ele.

 

3. Uma rua de bairro, longa e estreita, circulo a 20-25 de bicicleta. Atrás de mim um automobilista começa a buzinar-me, eu mantenho-me. Uns 200m à frente, há alguns carros parados porque um automobilista está com dificuldade em estacionar num espaço exíguo. Atrás de mim deixa-se de buzinar. Uma bicicleta que não faz parar ninguém merece buzinadela, um automóvel que bloqueia a rua a várias pessoas, não merece segundo ele.

 

4. Numa avenida circulo de bicicleta, com o capacete pendurado no guiador. No semáforo um automobilista abre a janela e diz "o capacete é para andar na cabeça!". Ainda respondo que não é obrigatório, mas ele até o sabia e insiste. Nunca vi um automobilista a levar uma lição de moral de outro por andar sem cinto. Repreender um ciclista por uma questão de segurança não-obrigatória que apenas lhe diz respeito é aceitável, fazer o mesmo a um automobilista por algo obrigatório, não é aceitável.

 

Sendo apenas exemplos, julgo que não será uma generalização abusiva afirmar que elas mostram a visão egoísta que a maioria dos automobilistas têm do espaço público. São casos onde o ciclista faz algo mais insignificante, mas que apenas merece repreensão por não ser automobilista, por não ser senhor da cidade. A dualidade de critérios nos 4 casos, não poderia ser mais evidente.

 

..................................................................................................

Ainda aí alguma desinformação sobre o novo Código da Estrada. A SIC, por exemplo, chegou a afirmar que os ciclistas poderiam circular na estrada. A MUBi fez um excelente resumo do essencial: Ano novo, Código novo.

 

publicado por MC às 15:01
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Terça-feira, 3 de Dezembro de 2013

Apanhado de Setembro, Outubro e Novembro no Facebook

Aqui fica o apanhado dos melhores links que passaram pelo Facebook do Menos Um Carro nos últimos 3 meses:

 

O Lisbon Cycle Chic discute o grave problema (ironia) da falta de respeito pelo Código da Estrada pelos ciclistas.

 

O fim de um mau período para as nossas cidades: ao mesmo tempo que o número de shoppings em Portugal começa finalmente a diminuir, as cadeias de lojas internacionais estão cada vez mais interessadas em investir no centro da cidades, estando dispostas a pagar bom dinheiro por isso.

 

O Guardian tem o texto sobre o segredo das cidades mais felizes do mundo, e sim, a subordinação ao automóvel é um grande problema.

 

A StreetFilms tem um novo vídeo sobre Amesterdão e o seu planeamento, a ver no Vimeo.

 

O João Pimentel Ferreira, que entre outras coisas colabora no Passeio Livre, guia-nos por Haia, que como todas as cidades holandesas é pouco amigas dos automóveis e só fica a ganhar com isso.

 

tags:
publicado por MC às 13:36
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Novembro de 2013

Outro minuto em Groningen, a cidade-modelo da mobilidade

Veneza é a cidade europeia onde o automóvel é mais... desincentivado, mas não por escolha própria. Esse título cabe a Groningen, uma cidade estudantil no norte da Holanda, onde as pessoas são reis da cidade através da quase inexistência de estacionamento automóvel à superfície e fortíssimas medidas de acalmia de tráfego.

Num dos meus posts preferidos aqui do blog, o António deixava um vídeo de um minuto num cruzamento numa praça central de Groningen. Hoje fica o meu minuto passado em Groningen, noutro cruzamento da cidade. E tal como no outro, este cruzamento também não é numa zona pedonal.

Apesar do frio (o vídeo foi feito em junho e há só se vêem casacos pesados), e da chuva constante (no dia do vídeo o chão está molhado e há vários guarda-chuvas), é uma cidade cheia de vida e comércio. São as cidades que são menos convidativas ao automóvel, as que acabam por ser mais humanas e ter mais vida, não o contrário.
É uma cidade para todos: vêem-se bebés a serem transportados em bicicletas e cadeiras de rodas a passar - e isto foi mero acaso, apenas gravei o vídeo uma vez.
Repare-se também como tudo flui sem precisar de semáforos ou regras rígidas de trânsito. Peões, bicicletas, aceleras e até um coche (!), todos se cruzam sem problema.
......................................
Para não destoar, a leitura recomendada de hoje é um vídeo que conta um projecto de país ingleses que fecham ruas do bairro durante umas horas para que os crianças possam brincar e socializar livremente na rua, como era o hábito há umas décadas, no Copenhagenhize.
publicado por MC às 14:58
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Setembro de 2013

Apanhado de Agosto no FB

Apesar de termos criado menos textos ultimamente, o Menos Um Carro tem continuado bem activo na partilha de textos e informações na página do Facebook. A partir de agora vou fazer um apanhado mensal das melhores coisas que passaram por lá, para quem não tem o hábito de seguir o Facebook. Aqui fica o melhor de Agosto:

 

Reportagem da SIC sobre o novo Código da Estrada que deixa de descriminar negativamente os ciclistas.

 

O Coliseu de Roma vai deixar de estar rodeado por automóveis.

 

A CM de Viana gasta 60 mil euros num só mês para que os donos dos popós não gastem do seu bolso. É esta a noção de "serviço público" que as autoridades locais têm.


Planear as cidades para o automóvel condena os pobres a ficarem pobres, cristalizando a desigualdade social. Não sou eu que o digo, é o prémio Nobel em economia Paul Krugman.


Mais do que o policiamento, as leis, a economia, etc. a poluição automóvel (em concreto o chumbo, que afecta o desenvolvimento cerebral) parece ter sido a causa do pico de criminalidade violenta que houve nos EUA nos anos 80 e 90.


Há muita gente que diz que andaria de transportes se houvesse estacionamento à entrada de Lisboa. A CML fez-lhes a vontade, e o programa foi um fracasso. A carro-dependência fala mais alto que as boas intenções.


"Upon closer consideration, moving from petroleum-fueled vehicles to electric cars begins to look more and more like shifting from one brand of cigarettes to another. We wouldn’t expect doctors to endorse such a thing", no World Streets

 

tags:
publicado por MC às 16:45
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 18 de Setembro de 2013

Esta sexta é de vez: de bicicleta para o emprego!

A MUBi, já há uns tempos que convida todos a fazer das sextas o dia da semana da ida para o emprego/escola em bicicleta, possivelmente em articulação com os transportes públicos. A agência municipal Lisboa E-Nova pegou nesta sexta dia 20 (por ser semana europeia da mobilidade) e convidou as empresas a promoverem a bicicleta para o emprego nesta sexta.

Seja a rotina habitual ou a primeira vez, esta sexta não se esqueçam: é Bike to Work Day.

publicado por MC às 11:46
link do post | comentar | favorito
Sábado, 10 de Agosto de 2013

Mapa dos declives de Lisboa

E porque hoje é dos dias mais quente do ano, dá jeito saber fugir aos declives de Lisboa. Aqui fica o mapa de todos os arruamentos de Lisboa, com a indicação do declive médio, feito por Rosa Félix. Verde escuro é plano, verde claro faz-se, amarelo custa vermelho é de evitar.

Clickar para ver com melhor definição, ou aqui em pdf.

 

Este mapa indica o declive dos arruamentos, mas há também o declive por área, que já postei em tempos.

 

 

......................................................................................

As mudanças no Código da Estrada que traz mais direitos aos ciclistas passaram pelo nosso Facebook, mas não pelo blogue. O JN tem um bom resumo aqui.

publicado por MC às 19:20
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 2 de Maio de 2013

O Guru anti-automóvel, amanhã em Lisboa

J.H. Crawford é um dos nomes mais conhecidos no mundo da mobilidade alternativa, e dos movimentos anti-automóvel. É dele o livro Carfree Cities e também dele o jornal electrónico Carfree Times, que tanta vez é mencionado aqui, ou serve de fonte, aqui no blogue.

Pela mão da MUBi, ele vai estar amanhã numa tertúlia na livraria Ler Devagar, na Lx Factory em Alcântara em Lisboa, a partir das 19h. O evento já estava no Facebook do blogue e aqui no calendário ao lado, mas merecia um post à parte.

 

Aqui fica o texto de apresentação da tertúlia:

 

We are faced today with problems of unprecedented scale and scope. Never before has human society confronted problems that affect our entire planet and threaten the continued existence of civilization itself. In the past, individual societies have declined and even disappeared, but never has all humanity been under threat, and never from so many simultaneous threats of such magnitude. We are living at a time when our actions will dramatically affect all of those who come after us. The responsibility we bear is enormous.
 
I want to talk today about one approach that solves many of our problems while also actually improving the quality of our lives. My vision for sustainable cities of the future is a simple one: it is of streets dedicated to human, not mechanical, uses, to social rather than transport needs, to beauty and health. I believe that the urban form developed in the last half of the 20th century does not serve human needs well and cannot long be sustained. Change must come; the only real question is the form of that change. My vision of future cities looks more like the past than the present. Its roots can be found in the arrangements we used when energy was scarce and expensive, or until about the end of the 19th century.
 
The proposal is simple, even if its implementation is complex. We should start now to remove cars from our cities, with the ultimate goal of completely eliminating them from urban areas. It took a century to build a society based on automobile transport, and it will probably take a century to reverse this. Climate change alone is a sufficient reason to adopt this approach. We should start now.
tags:
publicado por MC às 16:29
link do post | comentar | favorito

subscrever feeds

Google (lousy) Translation

autores

pesquisar

posts recentes

Alegadas vantagens económ...

Alegadas vantagens económ...

É muito díficil discutir ...

Como os automobilistas vê...

Apanhado de Setembro, Out...

Outro minuto em Groningen...

Apanhado de Agosto no FB

Esta sexta é de vez: de b...

Mapa dos declives de Lisb...

O Guru anti-automóvel, am...

tags

lisboa(219)

ditadura do automóvel(204)

ambiente(202)

bicicleta(153)

cidades(113)

portugal(111)

peões(102)

sinistralidade(72)

carro-dependência(67)

estacionamento(66)

transportes públicos(66)

bicicultura(58)

espaço público(57)

economia(55)

comboio(48)

auto-estradas(42)

automóvel(38)

trânsito(31)

energia(30)

portagens(27)

todas as tags

links

arquivos

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006